Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

“Se eu errei, eu arco com a minha responsabilidade”, afirma Bolsonaro

(Foto: Fátima Meira/Futura Press/Folhapress)

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) afirmou à imprensa nesse sábado (8) que, caso tenha cometido irregularidades fiscais assumirá seus atos. Na sexta-feira (7) os veículos nacionais noticiaram um depósito no valor de R$ 24 mil na conta da futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Segundo o futuro presidente, o depósito do policial militar Fabrício Queiroz é parte de uma dívida do PM com ele.  “O empréstimo foi se avolumando e eu não posso, de um ano para o outro, (colocar) mais R$ 10 mil, mais R$ 15 mil. Se eu errei, eu arco com a minha responsabilidade perante o Fisco. Não tem problema nenhum”, disse.

O caso

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) apontou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão em uma conta de Queiroz quando ele era assessor parlamentar no gabinete do deputado estadual – e hoje senador eleito – Flávio Bolsonaro, filho do presidente eleito.

O montante foi movimentado no período de janeiro de 2016 a janeiro de 2017. Bolsonaro disse que os depósitos foram feitos na conta de sua mulher e não na própria conta porque não costuma ir a banco. “Foi na (conta) da minha esposa, pode considerar na minha. Só não foi na minha por uma questão de mobilidade”, disse Bolsonaro.

Com informações d’O Estado de SP

Eleitor queria fim da política de “toma lá, dá cá”, afirma Pérsio Antunes sobre vitória de Bolsonaro

Ex-vereador afirma que extinção do Ministério do Trabalho não afeta trabalhador (Foto: Blog Waldiney Passos)

Ex-vereador de Petrolina na gestão de Julio Lóssio, Pérsio Antunes apoiou o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) nas eleições de 2018 e espera que o novo governo traga de fato mudanças ao país. Durante uma entrevista no programa Super Manhã com Waldiney Passos, Pérsio analisou o cenário político nacional e as mudanças nos ministérios.

“Eu acho que o eleitor, nós cansamos da política que foi implantada no nosso país: a política do toma lá, dá cá. A política de loteamento do Governo Federal nas suas instituições, a Caixa Econômica era com um partido, a Saúde era com outro, a Educação era com outro, o Trabalho era com outro. O Ministério do Trabalho era só pra fazer movimento sindical”, analisou Pérsio.

Ministério do Trabalho

Na opinião do ex-vereador a extinção do Ministério do Trabalho não muda o fato de existirem leis trabalhistas. “É obrigatório que as leis que existem elas continuem, que o trabalhador seja protegido, tenha o seu direito, mas o Ministério do Trabalho como estava era um cabide de emprego pra gastar milhões de reais e para dar cargos sindicais”, disse.

Para Pérsio, o Ministério do Trabalho “era de fachada e não defendia o trabalhador”, fortalecendo um grupo político no poder (o PT). “O Congresso Nacional não pode votar contra as leis [já existentes] e não é o Ministério do Trabalho que vai fazer a lei”, finalizou.

TSE julga hoje (4) contas de Bolsonaro

(Foto: Fátima Meira/Futura Press/Folhapress)

Está marcada para as 19h, horário de Brasília, o julgamento das contas da campanha eleitoral de Jair Bolsonaro (PSL). Essa etapa é a última formalidade para o presidente eleito ser diplomado na próxima segunda-feira (10) e tomar posse em 2019.

As contas serão julgadas pelo plenário do TSE, a partir do voto do relator, o ministro Luís Roberto Barroso. De acordo com parecer do órgão técnico, responsável pelo assunto, as contas de campanha do presidente eleito devem ser aprovadas com ressalvas.

No entendimento dos analistas e técnicos do TSE foram identificadas irregularidades na prestação de contas a devolução de depósitos feitos na conta bancária da campanha. O financiamento coletivo por meio de uma empresa sem registro prévio na Justiça Eleitoral também foi objeto de impropriedade pela corte. No entanto, a assessoria técnica não identificou prejuízo ao controle social das doações.

Com informações da Veja

Fernando Bezerra convida Bolsonaro para conhecer Petrolina: “é a capital da irrigação do Nordeste brasileiro”

Senador se encontrou com presidente eleito em Brasília (Foto: Blog Waldiney Passos)

Durante a solenidade de inauguração do Bloco Administrativo da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), realizada na manhã dessa segunda-feira (3), em Petrolina, o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB) revelou já ter se encontrado com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) e o convidou para conhecer o município em 2019.

