Mandante e executor no Caso Élida entram para o Baralho do Crime

A Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) atualizou o Baralho do Crime com os rostos da mandante e executor no Caso Élida Márcia, professora assassinada em Juazeiro (BA) no começo do ano. Edvania Pereira de Morais, mais conhecida como Vaninha é considerada mandante intelectual do homicídio.

Segundo a Polícia Civil de Juazeiro, Vaninha articulou o crime, já que Élida era vista como um obstáculo para seu relacionamento com o esposo da professora morta. Maicon Neves dos Santos, apontado pela polícia como executor, também está no Baralho.

LEIA TAMBÉM:

Caso Élida: MP-BA apresenta denúncia contra quatro suspeitos de participar do homicídio

PETO 76 apreende armas em residência usada como esconderijo pelo acusado de assassinar professora em Juazeiro

Juazeiro: após prisão de suspeito, Polícia Civil elucida homicídio de professora

Professora é morta a tiros em Juazeiro

Vaninha é a nova Oito de Paus e Maicon, o Sete de Espadas. Os dois têm mandado de prisão em aberto e são considerados foragidos. Maicon, inclusive, chegou a ser preso uma semana antes por outro crime, mas a polícia só chegou ao seu nome como executor após sua liberação.

LEIA MAIS

Trio é preso em Paulo Afonso por roubo a veículos

(Foto: SSP-BA/Divulgação)

Três pessoas foram presas em Paulo Afonso (BA) na noite de terça-feira (18). De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), o trio praticava os roubos em estados vizinhos e trazia os veículos à cidade. Com eles quatro carros foram apreendidos.

Douglas da Silva, de 39 anos, Jeorge da Silva, de 34 e Tiago da Silva, 33 davam diferentes fins aos carros. “Usavam para cometer outros crimes, para adulteração e desmanche”, disse o tenente-coronel Carlos Humberto, comandante do 20º Batalhão da Polícia Militar.

Além dos veículos apreendidos a polícia encontrou com o trio, duas armas, um simulacro, munições, 10 placas, quatro documentos de veículos, oito telefones celulares e dois porta-documentos. Eles responderão por associação criminosa e receptação.

Cipe Caatinga erradica 1,5 toneladas de maconha em Abaré

Droga foi encontrada e destruída no final de semana (Foto: SSP-BA/Divulgação)

Uma plantação de 3,2 mil pés de maconha foi erradicada pela Polícia Militar da Bahia, em Abaré, na divisa com Pernambuco, no domingo (5). Equipes da Cipe Caatinga receberam uma denúncia anônima sobre a plantação que vinha sendo cultivada em uma propriedade.

Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP-BA), três homens que vigiavam a plantação conseguiram escapar. Até o momento o trio não foi localizado. Os 3,2 mil pés de maconha equivalem a 1,5 tonelada da droga, que era cultivada em 900 covas.

Ainda de acordo com a polícia, a plantação tinha entre 1,50 cm e 1,90cm de altura. A plantação foi incinerada e uma pequena quantia foi recolhida e apresentada à Delegacia Territorial de Abaré. (Com informações do Bahia Notícias).

Polícia encontra 30 mil pés de maconha em Abaré

(Foto: SSP-BA/Divulgação)

A Polícia Civil de Abaré (BA) localizou uma plantação com aproximadamente 30 mil pés de maconha na zona rural do município. De acordo com a secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), denúncias anônimas levaram as autoridades até o local.

A erva estava sendo cultivada por um suspeito identificado como Tony, que está foragido. José Arimateira Lucas Caldas, de 38 anos também estaria envolvido no crime de tráfico e foi preso em flagrante.

De acordo com o comandante do 20º Batalhão da Polícia Militar, Carlos Humberto, há dois meses não era registrada esse tipo de ocorrência na região. Toda a plantação foi incinerada.

Com informações de A Tarde