Delegado que postou no Facebook que, depois de Lula, ‘é hora’ de prender Temer, Alckmin e Aécio terá conduta investigada pela PF

Delegado da Polícia Federal Milton Fornazari Junior. (Foto: Sabrina Vasconcelos)

A Polícia Federal desautorizou seu delegado Milton Fornazari Jr que, em sua página no Face, postou mensagem na noite de sábado, 7, logo após a prisão de Lula. “Agora é hora de serem investigados, processados e presos os outros líderes de viés ideológico diverso, que se beneficiaram dos mesmos esquemas ilícitos que sempre existiram no Brasil (Temer, Alckmin, Aécio, etc)’.

Em nota, nesta segunda-feira, 9, a direção da PF informou que ‘as declarações proferidas são de cunho exclusivamente pessoal e contrariam o normativo interno referente a manifestações em nome da instituição’.

Diferentemente do que o Estado publicou, Fornazari não é o chefe da Delegacia de Combate à Corrupção e Crimes Financeiros em São Paulo (Delecor). Ele exerceu a chefia da Delecor entre 26 de outubro de 2015 e 2 de novembro de 2016. Continua trabalhando na Delecor, na presidência de inquéritos sensíveis sobre corrupção e crimes financeiros.

A PF anunciou medidas administrativo-disciplinares ’em relação ao caso concreto’.

A mensagem de Fornazari foi postada pouco depois de o ex-presidente Lula decolar em um avião da PF rumo a Curitiba, a terra da Lava Jato, para cumprir a pena de 12 anos e um mês de reclusão no processo do famoso triplex do Guarujá.

“Lula preso. Objetivamente recebeu bens, valores, favores e doações para seu partido indevidamente por empresas que se beneficiaram da corrupção em seu governo”, escreveu o delegado. “Por isso merece a prisão.”

LEIA MAIS

Associação emite nota em defesa do delegado afastado após declarações sobre assassinato de vereadora do Rio de Janeiro

(Foto: Internet)

A Associação do Delegados de Polícia de Pernambuco (Adeppe) divulgou, na tarde desse domingo (18), uma nota em defesa do delegado Jorge Ferreira, que foi afastado após uma publicação nas redes sociais atribuída a ele com acusações à vereadora  Marielle Franco (PSOL), assassinada na última quarta-feira (14) no Rio de Janeiro. Na nota, a associação afirma que o delegado não é o autor da postagem, e que alguém deve ter invadido a sua conta.

Confira a nota

A Adeppe vem a público esclarecer que a postagem que circulou nas redes sociais, com um comentário supostamente publicado pelo Delegado de Polícia Jorge Ferreira, lotado no plantão da 4ª Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher, referente à vereadora carioca Marielle Franco, não é de autoria do referido Delegado. Jorge Ferreira é um pro×ssional responsável e extremamente dedicado à missão a que foi incumbido, na defesa dos direitos da mulher. Aqueles que o conhecem minimamente sabem que Jorge possui um temperamento completamente incompatível com o conteúdo chulo e grosseiro do texto publicado. A Adeppe assevera, ainda, que está apurando como se deu a fraude perpetrada, se através de uma conta falsa ou se houve invasão da conta do delegado Jorge Ferreira

Delegado é afastado após comentários sobre assassinato de Marielle Franco

(Foto: Internet)

O delegado Jorge Ferreira foi afastado da sua função a frente do Departamento de Polícia da Mulher em Pernambuco. A medida foi tomada após o delegado ter utilizado uma rede social para fazer comentários sobre a morte da vereadora Marielle Franco (PSOL).

(Foto: Reprodução)

Na postagem publicada no sábado (17), Jorge Ferreira teria dito que a vereadora assassinada na semana passada era “mulher de bandido” e estava envolvida com o narcotráfico. A mensagem provocou uma reação e gerou críticas à postura do delegado.

Na tarde desse domingo (18) o delegado afirmou que a mensagem não foi postada por ele. “Nunca falaria uma coisa dessa natureza. Até porque eu trabalho em uma delegacia especializada em crimes contra a mulher e fui escolhido pelo meu caráter.”

SDS se pronuncia

A Corregedoria da Secretaria de Defesa Social (SDS) do Estado abriu sindicância para apurar a conduta do profissional. Em nota oficial, o Governo de Pernambuco e a SDS afirmam que o delegado foi afastado do plantão da Delegacia da Mulher, “em decorrência de declarações publicadas a respeito do bárbaro assassinato da vereadora Marielle Franco, em uma rede social”.

