UPAE/IMIP orienta como proceder em casos de intoxicação de medicamentos

O ideal é que o atendimento seja feito nos primeiros 30 minutos, quando ainda temos a chance de fazer uma lavagem gástrica(Foto: Ilustração)

O ideal é que o atendimento seja feito nos primeiros 30 minutos, quando ainda temos a chance de fazer uma lavagem gástrica(Foto: Ilustração)

O Centro de Assistência Toxicológico de Pernambuco (Ceatox) divulgou esta semana dados alarmantes com relação à intoxicação por medicamentos. Só este ano, o órgão registrou um aumento de 57% nas ocorrências em todos os públicos, sendo que metade dos casos envolvem crianças e adolescentes. Na Unidade de Pronto Atendimento e Atenção Especializada de Petrolina (UPAE/IMIP) essa realidade não tem sido diferente e diversos casos de intoxicação exógena têm sido registrados.

De acordo com o médico plantonista Fillipe Carvalho, após a ingestão inapropriada de qualquer medicamento ou substância tóxica, a pessoa deve ser levada de imediato a uma unidade de saúde de urgência e emergência. “O ideal é que o atendimento seja feito nos primeiros 30 minutos, quando ainda temos a chance de fazer uma lavagem gástrica, por exemplo. Em caso de intoxicação não se deve perder tempo, por isso, tentar medidas alternativas em casa podem prejudicar o tratamento”, ressalta.

Também não se deve provocar vômitos, beber leite ou qualquer outro líquido. “Se a substância ingerida for líquida e a pessoa ingerir um outro líquido, a substância tóxica será diluída podendo piorar o quadro de intoxicação. Além disso, para cada substância ingerida existe uma conduta médica e protocolos a serem seguidos. Alguns medicamentos possuem antídoto que são capazes de inibir a intoxicação e só o médico será capaz de fazer a indicação correta. Nesse caso é muito importante que a pessoa ou familiar leve a cartela vazia, caixa ou bula da substância que provocou a intoxicação”, esclarece.

Com relação aos pequenos a atenção deve se redobrada. “A recomendação é a mesma, e os pais ou responsáveis não devem tentar nenhum método em casa. Leve a criança imediatamente ao pronto socorro infantil”, orienta Dr. Fillipe. Para evitar acidentes, os remédios devem ser guardados em local fechado e longe do alcance das crianças, de preferência em lugares altos e com chave. Mudanças no comportamento infantil, irritabilidade, sonolência, vômito, agitação ou desorientação podem ser sinais de intoxicação por medicamento. “As crianças podem ‘cegar’, como se costuma dizer, e acabar tomando um medicamento sem que ninguém perceba, por isso é preciso estar alerta”, adverte.

Quanto à recuperação, o médico diz ser individual. “Vai depender do tipo de substância e quantidade ingerida, da rapidez do atendimento, da resposta imunológica de cada paciente e de doenças preexistentes, que podem ser agravantes. Mas, em geral, se o atendimento médico for feito dentro de um curto prazo as respostas são positivas”, avalia.

A UPAE de Petrolina possui urgência e emergência clínica capaz de receber casos como esse. O serviço funciona 24h e é porta aberta.

Deixe uma resposta