Bolsonaro recebe Juan Guaidó no Palácio do Planalto e diz que vai atuar para restabelecer democracia na Venezuela

(Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)

Juan Guaidó chegou ao Palácio do Planalto, onde se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro (PSL), por volta das 13h50, acompanhado pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e passou pelo tapete vermelho estendido em uma das portarias laterais do edifício principal. Os Dragões da Independência fizeram as honras na entrada.

Depois da reunião no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro manifestou publicamente seu apoio ao presidente autodeclarado interino da Venezuela, Juan Guaidó. Em declaração à imprensa, na tarde de hoje (28), Bolsonaro afirmou que o Brasil vai atuar, dentro da legalidade, para restabelecer a democracia no país vizinho.

“Nós não pouparemos esforços dentro da legalidade, da nossa Constituição e das nossas tradições para que a democracia seja restabelecida na Venezuela. E isso só será possível com eleições limpas e confiáveis. Nos interessa uma Venezuela livre, próspera e economicamente pujante”, disse o presidente.

Bolsonaro criticou governos anteriores do Brasil por terem dado apoio ao presidente venezuelano, Nicolás Maduro. “Faço uma meia culpa aqui, porque dois ex-presidentes do Brasil fizeram parte do que está acontecendo na Venezuela hoje. Essa esquerda gosta de tanto de pobre que acabou multiplicando-os, e a igualdade buscada por eles foi por baixo. Queremos uma igualdade para cima, na prosperidade”, afirmou.

LEIA MAIS

Guaidó assina decreto que determina reabertura da fronteira Brasil-Venezuela

(Foto: REUTERS | Marco Bello)

Em meio ao caos que atinge a fronteira entre Brasil e Venezuela, que hoje (22) registrou dois óbitos e deixou até o momento cinco feridos durante um conflito, o presidente autoproclamado Juan Guaidó assinou um “decreto presidencial” no qual determina a reabertura da fronteira.

Ontem Nicolás Maduro ordenou o fechamento da fronteira com o Brasil a partir das 20h, para impedir a entrada de ajuda humanitária enviada pelos Estados Unidos. A ordem de Guaidó foi publicada em suas redes sociais e ressalta que o exercício da presidência lhe é garantido por quatro artigos da Constituição da Venezuela.

“Como chefe de Estado responsável por dirigir as relações exteriores, ordeno aos órgãos do poder público responsáveis por esses assuntos que faça o necessário para que se mantenha aberta a fronteira com o pais irmão da República Federativa do Brasil”, decreta.

Para amanhã (23) o líder opositor convocou uma ação de grande escala no país para que os venezuelanos se dirijam até postos na fronteira para buscar e distribuir no país a ajuda humanitária, enviada à Cúcuta, na Colômbia, à Pacaraima, no Brasil, e à ilha de Curaçao. Com informações da Folha de São Paulo.

Maduro anuncia fechamento da fronteira com o Brasil

(Foto: Internet)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nessa quinta-feira (21) o fechamento da fronteira com o Brasil e a realização de um “grande show” de música na área que faz divisa com a Colômbia. Ele avalia também o fechamento da fronteira colombiana, na qual está a cidade Cúcuta, que centraliza os repasses de doações para os venezuelanos.

“A partir das 20h de hoje (21h no horário de Brasília) a fronteira terrestre com o Brasil será fechada”, anunciou Maduro, nessa quinta, durante reunião com o Estado Maior das Forças Armadas Nacionais Bolivarianas (FANB) por videoconferência do Comando Estratégico Operacional de Caracas.

“Decidi que [o espaço] está totalmente fechado, até novo aviso sobre a fronteira terrestre com o Brasil, melhor prevenir do que remediar”, acrescentou Maduro. “Quero que seja uma fronteira dinâmica e aberta com a Colômbia, mas sem provocações.”

Brasil e EUA reconhecem Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela

Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional da Venezuela se declara presidente interino do país. (Foto: Federico Parra)

Durante manifestações de opositores ao governo de Nicolás Maduro em Caracas, o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela e líder da oposição, Juan Guaidó, se declarou nesta quarta-feira (23) presidente interino do país. A ação foi reconhecida pelos governos do Brasil e dos Estados Unidos, entre outros.

