Transposição do Rio São Francisco é retomada após STF derrubar liminar

Assinatura autoriza retomada das obras do Eixo Norte do projeto que levará águas ao Ceará

No fim da tarde de ontem, o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, assinou ordem de serviço com o consórcio Emsa-Siton para a retomada das obras do Eixo Norte do Projeto de Transposição das Águas do Rio São Francisco (Pisf), que levará águas ao Estado do Ceará. O contrato é de R$ 132 milhões. O documento foi firmado no mesmo dia em que a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, derrubou a liminar que travava o avanço da obra.

A ordem de serviço foi assinada pelo ministro Helder Barbalho, pelo presidente da Câmara dos Deputados e presidente da República em exercício, Rodrigo Maia, pelo representante legal do consórcio e tendo como testemunha, o senador cearense Eunício Oliveira, presidente do Senado. “Essa é uma das obras mais importantes para o Nordeste. Água, vida para o povo cearense e para o povo nordestino”, afirmou Eunício.

O longo atraso na retomada gerou uma mobilização política diante da crise hídrica que se agrava no Nordeste. Nesta terça-feira, uma semana após uma reunião entre governadores do Nordeste, o ministro Hélder Barbalho, e a presidente Carmen Lúcia, veio a decisão do STF de suspender os efeitos de uma liminar que impedia a contratação do consórcio Emsa-Siton.

Licitação

O consórcio foi escolhido por meio de processo licitatório e, por questões técnicas, as empresas que ofereceram menor preço foram desclassificadas. A obra está paralisada há um ano, depois que a empresa Mendes Júnior desistiu do contrato. Os serviços devem ser retomados o mais rápido possível, e o prazo para a empresa apresentar apólice de seguro de risco de engenharia e organização do canteiro de obras é de 30 dias.

Segundo o Ministério, serão abertas várias frentes simultâneas para acelerar os trabalhos. As empresas estão autorizadas a começar a mobilização de pessoal, e as máquinas já deverão estar em campo na semana que vem. No pico das atividades, cerca de dois mil profissionais serão contratados. O ministro Helder Barbalho quer máquinas trabalhando em julho e disse que o governo federal vai trabalhar para que o trecho possa ser concluído até o fim deste ano.

Um Comentário

  • Machado Freire

    21 de junho de 2017 at 08:43

    Jornalista Machado Freire

    Tem gente por ai (alienígenas das bandas de Petrolina) querendo meter a colher na Transposição, eles que não tiveram moral para realizar a primeira obra -o Canal de Sobradinho, em 1985, quando eram considerados “os vice-reis” do sertão.

    Agora, foi preciso que uma mulher vigorosa e sensível, a ministra Carmem Lúcia, tomasse uma iniciativa que alguns ‘veste-calças” não ousaram fazê-lo.

    E a canetada final veio de um carioca, improvisado na presidência da República, o Rodrigo Maia, que autorizou o Ministério da integração Nacional a gastar o dinheiro na obra mais do que necessária para o Sertão que enfrenta as mazelas do atraso que o obriga a esperar por caminhões-pipa.

    Um dia isso vai ter que acabar!

    Responder

Deixe uma resposta