Governo do Piauí anuncia lockdown parcial para conter avanço da Covid-19

Avenida Frei Serafim, no Centro de Teresina. (Foto: Alejandro Fernandes/TV Clube)

Com taxa de ocupação de leitos de UTI para pacientes com Covid-19 em 91%, na capital Teresina, o governador do Piauí, Wellington Dias (PT) anunciou no início da tarde desta segunda-feira (22), um lockdown parcial em todo o estado para tentar conter o avanço das contaminações pelo novo coronavírus.

O novo decreto, que passar a valer a partir de quarta-feira (24) e segue inicialmente até 7 de março, restringe atividades econômicas consideradas não-essenciais e suspende as aulas presenciais em escolas públicas e particulares, além de outras medidas.

LEIA MAIS

Governador do Piauí pode ser o candidato do PT à presidência da República em 2022, diz Lula em entrevista

Wellington Dias e Lula. (Foto: Ricardo Stuckert)

Prestes a completar 59 anos de idade, faz aniversário em 5 de março, e no penúltimo ano do seu 4º mandato como governador do Piauí, o bancário licenciado Wellington Dias pode ser a opção do Partido do Trabalhadores (PT) para tentar barrar a reeleição de Jair Bolsonaro.

A informação é do ex-presidente da República e presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, durante entrevista ao portal UOL, na última quinta-feira (18).

LEIA MAIS

Governadores querem definir cronograma de vacinação contra a covid nesta terça-feira

(Foto: Aloisio Mauricio/Estadão Conteúdo)

Os governadores esperam definir um cronograma de vacinação contra a covid-19 nesta terça-feira (12), em reunião com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. A intenção do Governo Federal é iniciar a imunização de forma simultânea em todo país.

LEIA TAMBÉM

Anvisa recebe 1º pedido para uso emergencial da CoronaVac

No entanto, ainda falta a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizar o uso de algum imunizante. Quem largou na frente foi o Instituto Butantan, responsável pela CoronaVac em parceria com o laboratório chinês SinoVac.

LEIA MAIS

Primeira-dama do Piauí é um dos alvos da Operação Topique

Desvios teriam ocorrido quando a primeira-dama era secretária de Educação (Foto: PF/Divulgação)

A primeira-dama do Piauí e deputada federal pelo PT, Rejane Dias, é um dos alvos da terceira etapa da Operação Topique que cumpre 12 mandados de busca e apreensão em Teresina e Brasília (DF), nessa segunda-feira (27). Rejane é ex-secretária de Educação do estado e segundo a PF, tem envolvimento com um esquema de corrupção na pasta.

Entre 2015 e 2016 servidores da Secretaria Estadual de Educação (Seduc) teriam se associado a empresários do setor de locação de veículos e desviado, no mínimo, R$ 50 milhões de recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e do Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar (PNATE). Rejane era a titular da Seduc nessa época.

Governador não é investigado

Os mandados foram cumpridos na casa do governador e esposo de Rejane, Wellington Dias (PT), no gabinete da deputada federal e na Seduc. De acordo com a PF, nem Wellington, nem o gabinete do governador são alvos da operação de hoje.

A Operação Topique ocorreu em 2018, mas mesmo assim o Governo do Piauí manteve contratos ativos com os investigados. Os crimes investigados são de organização criminosa, corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e crimes de licitação, praticados no âmbito da Secretaria de Educação do Estado do Piauí.

Em nota, a primeira-dama “afirma que, como desde o início, permanece à disposição para esclarecimentos a todas essas alegações”. Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal no Piauí. A ação de hoje tem apoio da Controladoria-Geral da União (CGU) e o Ministério Público Federal (MPF). Cerca de 60 agentes foram empregados nessa manhã.

Piauí autoriza a produção de remédio derivado da maconha

(Foto: internet)

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), assinou nesta semana, autorização para a produção de óleo de canabidiol, substância presente na planta da maconha, a Cannabis Sativa.

De acordo com informações do Estadão, o trabalho já começa no início do ano e, ainda em 2018, o Estado diz esperar contar com uma câmara setorial de biotecnologia para apoiar a produção.

Para o governador, a iniciativa beneficiará pessoas que sofrem com convulsões e epilepsias.

Os estudos e o processamento da substância ficarão a cargo do Ceir (Centro Integrado de Reabilitação) e das universidades federal e estadual, que fabricarão o medicamento com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí (Fapepi).

Tanto no Piauí, quanto em outras partes do País, muitas ações tramitam na Justiça envolvendo pessoas que pedem o direito de cultivar maconha em casa para retirar a substância visando o uso medicinal.

No estado, que é o primeiro a liberar a produção do canabidiol, pesquisas já vinham sendo realizadas desde o primeiro semestre do ano.