“Na condição de presidente da Assembleia Nacional, ante Deus, a Venezuela, em respeito a meus colegas deputados, juro assumir formalmente as competências do executivo nacional como presidente interino da Venezuela. Para conseguir o fim da usurpação, um governo de transição e ter eleições livres”, disse Guaidó diante dos manifestante, com a Constituição em mãos.

LEIA MAIS

Maduro é reeleito em eleição questionada pela oposição

O processo eleitoral foi acompanhado por forte esquema de segurança. (Foto: Internet)

Presidente da Venezuela desde 2013, Nicolás Maduro, de 55 anos, é reeleito para mais seis anos de mandato, em uma eleição duramente criticada pela oposição e com elevado índice de abstenção. De acordo com a imprensa oficial, ele obteve 67,7% dos votos, enquanto o segundo colocado Henri Falcón conseguiu 21,1%.

Em entrevista coletiva na noite de ontem(20), Falcón disse desconhecer o resultado das eleições. Segundo ele, são necessárias novas eleições, pois houve uma “violação” do acordo pré-eleitoral. Há informações, não confirmadas oficialmente, de que o índice de abstenção nas eleições foi superior a 70%.

“Não reconhecemos este processo eleitoral como válido”, disse Falcón. “Para nós não houve eleições, é preciso fazer novas eleições na Venezuela, não é uma colocação que viemos fazer, viemos fazer exigências.”

Legalidade

A presidente do Conselho Nacional Eleitoral, Tibisay Lucena, ressaltou que mais de 150 representantes de organismos internacionais acompanharam a “transparência e legitimidade” das eleições e dos conselhos legislativos. Na relação desses representantes estão o ex-ministro da Espanha José Luis Rodríguez e o ex-presidente do Equador Rafael Correa, ambos simpatizantes de Maduro.

O processo eleitoral foi acompanhado por forte esquema de segurança, com 300 mil homens da Força Armada Nacional Bolivariana, além do apoio de seguranças e funcionários públicos.

Temer afirma que governo tomará providências para controlar entrada de venezuelanos no Brasil

Temer visitou Roraima nessa segunda (12) e prometeu ação para controle de imigrantes

O presidente Michel Temer (MDB) visitou Roraima nessa segunda-feira (12) e anunciou que editará uma Medida Provisória para controlar a entrada dos venezuelanos no país. Durante encontro com líderes políticos em Boa Vista, capital do estado, Temer destacou que MP será uma maneira de disciplinar e não de proibir a entrada dos imigrantes.

“Será uma coordenação federal em conjunto com estado para solucionar essa questão que aflige Roraima e todo o território brasileiro. Não faltará recursos para solucionar essa questão dos venezuelanos tanto no aspecto humanitário como a solução pro estado de Roraima” afirmou Temer em seu discurso.

O presidente pretende ainda levar os imigrantes para outros estados, diminuindo a “bolha” existente em Roraima. No entanto, Temer não anunciou de que forma fará essa condução, nem estabeleceu um prazo para isso. Roraima faz fronteira com a Venezuela e devido à crise econômica no país vizinho, muitos venezuelanos estão fugindo para o Brasil em busca de uma vida melhor.

Temer também falou sobre o desfile da Tuiti, na primeira noite de carnaval no Rio de Janeiro. A escola de samba fez críticas às reformas propostas pelo presidente e retratou Temer como um vampiro. “Não tenho nenhuma preocupação de natureza politiqueira ou eleitoral” destacou o emidebista.

Temer esteve acompanhado dos ministros Raul Jungmann (Defesa), Torquato Jardim (Justiça), Sergio Etchegoyen (Gabinete de Segurança Institucional) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) em sua visita a Boa Vista.

Venezuela anuncia expulsão do embaixador brasileiro em Caracas

Ruy Carlos Pereira, embaixador do Brasil em Caracas. (Foto: Internet)

Ruy Carlos Pereira, embaixador do Brasil em Caracas, capital da Venezuela, foi “convidado” a se retirar do País. O anunciou feito neste sábado (23), pela presidente da Assembleia Nacional Constituinte venezuelana, Delcy Rodríguez.

Delcy declarou que o embaixador brasileiro não é uma pessoa bem vinda a seu País.

