Governos de Pernambuco e da Bahia unificam ações para combater a Mosca das Frutas

(Foto: Divulgação)

Os Governos de Pernambuco e da Bahia vão unificar as ações de controle da Mosca das Frutas no Vale do São Francisco. A decisão foi formalizada na última sexta-feira (30), com a assinatura de um protocolo de intenções entre a Secretaria de Desenvolvimento Agrário de Pernambuco (SDA), Secretaria de Agricultura da Bahia (Seagri) e Agências Estaduais de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco (Adagro) e da Bahia (Adab). Também subscreveram o protocolo a Embrapa, o Sebrae, as Federações de Agricultura dos dois Estados, Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas (Abrafrutas), Valexport, Codevasf e a Biofábrica Moscamed Brasil.

A iniciativa tem como meta atender às exigências do mercado europeu, que passou a exigir ações de controle e monitoramento da Mosca das Frutas para a entrada de produtos na Europa. Até então, para exportar frutas para os países da Zona do Euro bastava a adoção de procedimentos para a eliminação de larvas, como o processo hidrotérmico para as mangas ou o tratamento a frio para as uvas.

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Agrário de Pernambuco, Dilson Peixoto, a unificação das ações tem grande importância para a competitividade da fruticultura do Vale do São Francisco e a manutenção dos mercados para os produtores dos dois Estados. “Não adianta um produtor de Pernambuco ou da Bahia realizar o controle e o monitoramento da Mosca das Frutas se o seu vizinho não implantar essas ações. A mosca não reconhece limite de propriedades nem divisas entre os Estados”, destacou.

LEIA MAIS

Vale do São Francisco exporta 9 milhões de caixas de manga por ano para EUA, segundo dados

Workshop é uma iniciativa da NMB (National Mango Board), entidade de fomento ligada ao Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.

Segundo maior mercado consumidor final da manga produzida no Vale do São Francisco (depois da Europa), os Estados Unidos compraram da região 9 milhões de caixas, no ano passado. Entre 2005 e 2018, o consumo dos americanos aumentou 87% e hoje já importam apenas do Brasil 115 milhões de caixas da fruta que também é produzida por países como México, Peru e Equador.

Cientes da importância desse mercado, produtores, técnicos e pesquisadores participaram nesta quarta-feira (7) do ‘XI Workshop Internacional da National Mango Board’, em Petrolina (PE). No evento, eles discutiram a melhoria da produção e da qualidade da fruta.

De acordo com o diretor de marketing da instituição brasileira, Caio Coelho, foi a partir dessa parceria que os produtores da região saíram das 500 mil caixas de manga enviadas aos EUA para chegar aos 9 milhões ao ano, em 20 anos.

LEIA MAIS

Parnaíba do Piauí deve “competir ou se aliar” com Petrolina para exportação de frutas, segundo Bolsonaro

Durante coletiva de imprensa, o presidente Jair Bolsonaro respondia a uma pergunta sobre o Ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro, quando citou que Parnaíba (PI) pode ser uma concorrente ou aliada de Petrolina (PE) na exportação de frutas.

“Tive um rápido contato com ele [Sérgio Moro] antes da eleição e depois por um telefone quando estava em Parnaíba, terra de Mão Santa. Vamos competir com Petrolina ou vamos nos aliar para exportação de frutas. Vai ter uma irrigação maravilhosa lá”, disse o presidente.

Bolsonaro tem agenda marcada para esta segunda-feira (05) em Sobradinho (BA). O presidente deve inaugurar a primeira etapa da Usina Solar Flutuante instalada no Reservatório do município.

Aeroporto de Petrolina registra alta de 4,3% na movimentação de cargas no primeiro semestre 

O Terminal de Logística de Carga (Teca) do Aeroporto Senador Nilo Coelho, em Petrolina (PE), registrou alta de 4,3% na movimentação de cargas no primeiro semestre deste ano, em comparação com o mesmo período de 2018. Foram movimentadas 1.041 toneladas em produtos, enquanto que, no mesmo intervalo de 2018, foram 998 toneladas.