LEIA TAMBÉM:

Solenidade na Codevasf marca inauguração de Bloco Administrativo Osvaldo Coelho

O encontro, segundo o senador, ocorreu durante uma solenidade em Brasília (DF). “Me encontrei com o presidente Bolsonaro há uns dias atrás na solenidade de celebração dos 30 anos da Constituição, me apresentei e disse: presidente Bolsonaro o senhor conhece Petrolina? Ele disse não, Fernando, nunca tive oportunidade de ir. Pois já está convidado pra conhecer Petrolina, é a capital da irrigação do Nordeste brasileiro”, disse aos presentes.

De acordo com Fernando Bezerra, o convite é importante para que Bolsonaro conheça de perto os núcleos irrigados que tornam Petrolina destaque na produção de frutas. “Você precisa conhecer Petrolina para que a gente possa espalhar muitas Petrolinas pelo Nordeste a fora e ele disse ‘vamos marcar'”, continuou Fernando Bezerra.

Ministério do Trabalho será extinto, confirma Onyx Lorenzoni

(Foto: Arquivo)

Onyx Lorenzoni (DEM) confirmou nessa segunda-feira (3) a extinção do Ministério do Trabalho.  De acordo com o futuro chefe da Casa Civil, a pasta será dividida entre Economia, Cidadania e Justiça. O deputado federal também confirmou 22 ministérios no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

“O atual Ministério do Trabalho como é conhecido ficará uma parte no ministério do doutor [Sergio] Moro, outra parte com Osmar Terra e outra parte com o Paulo Guedes, lá no ministério da Economia, para poder tanto a parte do trabalhador e do empresário dentro do mesmo organograma”, afirmou.

Presidente eleito havia negado extinção

A extinção vem mesmo após Bolsonaro ter negado a mudança, em novembro. “O Ministério do Trabalho vai continuar com status de ministério, não vai ser secretaria. Vai ser Ministério ‘Disso, Disso e do Trabalho’, como [cita como exemplo] Ministério da Indústria e Comércio”, afirmou o presidente eleito em 13 de novembro.

LEIA MAIS

Almirante é confirmado no ministério de Minas e Energias

(Foto: Divulgação)

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) utilizou seu Twitter para anunciar mais um ministro do seu futuro governo. Trata-se do diretor geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha, almirante de esquadra Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Junior que assumirá o ministério de Minas e Energia.

Nascido no Rio de Janeiro, Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Júnior começou a carreira na Marinha em 1973. Foi comandante em chefe da Esquadra, chefe de gabinete do Comando da Marinha e comandante da Força de Submarinos Brasileira.

Fora do país atuou como observador militar das forças de paz das Nações Unidas (ONU) na Bósnia-Herzegovina.  Para completar sua equipe Bolsonaro deverá confirmar mais dois nomes, já que pretende manter 22 ministérios dos 29 existentes hoje.

Com informações da Agência Brasil

General-de-divisão Carlos Alberto dos Santos Cruz é anunciado na Secretaria de Governo

(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) anunciou na manhã de hoje (26) via redes sociais que o general-de-divisão Carlos Alberto dos Santos Cruz foi o escolhido para assumir a Secretaria de Governo. Com Santos Cruz o governo do novo presidente soma quatro militares: general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), general Fernando Azevedo e Silva (Defesa) e o tenente-coronel Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia).

Mantida como status de Ministério a Secretaria de Governo é atualmente comandada pelo ministro Carlos Marun. O novo escolhido de Bolsonaro tem participado de reuniões do presidente eleito e embaixadores na sede do comitê de transição.

O general era cotado para integrar a equipe de Sérgio Moro no Ministério da Justiça, porém foi escolhido para a Secretaria de Governo. A posse de Bolsonaro está marcada para 15h do dia 1º de janeiro, antes disso no próximo dia 4 o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) julga as contas da campanha do presidente, para assim dar posse.

TSE julgará contas de Bolsonaro no dia 4 de dezembro

(Foto: Marcelo Camargo/Arquivo/Agência Brasil)

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pretende ser diplomado no dia 10 de dezembro e para agilizar o processo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) marcou para o dia 4 o julgamento das contas da campanha de outubro.

Relator do processo no TSE, o ministro Luís Roberto Barroso determinou que a campanha de Bolsonaro apresentasse uma prestação de contas retificadora para esclarecer inconsistências na documentação entregue anteriormente ao tribunal, documentação já protocolada no tribunal.

O TSE julgará as contas de campanha dos presidenciáveis, mas cabe aos tribunais regionais eleitorais a análise da movimentação financeira dos candidatos a governador, senador, deputado federal, estadual e distrital.

Segundo o TSE, os candidatos com pendências na prestação de contas não recebem a certidão de quitação eleitoral enquanto perdurar a omissão. Já os partidos que não prestarem contas podem ter suspensa a cota do fundo partidário.

