Juazeiro: Funcionários do Hospital Promatre continuam com salários atrasados

Funcionários estão com salários atrasados.

Dezenas de funcionários do Hospital Promatre, em Juazeiro (BA), estão sem poder cumprir seus compromissos financeiros porque ainda não receberam o salário referente ao mês de dezembro de 2020. Alguns, que entraram em contato com o Blog Waldiney Passos, afirmam que que há pendências ainda relativas ao ano de 2017. Segundo os denunciantes, o hospital chega a pagar o salário pela metade e deixa o restante sem pagar.

De acordo com trabalhadores da unidade hospitalar, que não querem se identificar com medo de represárias, essa prática é constante. Nós conversamos com uma fonte dentro do hospital, que informou que o motivo do atraso no pagamento seria a falta de repasse, por parte da prefeitura, das parcelas referentes a atendimentos feitos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Nossa fonte confirmou o atraso de salários, mas disse que desconhece o pagamento dos mesmos pela metade.

LEIA MAIS

Petrolina: empresa justifica atraso de salários de terceirizados e responsabiliza IF-Sertão

No final de 2020 o Blog mostrou a situação dos servidores terceirizados do IF-Sertão Petrolina. Eles são contratados pela KMS Serviços e afirmavam, na época, estar com salários atrasados, 13º e férias. A resposta da empresa chegou apenas nessa semana e esclarece alguns pontos apresentados na denúncia.

Em primeiro lugar a KMS negou estar em débito de dois meses, entretanto confirmou ter atrasado o pagamento do 13º salário dentro do prazo estipulado pela lei. Mas segundo a empresa, a culpa do problema foi do próprio IF-Sertão.

LEIA TAMBÉM

Terceirizados do IF-Sertão estão com salários atrasados e cobram resposta de empresa

“De fato, a empresa ficou sem pagar o décimo terceiro salário dos funcionários no prazo, os atrasos ocorreram por culpa no próprio IF Sertão que não repassou no prazo os valores que são descontados em nossa nota fiscal fatura mensalmente para pagar aos funcionários. Esses valores são descontados todos os meses de nossas fatura justamente para garantir o pagamento de nossos colaboradores, a empresa solicitou que fosse liberado em 16/11/2020 conforme documentação em anexo, e o IF só veio liberar em 31 de dezembro, data em que a empresa veio de fato começar a realizar os pagamentos dos funcionários”, justificou a KMS.

Por fim, a empresa ressaltou que há um déficit ocasionado pelo próprio Instituto Federal. “Estamos prestando serviços no IF Sertão desde 16 de março de 2020, a empresa vem pagando os salários dos funcionários conforme convenção coletiva 2020 e o IF Sertão até a presente data 13/01/2021 vem pagando a nossa empresa salários dos funcionários conforme convenção 2019, isso gera um déficit de extrema importância ao nosso caixa, causando um desequilíbrio econômico muito pesado no caixa da empresa“, ressalta.

Leia a seguir a resposta da empresa:

LEIA MAIS

Denúncia: funcionários da Promatre de Juazeiro estão com salários atrasados

Há pendências ainda de 2017, segundo funcionários

Os profissionais do Hospital Promatre, em Juazeiro (BA) estão sem receber seus direitos trabalhistas. Mesmo sendo servidores essenciais e estarem na linha de frente, há pendências datadas ainda do ano de 2017, segundo denúncias apresentadas ao Blog Waldiney Passos.

LEIA TAMBÉM

Hospital Universitário suspende almoço de plantonistas e Sindicato precisa comprar as refeições

E não bastasse as pendências de quatro anos atrás, os servidores estão trabalhando sem adicional noturno ou de insalubridade. “Em dezembro só foi pago o salário seco, sem nenhum benefício, como o adicional noturno e insalubridade. Além disso, alguns funcionários que deixaram a unidade descobriram que o FGTS não estava sendo pago”, conta um funcionário que preferiu não ser identificado.

LEIA MAIS

Terceirizados do IF-Sertão estão com salários atrasados e cobram resposta de empresa

Instituto disse em nota que está em dias e que acompanha situação (Foto: Ilustração)

Funcionários terceirizados do Instituto Federal do Sertão Pernambucano (IF-Sertão), em Petrolina, estão vivenciando um verdadeiro pesadelo. São dois meses sem salários, 13º e a incerteza sobre qual dia serão pagos pelos serviços prestados. A angústia ganha contornos mais dramáticos porque nem as festas de final de ano eles poderão realizar.