O conteúdo da postagem foi encaminhado à Corregedoria Geral da SDS, que iniciou uma investigação, na qual o servidor terá direito à ampla defesa e ao contraditório”. Até a conclusão do procedimento administrativo, o servidor ficará à disposição do setor de recursos humanos da Polícia Civil.

Pernambuco: Delegado vai pedir que adolescente que matou a mãe permaneça internado

Segundo informações da Polícia Civil, o rapaz chegou a avisar a avó que a mãe estava passando mal. (Foto: Internet)

O delegado da Polícia Civil de Pernambuco, José Raimundo Barbosa, responsável pelas investigações do assassinato de uma mulher pelo próprio filho, menor de idade, vai pedir ao Ministério Público que o adolescente permaneça na Fundação de Atendimento Sócio Educativo (Funase), no Recife, onde já está internado.

A identidade da vítima é preservada devido à menoridade do suspeito. O velório ocorreu no último dia 26, no cemitério público de Orobó, no Agreste de Pernambuco, onde aconteceu o crime.

O adolescente, de 16 anos, confessou ter matado a própria mãe na última terça-feira (24). Em depoimento, o menor disse que estava sob efeito de drogas. “Ele já tinha passagem pela polícia por agredir a mãe e ficou 45 dias internado por esse motivo. Ele precisa ficar interno para que seja ressocializado, até porque a avó dele (mãe da vítima) não o quer de volta em casa”, comentou o delegado.

LEIA MAIS

Banca organizadora do concurso do TJ-PE nega fraude no certame

o IBFC já diligenciou junto à Corregedoria Geral da Polícia Civil da Paraíba, solicitando que adote os procedimentos administrativos para apuração das falhas funcionais do Dr. Lucas Sá. (Foto: Internet)

O Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação (IFBC) negou que as provas do concurso do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJ-PE) tenham sido fraudadas. A informação de que três integrantes de um grupo especializado em fraudar concursos públicos teria agido durante o certame foi dada pelo Delegado Lucas Sá, da Delegacia de Defraudações e Falsificações da Cidade de João Pessoa.

Em nota, a banca organizadora afirmou que “nunca impediu qualquer investigação policial realizada na Operação Gabarito” e que “analisou as folhas de resposta dos candidatos suspeitos mencionados nas reportagens concedidas pelo Delegado, não encontrando qualquer suspeita ou prova de fraude ao concurso”.

Confira a íntegra da nota

O IBFC – Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação, com sede no Taboão da Serra, Estado de São Paulo, vem, publicamente, no exercício do seu direito de resposta às matérias jornalísticas divulgadas recentemente acerca da suposta fraude do concurso público realizado no Tribunal de Justiça de Pernambuco, esclarecer que:

Diferentemente do que divulgado pelo Dr. LUCAS SÁ, Delegado lotado na Delegacia de Defraudações e Falsificações da Cidade de João Pessoa, o IBFC nunca impediu qualquer investigação policial realizada na Operação Gabarito, mencionada nas matérias jornalísticas tendo, diferentemente do que alegado, contribuído ativamente com todas as autoridades envolvidas.

Na verdade, o Delegado Lucas Sa nunca solicitou ao IBFC qualquer acesso aos locais de prova do concurso público, tendo o IBFC encaminhado ao mencionado Delegado, todas as informações acerca dos candidatos que já eram investigados pelas autoridades policiais, garantindo o amplo acesso a estas informações, com dez dias de antecedência da realização das provas do concurso, numa clara contribuição à segurança do concurso público e à própria Polícia Civil.

LEIA MAIS

Delegado é assaltado e tem arma roubada por criminosos em Caruraru

(Foto: Internet)

O delegado Antônio Barros, ex-chefe da Polícia Civil de Pernambuco (PCPE), foi abordado por criminosos e teve a pistola .40, de uso restrito, roubada na última segunda-feira (14), em Caruaru (PE).

No momento do crime, ele estava com a família na cidade e se preparava para voltar para Recife.

Após deixar a chefia da PCPE, em fevereiro deste ano, Barros assumiu o Departamento de Repressão ao Narcotráfico (Denarc), mas está de licença-prêmio. Apesar do susto, o delegado e os familiares dele passam bem. Até o momento, ninguém foi preso.