A alta na movimentação de volumes também enfatiza a vocação exportadora do complexo logístico. O setor de exportações respondeu por 1.026 toneladas de cargas processadas de janeiro a junho, alta de 2,9% em relação às 998 toneladas exportadas no mesmo período do ano passado.

Os principais produtos exportados a partir do Teca de Petrolina são frutas, com destaque para manga, limão e uva. Os principais destinos são países da Europa, como Luxemburgo, Holanda, Alemanha, França e Portugal. Durante o período de safra (outubro, novembro e dezembro), os produtos também são enviados para Gana, na África.

LEIA MAIS

ApexBrasil investe R$ 680 mil em Petrolina e promove formação de novos exportadores de frutas

(Foto: Divulgação)

Dados do Sindicato dos Produtores Rurais de Petrolina (SPR) estimam que o Vale do São Francisco tem hoje cerca de 3 mil produtores de frutas, e destes, menos de 10% já comercializaram internacionalmente seus produtos. Foi com a proposta de ampliar estes números que a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) anunciou na última terça-feira (2), em Petrolina (PE), o investimento de R$ 680 mil para implantação do Programa de Qualificação para Exportação (PEIEX).

O anúncio foi feito pelo gerente de Relações Institucionais e Governamentais da ApexBrasil, Wilson Almeida, durante reunião com o prefeito Miguel Coelho, onde participaram também representantes da Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas), Associação dos Produtores e Exportadores de Hortifrutigranjeiros e Derivados do Vale do São Francisco (Valexport) e do Sindicato dos Produtores Rurais de Petrolina (SPR).

Na ocasião, Wilson Almeida destacou o potencial exportador do município e adiantou que serão capacitados inicialmente 100 produtores com perfil adequado para exportação. “Treinamos no ano passado, em todo país, aproximadamente 15 mil empresas no processo de exportação de forma planejada e segura e destas cinco mil são hoje efetivamente exportadores”, lembrou.

LEIA MAIS

Produtores do Vale do São Francisco comemoram retirada de impostos sobre exportações de frutas

(Foto: Divulgação)

O acordo firmado entre o Mercosul e a União Europeia, na última sexta-feira (28), criou a maior área de livre comércio do mundo. Juntos, os dois blocos movimentam U$ 17 trilhões em Produto Interno Bruto (PIB). Reivindicação antiga dos produtores do Vale do São Francisco, a retirada de impostos sobre os produtos agrícolas permitirá, por exemplo, que a uva de mesa produzida na região entre na Europa com tarifa zero.

Os exportadores do São Francisco também terão maior acesso à União Europeia por meio de quotas – para açúcar e etanol –, além do reconhecimento de produtos brasileiros diferenciados, como o vinho. Em Petrolina (PE), onde recebeu os detalhes das negociações, o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais (SPR), Jailson Lira, destacou que o Vale deve se posicionar melhor no mercado internacional.

“Alguns países que concorrem conosco na mesma época de produção de frutas, como Estados Unidos, Chile, Peru e África do Sul, não têm a incidência de taxas da União Europeia. Então, esse acordo é histórico para nós porque coloca Petrolina e o Vale do São Francisco em pé de igualdade com esses competidores, uma vez que respondemos por 98% das exportações de uvas de mesa e 95% de mangas do país”, avalia o representante dos produtores do segmento que gera 100 mil empregos diretos e movimenta anualmente cerca de U$ 3,8 milhões.

LEIA MAIS

Grupo espanhol compra maior produtora brasileira de uva de mesa em Petrolina

(Foto: Reprodução/Internet)

O Grupo JD, que é a maior produtora brasileira de uva de mesa, vendeu a Fazenda Labrunier – localizada em Petrolina (PE) – e seu braço internacional, a subsidiária Brasvius, para a empresa El Ciruelo, com sede em Murcia na Espanha.