A empresa prestadora de serviços é a KMS. “O décimo terceiro não foi pago nem a primeira, nem a segunda parcela. Teve trabalhador que saiu de férias em novembro e não recebeu as férias. O que afeta mais é o 13º que por lei deve ser pago até 20 de dezembro e não tem previsão”, contra uma das terceirizadas.

Empresa está sendo paga, afirma IF

O Blog Waldiney Passos entrou em contato com o IF Sertão para saber se há algum débito com a KMS. De acordo com o Instituto, os pagamentos estão em dias. “A nota fiscal nº 93, emitida no último dia 15 de dezembro, referente ao serviço prestado no mês de novembro do corrente ano, foi paga nesta terça-feira, 29 de dezembro, através de ordem bancária”, diz a nota (confira a íntegra ao final da matéria).

O contrato com a KMS termina no dia 15 de março de 2021. Enquanto isso o IF Sertão afirmou que seguirá acompanhando a situação e inclusive já adotou três punições contra a prestadora de serviços. Nossa equipe também procurou a empresa terceirizada, que não retornou aos nossos questionamentos.

LEIA MAIS

Crise: funcionários do Hospital Regional de Juazeiro ainda não receberam salário de abril

Em plena pandemia do novo coronavírus os funcionários do Hospital Regional de Juazeiro (HRJ) estão sem receber o salário referente ao mês de abril. O valor deveria ter sido pago no início desse mês, mas até o momento os servidores não têm nenhuma informação acerca dos seus direitos.

Além dos médicos, técnicos de enfermagem e enfermeiros, trabalhadores de vários setores estão nessa mesma situação. Alguns deles também enfrentam outro problema que já mostramos no Blog. Angustiados eles cobram uma resposta do Governo da Bahia e do HRJ. “Estamos sem receber salário desde abril. Há rumores de que não foi feito repasse e continuamos com o salário em atraso“, relatou um profissional que atua no hospital.

Outro lado

Nossa Produção entrou em contato com a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) que alega fazer “repasses consecutivos e regulares às organizações sociais que fazem a gestão de suas unidades”. Até o momento o HRJ não se posicionou sobre a denúncia apresentada nessa matéria.

Auxiliares de serviços gerais das escolas estaduais de Pernambuco cobram pagamento de salário e iniciam paralisação no Sertão

Grupo iniciou paralisação nessa quinta-feira, 21, em Petrolina (Foto: Blog Waldiney Passos)

2019 vai chegando ao fim, mas os trabalhadores e trabalhadoras terceirizados do Sertão continuam na luta para receber seus salários em dia. Nessa quinta-feira (21), as auxiliares de serviços gerais contratadas pela empresa Soluções para atuar nas escolas estaduais de Pernambuco iniciaram uma paralisação.

O grupo cobra o pagamento do salário de outubro, que está há mais de 15 dias em atraso. O 13º segue sem previsão de ser pago e as funcionárias então resolveram cruzar os braços. “Estamos falando com a secretaria de Educação e com a empresa Soluções, mas não deram nenhuma solução ainda. Fizemos uma assembleia há três dias, passamos o prazo até ontem para pagar e se não houvesse o pagamento, seria feita a paralisação. Ninguém resolveu e fizemos a paralisação”, explicou o presidente do Sindicato Intermunicipal dos Empregados em Empresas de Asseio, Conservação, Limpeza Urbana e Condomínios do Sertão Pernambucano (Siemaco), João Soares.

LEIA MAIS

Terceirizados da Univasf de Petrolina cobram pagamento de salário; Univasf afirma que corte do MEC impede “pagamento de despesas nos respectivos prazos”

Univasf teria débito com empresa, que atrasa pagamento de salários (Foto: Divulgação)

Servidores terceirizados que atuam na Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) de Petrolina procuraram o Blog para denunciar atraso no pagamento dos salários. A categoria é representada pela Empresas de Asseio, Conservação, Limpeza Urbana e Condomínios do Sertão Pernambucano (Siemaco) e de acordo com o presidente do Siemaco, o problema tem sido constante em 2019.

“Está atrasado o mês de agosto, nós já fizemos mediação no Ministério do Trabalho e em contato recente com a empresa, existia uma promessa de pagamento na sexta-feira passada e não pagaram. Ontem, prometeram pagar e hoje tive a confirmação que pagaram”, explicou João Soares.

