Vice-coordenador do CVV destaca importância do trabalho voluntário: “Falar é a melhor solução”

(Foto: Blog Waldiney Passos)

“Pelo desabafo as pessoas conseguem melhorar suas dores”. Foi assim que o vice coordenador do Centro de Valorização da Vida (CVV), Adalmi Nunes começou sua participação na sessão da última quinta-feira (12), na Câmara de Vereadores de Petrolina.

A participação de Adalmi na Tribuna Livre foi solicitada pelo vereador Paulo Valgueiro (MDB) e se faz no Setembro Amarelo, mês dedicado ao debate sobre a depressão. O CVV atua com voluntários, os quais via telefone, prestam apoio a pessoas de todo país 24h por dia.

Trabalho voluntário

Em sua fala o vice-coordenador destacou a importância dos voluntários do CVV. “O voluntário busca sobretudo a prevenção, o apoio a essas pessoas que estão passando por dificuldades emocionais e muitas vezes não encontram na própria família abertura e liberdade para dialogar e encontra no voluntário essa possibilidade, sabendo que o anonimato é garantido e não haverá julgamento“, afirmou.

Entre outros pontos, Adalmi tratou dos tabus acerca do suicídio: preconceito, religiosidade, solidão e falta de compreensão com a pessoa. “Quem pensa em suicídio não pensa em se matar, pensa em acabar com a dor. Ele entende que a morte é a única solução para acabar com a dor. Precisamos estar atentos a mudanças radicais de humor, é preciso ter uma atenção especial”, pontuou.

Público jovem

Mencionando o caso de uma adolescente de Petrolina, Adalmi fez um alerta: o público jovem precisa de atenção. “A maior incidência de suicídio está entre 15 e 29 anos. O jovem está, sobretudo, pela instabilidade profissional, de projeção na sociedade e hoje temos uma sociedade que é muito do tempo. Nossos jovens se decepcionam por n fatores e muitas vezes são fatores irrelevantes, para eles, gera um sofrimento”, destacou.

Apresentando dados, o vice-coordenador alertou: o suicídio atinge todas as classe sociais e faixas etárias. Contudo, é possível prevenir dialogando mais. O serviço do CVV está disponível através do número 188 (ligação gratuita), caso precise de apoio, não hesite em ligar.

Deixe uma resposta