Vereadores de Petrolina apresentam relatório sobre CPI do Dom Malan

Vereadores falaram sobre trabalho da Câmara na CPI (Foto: Ascom/Cristina Costa)

Não estava previsto na pauta, mas os vereadores de Petrolina apresentaram nessa quinta-feira (29) ao público o balanço das ações da Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI) do Hospital Dom Malan/IMIP. Os trabalhos tiveram início após a morte da jovem Milian Carvalho, de 15 anos, em 2018.

Presidente da Comissão, Ronaldo Souza (PTB) falou com a imprensa e destacou o empenho dos colegas de Câmara no trabalho de um semestre. “Ouvimos sete famílias, confesso que foi doloroso [ouvir os relatos]. Conseguimos acesso a relatórios do hospital e há uma contradição [na causa da morte e o que o hospital alega]”, disse Cancão.

LEIA TAMBÉM:

Resultado de exames que podem revelar causa da morte de adolescente grávida que morreu no HDM deve sair em 20 dias

Justiça autoriza exumação de corpo de adolescente grávida que morreu no hospital Dom Malan/IMIP

Depois de morte de adolescente grávida, vereador Ronaldo Cancão pede instalação de comissão na Câmara para investigar atendimento no Hospital Dom Malan

Maria Elena de Alencar (PRTB), Gabriel Menezes (PSL), Gilmar Santos (PT), Paulo Valgueiro (MDB), Rodrigo Araújo (PSC) e Ronaldo Silva (PSDB) também integraram a CPI. Eles investigaram a realidade do Dom Malan e conversaram com a administração da unidade.

Para Cancão a situação é preocupante. “É estarrecedor as situações que encontramos com o IMIP. Alguém tem que assumir o ato, alguém tem que a responsabilidade. As pessoas dizem pra ter paciência, a CPI tem que fechar os olhos?”, questionou.

Próximo passo da CPI

A CPI foi instaurada em 2018, após a morte de Millian. A jovem, alega a família, morreu após erro médico. O corpo da adolescente chegou a ser exumado para que a Polícia Científica pudesse encontrar a causa mortis. “A Millian foi a ponta do iceberg de todos os problemas ocorridos no Dom Malan. Nós vamos protocolar [o relatório] a peça no Ministério Publico Federal, porque é recurso do SUS. Posteriormente podemos protocolar no Ministério Público Estadual. O que nós queremos é Justiça“, informou Cancão.

Nossa produção entrou em contato com o Hospital, que até o momento não se pronunciou oficialmente acerca do relatório da Câmara de Vereadores.

Deixe uma resposta