De acordo com Soares, a Soll não cumpre sua parte em dias porque a Univasf estaria em débito com a empresa. “Segundo eles, estão com faturas em aberto na universidade que seriam quatro e não têm capital. Eles estão com a repactuação em atraso, que é o reajuste das tarifas deles“, disse o presidente do Siemaco.

A universidade teria constatado o débito, provocado pelo corte anunciado pelo Ministério da Educação (MEC) anunciado no primeiro semestre. Como consequência, a Soll precisou reduzir o número de funcionários, sobrecarregando os que ficaram. E a situação não deve melhorar para os terceirizados.

“Eles pagam com atraso. Resolvemos esse mês e já vamos nos preparar para o mês seguinte. Em julho, vieram pagar quase 8 de agosto. Esses atrasos são constantes, não temos a segurança de que resolvemos”, ressaltou Soares.

LEIA MAIS

Médicos do Hospital Regional de Juazeiro paralisam atividades e cobram pagamento salarial

Os médicos do Hospital Regional de Juazeiro paralisaram as atividades nessa quarta-feira (18). Os profissionais de saúde cobram pagamento do salário referente ao mês de agosto desse ano. Aproximadamente 50 médicos aderiram à parada, que não tem previsão de encerramento.

Nossa produção procurou o Hospital Regional, hoje administrado pela Associação de Proteção à Maternidade e à Infância Castro Alves (APMICA). Também buscamos a secretaria de Saúde da Bahia (Sesab), mas nenhuma das instituições respondeu.

O Regional atende a 55 municípios através da Rede PEBA e é uma das referências no Norte da Bahia. Contudo, os profissionais de saúde e da equipe administrativa constantemente denunciam atrasos em salários.

Juazeiro: secretaria de Saúde da Bahia afirma que funcionamento do Hospital Regional “encontra-se normal”

(Foto: ASCOM)

Os funcionários terceirizados do Hospital Regional de Juazeiro (BA) cobram o pagamento dos salários em atraso – maio e junho. Ontem (4), inclusive, os médicos chegaram a paralisar as atividades cobrando seus direitos. Nossa produção procurou o Governo da Bahia, que atendeu a nossa demanda nessa sexta-feira (5).

LEIA TAMBÉM:

Sem receber há dois meses, funcionários do Hospital Regional cobram pagamento dos salários

Através de nota a Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) alega fazer repasses ao Hospital e inclusive, efetuou um pagamento ontem. “A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia realiza pagamentos regulares e consecutivos a Associação de Proteção à maternidade e infância de Castro Alves (APMICA), entidade responsável pela gestão do Hospital Regional de Juazeiro, inclusive, com um pagamento realizado nesta quinta-feira (4/7), no valor de R$ 3,699 milhões”, diz a nota.

De acordo com a Sesab “o funcionamento da unidade encontra-se normal, sem quaisquer indicativos de paralisação. Acrescentamos ainda que a organização social é a responsável pela gestão dos recursos humanos, medicamentos e material médico-hospitalar”. A Direção do HRJ ainda não se pronunciou.

Sem receber há dois meses, funcionários do Hospital Regional cobram pagamento dos salários

Terceirizados estão há dois meses sem receber (Foto: Ascom)

A Redação do Blog recebeu, na manhã dessa quinta-feira (4), diversas denúncias de funcionários terceirizados do Hospital Regional de Juazeiro (HRJ). De acordo com as queixas, há dois meses o salário dos trabalhadores não é pago. Eles alegam ainda que o vale transporte também teria sido cortado.

“A empresa não tá repassando nem o vale transportes, a direção não dá posição sobre um prazo. Não pagam os vales, mas advertem o funcionário que venha a faltar. Estamos vivendo em regime escravo“, relatou um funcionário que preferiu não se identificar.

LEIA MAIS

Com salários atrasados, merendeiras do estado podem paralisar atividades

(Foto: Ilustração)

As merendeiras que trabalham nas escolas estaduais do Sertão pernambucano estão mais uma vez com salários atrasados. No entanto, elas aguardam o cumprimento da promessa de que o pagamento será feito até essa semana, para decidir se de fato paralisarão as atividades.

LEIA TAMBÉM:

Presidente do Sindicato critica empresa por atraso ao pagamento às merendeiras: “sempre atrasou o salário”

João Soares, presidente do Sindicato das Empresas Terceirizadas falou da paralisação das profissionais no programa Super Manhã, da Rádio Jornal e explicou a situação. De acordo com João, há dois meses as merendeiras estão com salários atrasados e tudo isso começou com a chegada da empresa Premium.

LEIA MAIS