No mês de combate ao tabagismo, Prefeitura de Petrolina lança programação especial

(Foto: Ascom)

O ‘Dia Mundial Sem Tabaco’ é comemorado no dia 31 de maio. Essa data foi criada para conscientizar e mobilizar a população sobre os riscos decorrentes do uso do cigarro. Em Petrolina (PE), durante todo o mês de maio, a prefeitura irá realizar uma programação especial coordenada pela Secretaria de Saúde para alertar sobre os perigos do tabagismo.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o tabagismo é a principal causa de morte evitável no planeta. Estima-se que cerca de 200 mil pessoas morrem em decorrência do fumo todos os anos no Brasil. No município, as equipes das Unidades Básicas de Saúde, através do Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NASF), promovem durante todo o ano, atividades de combate ao uso do cigarro.

LEIA MAIS

Secretaria de Saúde de Petrolina promove conscientização contra o Tabagismo nas AMEs

(Foto: ASCOM)

O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável em todo o mundo. Muitos estudos evidenciam que o consumo de derivados do tabaco causa quase 50 doenças diferentes, principalmente as cardiovasculares, o câncer e as doenças respiratórias.

Para combater essas doenças, a Secretaria de Saúde de Petrolina está desenvolvendo um trabalho de conscientização com a população que utiliza o Serviço Único de Saúde (SUS) no município. “As ações educativas estão sendo realizadas em grupos nas Unidades de Atendimento Multiprofissional Especializado (AMEs), sob a coordenação das equipes dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF)”, ressaltou a secretária de saúde, Magnilde Albuquerque.

No bairro Cohab Massangano, zona oeste da cidade, a AME Ricardo Soares tem encontros a cada quinze dias. De acordo com a psicóloga, Stephane Souza, o trabalho vem sendo realizado desde o começo do ano. “É um grupo aberto para todas as pessoas da comunidade que desejam parar ou diminuir o uso cigarro. Nós orientamos e apoiamos essas pessoas”, frisou.

LEIA MAIS

Estudo revela que o tabagismo custa US$ 1 trilhão e em breve vai matar 8 milhões por ano

(Foto: Internet)

Segundo estudo divulgado nesta terça-feira (10) pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos, o tabagismo custa à economia global mais de US$ 1 trilhão por ano.

Os gastos são calculados no que é investido na saúde e a perda de produtividade que o hábito causa. Ainda segundo a pesquisa até 2030 o tabagismo matará um terço a mais de pessoas. O custo estimado supera amplamente as receitas globais com os impostos sobre o fumo, que a OMS colocou em cerca de US$ 269 bilhões em 2013-2014.

“O número de mortes relacionadas ao tabaco deverá aumentar de cerca de 6 milhões de mortes para cerca de 8 milhões anualmente até 2030, sendo que mais de 80% delas vão ocorrer em países de baixa e média renda”, diz o estudo.

Cerca de 80% dos fumantes vivem nesses países e, embora a prevalência de tabagismo esteja caindo entre a população global, o número total de fumantes em todo o mundo está aumentando, afirma o estudo. Especialistas em saúde dizem que o uso do fumo é a maior causa evitável de morte globalmente.

Com informações do G1

Secretaria de Saúde de Salgueiro auxilia pessoas que querem abandonar o tabagismo

Os pacientes passarão por acompanhamento durante um ano/Foto:portal da Prefeitura

Os pacientes passarão por acompanhamento durante um ano/Foto:portal da Prefeitura

Salgueiro ganhou novos candidatos a ex-fumantes com o encerramento do grupo de combate ao tabagismo, na Unidade de Saúde Rita Alves, do bairro da Cohab.

Durante quatro sessões semanais, oito integrantes contaram com apoio multidisciplinar para vencer o vício. Além do apoio de profissionais como fonoaudióloga, fisioterapeuta, nutricionista, médico, dentista, dentre outros; os pacientes assistiram palestras sobre os efeitos do cigarro no organismo, sobre como funciona o processo de abandono do vício e receberam gratuitamente adesivos de nicotina, além de comprimidos e medicação que é distribuída dependendo do grau de dependência.

Segundo a coordenadora do grupo de tabagismo, a fonoaudióloga Stefânia Nascimento, os integrantes ficam livres para escolher se deixarão de fumar de forma progressiva ou mais radical. “Normalmente, a maioria dos integrantes começa a obter ajuda medicamentosa na segunda sessão, geralmente de adesivos, cuja dosagem vai depender de cada caso e será diminuída progressivamente. A lógica do adesivo é ir diminuindo os efeitos da nicotina no organismo para a pessoa não sofrer abstinência”, explicou.