Prefeito Cappellaro dá boas vindas ao novo delegado titular da 215ª DP de Lagoa Grande

(Foto: ASCOM)

De acordo com a Polícia Civil de Pernambuco, as mudanças de delegados fazem parte das ações estratégicas da Instituição que aguarda a chegada de mais policiais, talvez ainda este ano, são 650 policiais em formação na academia entre agentes (500), escrivão (50) e delegado (100), um contingente bem considerável para garantir mais segurança no estado.

O novo delegado titular da 215ª DP de Lagoa Grande, Dr. Vagner Vinicius Volpe, ingressou na polícia civil em 2002, como agente; 2008 passou para delegado atuando na zona da Mata Sul, nas delegacias de Água Preta, Ribeirão, Barreiros, Xexéu, de lá foi  para Santa Cruz do Capibaribe sendo condecorado com a medalha de Tiradentes, honraria por relevantes serviços prestados e grande produção de inquéritos e ações policiais.

De lá, atuou em Petrolina na delegacia 213ª Ouro Preto, ficando quase 3 anos, foi para a Delegacia de homicídios de Araripina  e agora é o novo delegado titular de Lagoa Grande.

LEIA MAIS

Delegado desmente informações sobre crianças raptadas em Petrolina

De acordo com o delegado, as equipes foram até o endereço citado nas informações e nada foi confirmado. (Foto: Arquivo)

Durante uma participação no programa ‘Super Manhã’, com Waldiney Passos, na rádio jornal, o delegado da Polícia Civil de Petrolina, Marceone Ferreira, desmentiu as informações que estão circulando nas redes sociais sobre uma quadrilha que estaria raptando crianças na cidade. O boato tem tirado o sossego de pais e mães do município, que se preocupam com o bem-estar de suas crianças.

“O fato é que 99,9% dessas informações que são ventiladas são falsas. São situações que vão surgindo nas redes sociais e que infelizmente tomam uma dimensão que não deveria acontecer. A delegacia de polícia em nenhum momento tomou conhecimento dessas situações de forma oficial. As famílias podem ficar tranquilas. Em dois anos nós só tivemos um caso de sequestro de uma criança. Mas os autores eram os próprios familiares e todos foram presos. Mas foi uma situação pontual”.

De acordo com o delegado, as equipes foram até o endereço citado nas informações e nada foi confirmado. Marceone lembrou que as pessoas que veiculam esse tipo de informações, além de atrapalhar o serviço da polícia, também estão sujeitas à aplicação da lei.

“Nós mandamos as equipes no endereço checar o fato que está circulando, mas nada foi confirmado. Muitas vezes essas pessoas ficam divulgando informações falsas, tomando o tempo da polícia, trazendo uma sensação de insegurança na cidade. Gostaria de avisar que essas pessoas estão sujeitas à aplicação da lei. Inclusive, alguns inquéritos já foram instaurados no sentido de identificar as pessoas que divulgam essas informações falsas”.

Lula e juristas vão a Janot contra conduta de delegado da Lava Jato

Defesa do ex-presidente Lula protocolou representação ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, “para que apure eventual abuso de autoridade por parte do Delegado Federal Igor Romário de Paula, na entrevista que concedeu ao portal UOL (27/1/2017), quando afirmou que o ‘timing para prender Lula pode surgir em 30 ou 60 dias'”; a petição, assinada por juristas renomados, destaca que o comportamento “fere a ética e responsabilidade institucional da Polícia Federal” e que o delegado teve “total desrespeito” à condição de Dona Marisa Letícia, que estava internada após sofrer um AVC; “Registra-se que esse é mais um de vários abusos cometidos pela Operação contra Lula e seus familiares”, lembra o documento.

Lula processa delegado da PF que o associou a planilhas da Odebrecht

(Foto: Arquivo)

(Foto: Arquivo)

Os advogados do ex-presidente Lula pediram a condenação do delegado da Polícia Federal, Felipe Hille Pace, por danos morais. Na ação, Lula pede o pagamento de R$ 100 mil do delegado que, no indiciamento do ex-ministro Antonio Palocci, citou a suspeita de que o codinome “Amigo”, que aparece nas planilhas da Odebrecht, seja Lula. Pace, no entanto, não é o responsável pela apuração de supostos crimes cometidos pelo ex-presidente.