A Labrunier é, ainda, uma empresa de ponta em termos de sofisticação e supervisão das culturas, com certificados ambientais “Rainforest Alliance”.

Do ponto de vista estratégico e comercial, o El Ciruelo vai incorporar, com o movimento, o grupo líder em produção e venda de uvas no mercado interno brasileiro, que também possui a maior rede de exportação de uvas do País.

LEIA MAIS

Brasil cai para 27º lugar entre os maiores exportadores do mundo

(Foto: Divulgação/Portal Governo Brasil)

O Brasil caiu da 26ª posição para o 27º lugar entre os maiores exportadores do mundo, em 2018, segundo relatório anual divulgado hoje (2) pela Organização Mundial do Comércio (OMC). Entretanto, houve aumento de 10% nas vendas em comparação a 2017.

No ano passado, as exportações chegaram a US$ 239,5 bilhões, com aumento de 9,6%. As importações cresceram 19,7% ao totalizarem US$ 181,2 bilhões. O saldo da balança comercial em 2018 ficou em US$ 58,3 bilhões.

O 26º lugar foi assumido pelo Vietnã. O primeiro lugar no ranking é da China, seguida por Estados Unidos e Alemanha. O último lugar é da Indonésia, em 30º lugar.

Comércio mundial

Segundo dados preliminares da OMC, o comércio mundial cresceu 3%, em 2018, abaixo do previsto em setembro pela organização (3,9%). O resultado menor que o esperado é explicado principalmente por piora no comércio mundial, no quarto trimestre.

Para 2019, a previsão é crescimento de 2,6% no comércio mundial, em linha com a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, de 2,6%. Em 2020, o comércio mundial deve atingir crescimento de 3%, com previsão para o PIB em 2,6%.

Fonte: Agência Brasil

Petrolina avança no comércio internacional e conquista mercado em mais dois países

(Foto: Ascom)

A Prefeitura de Petrolina (PE), através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo, se reuniu com os gestores da Valexport para discutir o crescimento da cadeia de produção  de frutas e exportações do Vale do São Francisco. Entre as novidades, foram abordados os avanços em mercados que ainda não tinham atuação, como na Coréia do Sul e África do Sul.

De acordo com o secretário executivo de Desenvolvimento Econômico, Thiago Brito, no encontro também foi tratado sobre a expansão do Selo de Origem de Procedência, que já está sendo aplicado em alguns produtores da região. “O selo é extremamente importante que valoriza nossos produtos, pois irá garantir que as frutas sejam registradas, identificadas e rastreadas nos mercados comerciais, evitando fraude e pirataria, visto que alguns mercados utilizam da falsa informação para garantir melhores preços e entregando produtos de baixa qualidade”, afirma.

Atualmente a região do Vale do São Francisco tem como produto principal uva e manga, e exporta  para cerca de 20 países, tendo como principais mercados a Holanda, Estados Unidos e Reino Unido.

Agropecuária lidera aumento de 16,6% das exportações do Brasil em outubro

As exportações agropecuárias cresceram 35,8% no período, com aumento de 17,2% nas vendas da soja e de 15,1% das carnes. (Foto: Internet)

As exportações brasileiras tiveram um crescimento de 16,6% em outubro, na comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com dados da Fundação Getulio Vargas (FGV), divulgados hoje (26) no Rio de Janeiro, o principal responsável pela expansão foi o setor agropecuário.

As exportações agropecuárias cresceram 35,8% no período, com aumento de 17,2% nas vendas da soja e de 15,1% das carnes. Outro segmento que teve desempenho positivo foi a indústria extrativa, que cresceu 32,9% em outubro.

Segundo a FGV, fatores como a guerra comercial entre Estados Unidos e China e o aumento no preço de algumas commodities (mercadorias que funcionam como matéria-prima, produzidos em escala e que podem ser estocados sem perda de qualidade), como o petróleo, foram responsáveis pelo crescimento.

