Operação Chofer apreende cheques e dinheiro na casa do prefeito de Cedro

Operação Chofer foi deflagrada na quarta-feira (Foto: Polícia Federal/Divulgação)

Equipes da Polícia Federal estiveram na sede da Prefeitura de Cedro, no Sertão de Pernambuco nessa semana para apurar denúncias de desvio de recursos públicos e irregularidades em contratações por parte do Poder Executivo. Segundo a PF, o prefeito Nilson Diniz (PDT) utilizava laranjas para vencer procedimentos licitatórios ou dispensá-los indevidamente.

Cinco medidas cautelares e apreensão foram realizadas na quarta-feira (15), com apoio de 21 policiais federais. As equipes também foram até a residência de Diniz e apreenderam R$ 45 mil em espécie e mais R$ 160 mil em cheques.

Um veículo, uma pistola com registro vencido, celular e mídias também foram recolhidos. Na Prefeitura e nas empresas foram apreendidos processos licitatórios e outros documentos referente a investigação. Em depoimento na delegacia de Polícia Federal em Salgueiro, o prefeito negou todas as acusações.

O nome da Operação – Chofer – faz referência a função de motorista desempenhada por um dos sócios da empresa, indicado como “laranja” do prefeito.

Polícia Federal desarticula grupos suspeitos de desviar recursos destinados à educação na Bahia e mais três Estados

(Foto: Internet)

A Polícia Federal (PF) deflagrou uma operação para desarticular cinco grupos criminosos, suspeitos de desviar recursos da União destinados à educação em municípios de São Paulo, Paraná, Bahia e no Distrito Federal. Deflagrada na manhã desta quarta-feira (09), em parceria com a Controladoria-Geral da União (CGU), a operação “Prato feito” cumpre 154 mandados de busca e apreensão, além de afastamentos preventivos de agentes públicos e decisões de suspensão e contratação com o poder público, referentes a 29 empresas e seus sócios.

LEIA MAIS

Operação Torrentes: MPF apresenta primeira denúncia contra envolvidos em desvio de verbas em PE

(Foto: Ilustração)

Ministério Público Federal (MPF) em Pernambuco (PE) ofereceu à Justiça Federal, nesta segunda-feira (18), a primeira denúncia contra envolvidos na Operação Torrentes.  Entre os denunciados estão quatro militares e quatro citados no grupo de empresários ligados ao suposto esquema.

As irregularidades, segundo a PF, podem chegar a até 30% em contratos que totalizam R$ 450 milhões para compra de comida, colchões, filtros de água e lonas de proteção para flagelados. No dia da operação, os agentes estiveram em prédios públicos como a Secretaria da Casa Militar, que fica no anexo ao Palácio do Campo das Princesas, sede do governo do estado.

Por meio de nota, o Governo de Pernambuco afirmou apoiar “toda investigação que tenha como objetivo impedir o mau uso de recursos públicos” e reforçar a “disposição, transparência e a determinação em prestar todas as informações solicitadas pelos órgãos de controle”. No texto, a administração também ressalta ser fundamental “ter a devida cautela para não condenar de forma antecipada servidores públicos estaduais sem o necessário processo legal”.

Com informações do G1

Desvio de verbas: Operação da PF cumpre mandados em Pernambuco

Todo o material apreendido será enviado para a sede da PF de Alagoas para dar prosseguimento às investigações. (Foto: Ilustração)

Foi deflagrada na manhã de hoje (8) a Operação da Polícia Federal, “Correlatos”, que investiga fraudes em licitações da Secretaria de Saúde de Alagoas. Ao todo, estão sendo cumpridos 11 mandados de busca e apreensão nas cidades de Maceió e Arapiraca, em Alagoas, Recife e Paulista, em Pernambuco, Aracaju, em Sergipe, e Brasília, no Distrito Federal.

A operação acontece em parceria com a Controladoria Geral da União, e além dos 11 mandados de bisca e apreensão, outros 27 mandados de condução coercitiva estão sendo cumpridos contra funcionários da Secretária de Saúde e empresários do ramo de produtos hospitalares envolvidos nas licitações.

Com informações do JC

Assessoria rebate acusações de desvios de verbas e diz que deputado Odacy é ficha limpa

ODACY AMORIM

Deputado estadual, Odacy Amorim(PT)

Após notícia veiculada no Blog de Jamildo dando conta de que o Tribunal Regional Federal (TRF) em Recife aceitou uma denúncia do Ministério Público Federal (MPF) que nos autos do processo ressalta que o deputado Odacy Amorim (PT) cometeu o crime do Decreto-Lei 201/1967, que trata de crimes cometidos por prefeitos.

A assessoria de Imprensa do petista envia nota de esclarecimento sobre a postagem considerando que tal notícia havia sido divulgada fora do contexto real fático. Confira a baixo o teor da nota na íntegra.

O processo que tramita no Tribunal Regional Federal da 5º Região que está tombado sob o nº 0002704-19.2014.4.05.0000, in casu, vige a regra da publicidade dos atos processuais, não estando sob a égide do sigilo e sendo de fácil acesso pela população em geral.

Trata-se de um processo, ainda no seu limiar, para investigar se houve desvio de verbas federais que deveriam ser aplicadas ao SUS.

Vale salientar que o ordenador de despesa era o Secretário de Saúde, à época, e não o deputado estadual Odacy Amorim, então prefeito. O alegado desvio é da importância de R$ 10.000,00 (dez mil reais), só que nos autos ainda dispõe de fortes provas as quais não houve desvio.

O processo encontra-se concluso para decisão do desembargador e não há nenhum tipo de sanção. Devendo, por imperativos constitucionais, ser ofertado o devido processo legal (contraditório, ampla defesa), que, com certeza restará evidenciada a sua desvinculação ao fato narrado na denúncia ofertado pelo MPF.

Ademais, o deputado estadual Odacy Amorim não possui nenhum tipo de condenação, em nenhuma instância, em qualquer tipo de processo, seja penal ou administrativo que possa ensejar a sua inelegibilidade como quer aduzir a referida publicação.