“Protocolamos na data de hoje, na condição de advogados do ex-Presidente Luiz Inacio Lula da Silva, ação de reparação de danos morais contra o Delegado de Polícia Federal Filipe Hille Pace, em virtude de afirmação ofensiva e mentirosa por ele lançada sobre o nosso cliente em relatório relativo a inquérito policial no qual ele não figura como investigado”, afirmaram, em nota, os advogados de Lula.

LEIA MAIS

Ninguém assina recibo de corrupção, diz delegado da Lava Jato

(Foto: Internet)

Delegado da Polícia Federal, Marcio Anselmo. (Foto: Internet)

Em entrevista à Folha, o delegado da Polícia Federal, Marcio Anselmo, um dos principais nomes da Operação Lava Jato, afirmou que é muito difícil haver provas diretas em casos de corrupção e lavagem de dinheiro, mas um conjunto de indícios que é, sim, suficiente para incriminar alguém. “Ninguém vai assinar um recibo da corrupção”, disse.

Na investigação desde os primórdios da Lava Jato, Anselmo é referência em lavagem de dinheiro e cooperação internacional. Doutor em direito internacional pela USP, ele vai lançar um livro sobre delação nesta terça (11).

LEIA MAIS

Grupo “Somos todos Beatriz” faz manifestação em frente à delegacia de homicídios

(Foto: blog Waldiney Passos)

Grupo “Somos todos Beatris” realiza manifestação em frente a delegacia de homicídios. (Foto: blog Waldiney Passos)

Hoje (9), o grupo “Somos todos Beatriz” esteve em frente à delegacia de homicídios para cobrar maiores esclarecimentos sobre o assassinato brutal, que aconteceu no Colégio Maria Auxiliadora, da menina Beatriz Angélica, em Petrolina (PE). O grupo pedia justiça, além de explicações sobre pontos específicos do caso.

Um dos questionamentos do grupo era sobre os funcionários da escola apontados pelo delegado responsável pelo caso, Marceone Ferreira, como principais suspeitos. O grupo defendia seus argumentos com artigos de leis e jurisprudências. Ontem (8), Marceone realizou uma coletiva de imprensa e apresentou imagens do suposto assassino da criança.

A menina Beatriz Angélica, de sete anos, foi morta com mais de 40 facadas  no decorrer de uma formatura, que aconteceu Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, no dia 10 de dezembro de 2015. O corpo da menina foi encontrado em uma sala de material esportivo.

Caso Beatriz: nova manifestação promete pressionar delegado responsável por investigações

(Foto: Arquivo)

Manifestação vai pedir a substituição do delegado Marceone do caso Beatriz. (Foto: Arquivo)

Na próxima sexta-feira (9), às 7h, acontecerá uma manifestação, em Petrolina (PE), que vai buscar esclarecimentos do delegado Marceone, responsável pelas investigações do caso da menina Beatriz, que foi assassinada dentro do Colégio Maria Auxiliadora, além de pedir o afastamento dele do caso, já que após vários meses de trabalho nenhum avanço aconteceu. O protesto está marcado para sair do monumento da integração em direção à delegacia onde o delegado está lotado.

Após conversarem com Marceone, os manifestantes pretendem ir ao Fórum da cidade para cobrar do Ministério Público esclarecimento acerca das ações da força tarefa designada para o caso, fiscalização do trabalho da polícia e substituição do delegado.

Delegado Charles Leão tem residência invadida em Juazeiro (BA)

(Foto: Internet)

Delgado teve casa invadida na madrugada do domingo (17), em Juazeiro (BA). (Foto: Internet)

Na madrugada desta domingo (17), criminosos invadiram a residência do Delegado e ex-coordenador da 17ª Coordenadoria de Polícia do Interior (Coorpin) em Juazeiro (BA), Charles Leão. O fato aconteceu no bairro Piranga, em Juazeiro.

No momento da invasão o delegado dormia no imóvel, porém não acordou durante a ação dos meliantes. Charles só percebeu que teve sua casa invadida na manhã de hoje (18), pois notou que alguns de seus pertences haviam sumido.

O delegado prestou queixa na Delegacia de Polícia de Juazeiro. A perícia técnica esteve na residência do delegado e colheu impressões digitais, conseguindo, ainda, detectar fragmentos na residência.

12