TJ reforça que ‘bandido bom é bandido morto’, diz sobrevivente do Carandiru

Presos pedem paz após o massacre de 1992 (Foto: Internet)

Presos pedem paz após o massacre de 1992 (Foto: Internet)

Na última terça-feira (27), o Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu anular a condenação de 74 policiais envolvidos no ataque.

Em 1992, invasão da polícia para coibir uma rebelião deixou 111 presos mortos e corredores e escadas do presídio inundados de sangue. “Todos foram executados, não havia ninguém armado. Todos acabaram condenados novamente, porque estavam ali cumprindo suas penas e acabaram mortos”, diz o pastor evangélico Sidney Francisco Sales, ex-detento.

No momento da invasão da polícia, ele estava no quarto andar do pavilhão 9. Ele fazia parte da equipe da faxina e da distribuição de comida, e no dia do massacre teve que ajudar a carregar os corpos dos mortos e quase foi executado por PMs antes de eles saírem do pavilhão. Sobre a decisão do TJ, Sales foi avisado nesta quarta (28) cedo, pela própria reportagem. “Não estava sabendo não. Mas ela ajuda a reforçar a tese de que bandido bom é bandido morto”, diz o pastor.

Sales não condena exatamente os próprios policiais, que estavam ali cumprindo ordens, segundo ele. Mas sim o coronel Ubiratan Guimarães e o diretor do presídio na época, Ismael Pedrosa. “Eles nunca foram condenados pela justiça dos homens. Foram eles os responsáveis pelas mortes. Mas acabaram condenados pela justiça divina”, diz Sales. Os dois morreram assassinados.

Fonte Folha de São Paulo

Deixe uma resposta