“No âmbito das competências da Assembleia Nacional Constituinte, em que está justamente a soberania, nas nossas bases de comissão, decidimos declarar ‘persona non grata’ o encarregado de negócios do Canadá, e declarar ‘persona non grata’ o embaixador do Brasil, até que se restitua o fio constitucional que o governo de fato vulnerou, no caso deste país-irmão”, afirmou Rodriguez, em comunicado transmitido pelo canal de televisão estatal VTV.

A fala de Delcy sobre o Brasil foi uma resposta a um dos jornalistas sobre como outros países tratam a participação de partidos no processo eleitoral.

“Vimos algumas posições minoritárias a nível internacional. Essa é uma informação para este país, não para outros governos”, disse ela. “O caso a que você se refere, especificamente, do Brasil, neste ano, depois do golpe de estado que houve no Brasil, contra a presidente Dilma Rousseff, foi aprovada no Congresso a chamada cláusula de barreira, que impede justamente que partidos pequenos possam ter participação eleitoral”.

Segundo a Globonews, Ruy Carlos Pereira já estava no Brasil, onde passa as festas de fim de ano. Em nota, o Itamaraty afirma que, se o ato for confirmado, Brasil aplicará as medidas de reciprocidade.

Com informações do G1.

ONU diz que podem ter sido cometidos “crimes contra humanidade” na Venezuela

(Foto: Internet)

O alto comissariado da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad al Hussein, afirmou nesta segunda-feira (11) que podem ter sido cometidos “crimes contra a humanidade” na Venezuela durante os protestos antigovernamentais, e pediu ao Conselho de Direitos Humanos que abra uma investigação internacional. A informação é da Agência EFE.

“A minha investigação sugere a possibilidade de que possam ter sido cometidos crimes contra a humanidade, algo que só pode ser confirmado por uma investigação penal posterior”, apontou o diplomata jordaniano em seu discurso de abertura da 36ª sessão do Conselho de Direitos Humanos (CDH).

Zeid disse que apoia o conceito de uma Comissão Nacional da Verdade e Reconciliação, mas considerou “inadequado” o mecanismo atual, e pediu que seja remodelado “com o apoio e o envolvimento da comunidade internacional”.

Além disso, pediu ao Conselho de Direitos Humanos da ONU que estabeleça uma “investigação internacional” sobre as violações de direitos humanos na Venezuela.

LEIA MAIS

Maduro classifica governo brasileiro de “oligarquia golpista” e diz que Venezuela não sairá do Mercosul

(Foto: Internet)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou que a Venezuela permanecerá no Mercosul mesmo após ter sido suspenso do bloco comercial pelos quatro países membros do bloco comercial (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) neste sábado (5).

“Não vão tirar a Venezuela do Mercosul. Nunca. Somos Mercosul de alma, coração e vida. Algumas oligarquias golpistas, como a do Brasil, ou miseráveis, como a que governa a Argentina, poderão tentar mil vezes, mas sempre estaremos aí”, afirmou Maduro.

 

Mercosul suspende Venezuela por romper com a democracia

(Foto: Internet)

Suspensa do exercício de membro do Mercosul desde dezembro por descumprir obrigações com as quais se comprometeu em 2012, a Venezuela agora recebeu uma nova sanção por “ruptura da ordem democrática”.

A decisão foi aprovada por unanimidade e anunciada neste sábado (5), após uma reunião em São Paulo, da qual participaram representantes do Brasil, da Argentina, do Uruguai e do Paraguai, os quatro países fundadores do bloco.

LEIA MAIS

Serra confirma suspensão da Venezuela do Mercosul

serra

O ministro das Relações Exteriores, José Serra, confirmou hoje (2) a suspensão da Venezuela do Mercosul. Ele disse que o país tinha sido advertido quanto a essa possibilidade. “Já tinha sido anunciado [que a Venezuela seria suspensa do bloco econômico] se não cumprisse certos requisitos, e foi”, ressaltou o ministro, que evitou comentar ou dar detalhes sobre o assunto.

Serra participou, nesta sexta-feira, do lançamento da campanha contra a dengue em uma escola na zona oeste de São Paulo.

LEIA MAIS