Commodities

LEIA MAIS

Exportação de animais vivos para abate pode ser proibida

(Foto: Internet)

Um projeto para proibir a exportação de animais vivos destinados ao abate foi apresentado pelo senador Rudson Leite (PV-RR) no início deste mês e tramita na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), onde aguarda recebimento de emendas.

A proposta (PLS 357/2018) destaca o crescimento dessa atividade nos últimos anos no Brasil, trazendo à discussão as condições de maus-tratos a que são submetidos os animais transportados e a poluição decorrente do lançamento dos dejetos animais in naturano meio ambiente.

No texto, o senador aponta recente episódio em que a 25ª Vara Cível Federal de São Paulo acatou pedido da Organização Não Governamental Fórum Nacional de Proteção Animal e suspendeu os embarques de animais vivos em todo o território nacional, até que o país de destino se comprometa, mediante acordo entre as partes, a adotar práticas de abate compatíveis com a legislação brasileira.

Maus-tratos

Os maus-tratos no transporte de animais vivos foram atestados na inspeção realizada por técnicos da prefeitura de Santos (SP). O laudo evidencia que os animais são enclausurados em espaços reduzidos para serem transportados em longas viagens marítimas, nas quais enfrentam tempestades e calor intenso.

LEIA MAIS

Cooperativas fortalecem produção na agricultura do Vale, afirma presidente da COANA

(Foto: Reprodução/Internet)

Petrolina é um polo de fruticultura irrigada, exportando uva e manga para todo mundo. Entretanto, esse sucesso não seria possível se não fosse pela dedicação dos produtores e para fazer valer seu trabalho muitos se unem em cooperativas.

É o caso da Cooperativa Agrícola Nova Aliança (COANA), fundada em 2005 e mesmo com pouco tempo de história é referência na região por sua exportação. Apesar dos resultados positivos, o presidente da COANA, Edis Ken Matsumoto avalia ser necessário potencializar as cooperativas locais.

“A região ainda tem poucas cooperativas e a gente sabe que a cooperativa é uma forma de agregar vários produtos com um objetivo comum: potencializar o trabalho de cada um, é fazer junto”, comenta o presidente dno programa Super Manhã com Waldiney Passos.

LEIA MAIS

Produtores rurais de Petrolina acumularam prejuízo de R$ 570 milhões durante greve dos caminhoneiros

A greve dos caminhoneiros contou com apoio de boa parte da população brasileira que inclusive foi às ruas fortalecer o movimento em Petrolina e Juazeiro. Entretanto, assim como a paralisação de 10 dias interrompeu o abastecimento dos postos de combustível e supermercados, a produção de frutas no Vale do São Francisco também foi afetada.

Segundo o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Petrolina (SPR), Jailson Lira, foi contabilizado até a quarta-feira (30) R$ 570 milhões de prejuízo. Isso porque a produção não conseguiu ser escoada pelas rodovias federais.

“São números grandiosos porque as greves se estendem principalmente no Sertão de Pernambuco e na Bahia, os produtores estão preocupados com a situação. O volume de exportação nesse período é bem menor do que ao longo do ano, mas o mercado interno é tão importante quanto o mercado de exportação”, disse ao programa Super Manhã, da Rádio Jornal Petrolina.

Com as frutas armazenadas por longos períodos, muitos produtores devem contabilizar mais perdas, isso porque a presença da mosca da fruta é outro ponto que gera preocupação.

Produtores de frutas do Vale do São Francisco estimam R$ 570 milhões em prejuízos com a paralisação dos caminhoneiros

Os produtores assinaram um documento, onde reconhecem a legitimidade do movimento dos caminhoneiros. (Foto: ASCOM)

Maior exportador de frutas do país, o Vale do São Francisco já contabiliza um prejuízo de R$ 570 milhões ao final do oitavo dia de paralisação dos caminhoneiros. A conta foi apresentada na tarde desta segunda-feira (28), pelo presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Petrolina (SPR), Jailson Lira.

