Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Ocupação dos Trukás continua, reuniões de negociação estão marcadas para essa manhã

Trukás vieram de Cabrobó cobrar demandas (Foto: Blog Waldiney Passos)

O grupo de 150 índios Trukás permanece no prédio da Gerência Regional de Educação (GRE) de Petrolina, aguardando um posicionamento do Governo de Pernambuco a respeito do pagamento em atraso do transporte escolar indígena.

A manifestação teve início na quarta-feira (7) de forma pacífica. Ontem o Blog mostrou a situação e conversou com as lideranças do movimento. A principal reivindicação é o pagamento das parcelas em atraso e que, segundo os índios, a Secretaria Estadual de Educação afirmou não ter verba para acertas as contas.

LEIA TAMBÉM:

Índios Trukás ocupam GRE e denunciam débito do Governo do Estado referente ao transporte escolar

Nossa equipe entrou em contato com a GRE de Petrolina e fomos informados que reuniões estão agendadas para essa sexta-feira (9), na tentativa de negociar a pauta dos Trukás. Além de Petrolina, há ocupações de indígenas nos prédios da GRE de Arcoverde, Salgueiro e Floresta.

Desde ontem o Blog tenta contato com a Secretaria Estadual de Educação, mas até o momento não tivemos retorno sobre os nossos questionamentos. Reiteramos que o espaço permanece aberto ao Governo do Estado para tais esclarecimentos.

Índios Trukás ocupam GRE e denunciam débito do Governo do Estado referente ao transporte escolar

O prédio da Gerência Regional de Educação (GRE) Petrolina amanheceu ocupado na manhã dessa quinta-feira (8) por 150 índios da tribo Truká. O grupo organizou a manifestação para cobrar do Governo de Pernambuco o pagamento de débitos referentes ao transporte escolar indígena.

De acordo com Pretinha Truká, liderança indígena que conversou com a nossa equipe, a ocupação também está acontecendo em outras três GRES do Estado: Arcoverde, Floresta e Salgueiro, com a mesma pauta de Petrolina.

“O ponto prioritário dessa ocupação é a questão do pagamento da oitava parcela dos transporte escolar indígena. Nós fizemos uma pactuação com o governo do Estado há uns anos onde o Governo ia dividir as parcelas em 10 anuais, isso eles não têm cumprido e isso gera um prejuízo enorme”, explicou.

LEIA MAIS