Ainda de acordo com Stefânia, a luta dos integrantes do grupo de combate ao tabagismo, no entanto, está apenas começando. Os pacientes passarão por acompanhamento durante um ano. Para ser considerado ex-fumante, uma pessoa tem que passar no mínimo, esse período sem fumar.

Com informações do Portal da Prefeitura de Salgueiro

Upae/IMIP de Petrolina alerta sobre malefícios do cigarro

tabagismo

De acordo com informações da Unidade de Saúde, este o Ministério da Saúde propõe , em campanha, uma reflexão sobre os malefícios do fumo e a padronização das embalagens de cigarros e correlatos, como forma de inibir o consumo.

O tabagismo é a principal causa de morte evitável do mundo, de acordo com a OMS. No Brasil, estima-se que aproximadamente 22 milhões de pessoas fazem o uso do tabaco. O fumo mata seis milhões de seres humanos por ano, 600 mil deles fumantes passivos, ou seja, atingidos involuntariamente pela fumaça expelida pelos viciados. O mais grave é que 31% das mortes atribuídas ao fumo passivo ocorrem em crianças.

A fumaça dos cigarros contém 4,7 mil substâncias tóxicas. Somente no alcatrão há 40 compostos cancerígenos. A nicotina, a droga psicoativa do tabaco, causadora da dependência, aumenta a liberação das chamadas catecolaminas, como a adrenalina, noradrenalina e dopamina. Essas substâncias químicas contraem os vasos sanguíneos aceleram a frequência cardíaca e, assim, são causadoras de hipertensão arterial.

LEIA MAIS

Deixar de fumar entre as promessas da humanidade para 2016

Combate ao Fumo 2016

Com a chegada de 2016, na lista das promessas para o novo ano, a de deixar de fumar é um clássico. Boas razões não faltam, como esta: “Os indivíduos que cessam os hábitos tabágicos antes dos 50 anos têm metade do risco de morrer nos 15 anos seguintes”, diz a Direcção-Geral de Saúde (DGS). Mas entre anos de vida ganhos e doenças várias que se podem prevenir há uma pequena contrariedade: deixar de fumar engorda. Cerca de 84% dos fumadores em cessação ganham peso.

A média de ganho de peso é de quatro a cinco quilos após um ano. Uma pequena minoria (13 a 14% dos indivíduos) ganha mais de 10kg. “Esta taxa não é sempre igual: é mais acentuada durante os primeiros três meses de cessação tabágica, com um aumento médio de 1kg por mês, e decresce após este período”, segundo a DGS.

Engordar é mesmo considerado “o principal motivo para a relutância em parar de fumar e recaída depois da cessação, especialmente nos fumadores que apresentam preocupações com o seu peso”, lê-se numa publicação que acaba de ser publicada no site da DGS: o manual Cessação Tabágica e Ganho Ponderal — Linhas de Orientação. Objectivo: promover um consumo alimentar adequado durante a cessação tabágica. Porque “os benefícios para a saúde decorrentes” da mesma “excedem quaisquer outros riscos associados ao aumento médio de quatro a cinco kg”.

A primeira das recomendações deste manual pode resumir-se assim: faça uma coisa de cada vez. “O controlo de peso através de uma restrição energética não é aconselhado durante a cessação tabágica, uma vez que as exigências mentais e emocionais desta restrição podem comprometer o sucesso da abstinência.” Assim, é aconselhado que durante os primeiros três meses sem cigarros, o fumador se concentre na cessação tabágica e não no controlo do peso. Preocupe-se com os quilos a mais “quando se encontrar totalmente confiante na cessação tabágica.”

Outra recomendação: “Anote as horas de maior compulsão para fumar e tenha sempre disponíveis pastilhas elásticas sem açúcar ou frutos gordos em quantidades moderadas (nozes, amêndoas, avelãs, amendoins, …). Estes ajudam a ter as mãos ocupadas” sendo que a mastigação diminui a vontade de comer demasiado. “Para além das pastilhas podem ser usados palitos ou palhinhas de plástico que ajudam a aliviar a tensão dos músculos do maxilar usado na inalação do fumo do cigarro.” (Fonte: UOL)