Segundo o representante do mais importante segmento da economia regional, a paralisação vem atingindo fortemente o setor, que deixou de comercializar nesta semana para os mercados interno e externo 40 mil toneladas de uvas e 60 mil toneladas de mangas, além de mais 200 mil toneladas de outras frutas, a exemplo de acerola, banana, coco e mamão.

“Com todo esse tempo de paralisação, nossas câmaras frias já estão com a ocupação esgotada, não oferecendo mais espaço para o armazenamento das frutas colhidas recentemente. O resultado são pomares e mais pomares com frutas apodrecendo no campo”, lamentou.

LEIA MAIS

Vale do São Francisco vai exportar manga para a África do Sul

O Vale do São Francisco, que movimentou no ano passado US$ 213 milhões com a exportação de 150 mil toneladas de manga para países como a Holanda, Estados Unidos e Espanha, vai ampliar esses números muito em breve com a conquista do mercado da África do Sul.

Desde a última segunda-feira (12), os inspetores federais do Ministério da Agricultura da África do Sul, Nkeetula Abram e Godfrey Markhu Bele, conheceram de perto os pomares e os packing house de seis fazendas produtoras de manga, entre Pernambuco e Bahia.

Eles vieram avaliar o sistema de produção e cuidados fitossanitários para estabelecer a importação da fruta até o final desse ano. A visita dos sul-africanos a região encerrou-se nesta sexta-feira (16) e eles ficaram satisfeitos com o que viram aqui.

De acordo com Nkeetula Abram, a avaliação foi positiva principalmente pela limpeza das áreas de produção e monitoramento das moscas-das-frutas através das armadilhas utilizadas em larga escala.

“Ficamos muito impressionados também com a preocupação constante da qualidade final e embalagem dos frutos nos packing house, onde o tratamento hidrotérmico garante o controle de algumas doenças pós-colheita causadas por fungos”, pontuou.

Para a auditora fiscal do Departamento de Sanidade Vegetal (DSV) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Débora Cruz, a missão conclui com êxito um trabalho diplomático que começou há dois anos e que vai permitir pela primeira vez a compra do fruto brasileiro.

“Pela reação dos inspetores durante essa semana podemos entender que o nosso sistema fitossanitário superou as expectativas. O profissionalismo e a organização dos produtores da região também serão determinantes para o início dos entendimentos comerciais”.

Segundo o diretor de Marketing da Valexport – Associação dos Produtores e Exportadores de Hortigranjeiros e Derivados do Vale do São Francisco, Caio Coelho, a fruticultura irrigada regional já está se preparando para atender a contento a nova demanda.

“Produzimos anualmente 700 mil toneladas de manga numa área de 30 mil hectares, a maioria com as variedades Tommy Atkins, Palmer, Kent e Keitt. Vamos começar bem com o mercado sul-africano, principalmente pela logística que será viabilizada por via marítima, a um custo bem mais econômico”, destacou Caio Coelho.

África do Sul

Principal parceiro econômico do Brasil no continente, o país sul-africano tem uma balança comercial que é mais positiva para as exportações brasileiras.  Em 2016, quando foi lançada a última série estatística pelo Itamaraty, o país tinha exportado US$ 1,4 bilhão para a África do Sul. Ou seja, um superávit de US$ 668, ante os US$ 336 milhões comercializados por seu parceiro. Naquele ano, 38.814 brasileiros viajaram para a nação africana, o que aumentou em 32,3% o número desses visitantes, em relação a 2015.

Os produtos brasileiros mais importados pela África do Sul são manufaturados, liderados pelos automóveis e máquinas mecânicas, além dos produtos básicos e semimanufaturados, como o zinco, açúcar, cereais e carnes, responsáveis por 33% do saldo comercial.

123