Com informações da Agência Brasil

Guedes confirma economista para assumir Petrobras no governo de Bolsonaro

(Foto: Reinaldo Canato/Folhapress)

Futuro ministro da Economia no governo de Jair Bolsonaro (PSL), Paulo Guedes confirmou o nome de Roberto Castello Branco a frente da Petrobras em 2019. Guedes divulgou uma nota oficializando a notícia na manhã dessa segunda-feira (19).

Castello Branco é economista e tem pós-doutorado na Universidade de Chicago (EUA), já ocupou cargos na direção do Banco Central e da Vale. Atuou na campanha presidencial de Bolsonaro e faz parte da equipe de transição do governo. Atual presidente da estatal, Ivan Monteiro permanece no cargo até a nomeação de Castello Branco.

Leia a íntegra da nota publicada pelo ministro de Economia:

LEIA MAIS

Campanha de Haddad gastou 15 vezes mais que a de Bolsonaro

Derrotado na eleição presidencial, Fernando Haddad (PT) gastou 15 vezes mais que o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). A informação foi repassada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no sábado (17), último dia para os candidatos participantes do segundo turno prestarem contas ao órgão.

Pelas informações prestadas, Haddad arrecadou aproximados R$ 35,4 milhões (sendo R$ 33,7 em recursos financeiros) e gastou R$ 37,5 milhões, restando uma dívida de campanha de cerca de R$ 3,8 milhões. Enquanto isso Bolsonaro (PSL) arrecadou R$ 4,4 milhões e gastou R$ 2,5 milhões.

O presidente eleito já havia declarado suas informações ao TSE que apontou 17 indícios de irregularidade na documentação entregue. A defesa do pesselista já esclareceu os fatos e agora cabe ao Tribunal julgar as informações.

Com informações da Folha de Pernambuco

Bolsonaro terá reunião com governadores do Nordeste

(Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

Presidente eleito em outubro Jair Bolsonaro (PSL) cumprirá uma intensa agenda nessa semana. Entre os compromissos do pesselista está uma reunião com governadores do Nordeste. O encontro está marcado para quarta-feira (21).

Antes disso Bolsonaro se reunirá com a procuradora-geral da República, Raquel Dogde e visita ao Tribunal de Contas da União (TCU). Na terça (20) o presidente eleito se reúne com o ministro da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário.

Bolsonaro irá a São Paulo, para uma bateria de exames no Hospital Albert Einstein, para preparar a retirada da bolsa de colostomia. O presidente eleito tomará posse às 15h do dia 1º de janeiro.

Com informações do JC Online

Seleção para preencher vaga de cubanos no Mais Médicos acontecerá ainda em novembro

(Foto: Ismael Francisco)

Com a volta dos médicos cubanos o Ministério da Saúde do Brasil informou na manhã de hoje (16) que a nova seleção para contratar profissionais brasileiros no programa Mais Médicos está prevista para acontecer ainda em novembro.

O governo cubano anunciou sua saída do programa na quarta-feira (14) e atribuiu a decisão de sair do programa após “declarações ameaçadoras e depreciativas” do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). De acordo com o Ministério da Saúde, a formulação do edital para substituição dos profissionais será finalizada ainda hoje.

“O Ministério da Saúde realizará reunião com a Opas (Organização Pan-Americana de Saúde) para a definição da saída dos médicos cubanos e entrada dos profissionais brasileiros que serão selecionados por edital. Será finalizada a proposta de edital para selecionar profissionais para as 8.332 vagas que serão deixadas pelos médicos cubanos”, afirma em nota.

De acordo com a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), a saída de cubanos do Mais Médicos afetará 28 milhões de pessoas. “A seleção de profissionais brasileiros em primeira chamada do edital será realizada ainda no mês de novembro e o comparecimento aos municípios, imediatamente após a seleção”, completou o Ministério da Saúde.

Com informações do Correio Braziliense

Posse de Bolsonaro será antecipada em duas horas, confirma presidente do Senado

Bolsonaro foi eleito no segundo turno (Foto: REUTERS/Pilar Olivares)

A solenidade de posse do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) acontecerá duas horas antes do que sugere o protocolo. A informação foi confirmada pelo presidente do Senado Federal, Eunício Oliveira (MDB), a pedido do próprio Bolsonaro.

De acordo com Eunício, a posse está marcada para 15h do dia 1º de janeiro de 2019. Serão realizadas solenidades no Congresso Nacional, dn Presidência da República e no Ministério das Relações Exteriores.

O atual presidente do Senado também relatou estar em discussão com a equipe da área econômica do novo governo para discutir a Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2019, vendo a possibilidade de alterar a verba do ano seguinte.

Com informações do Diário de Pernambuco

Bolsonaro anuncia general da reserva como ministro da Defesa

(Foto: Alan Marques/ Folhapress)

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) confirmou na manhã dessa terça-feira (13) mais um nome para compor seu governo. O Ministério da Defesa será comandado pelo general da reserva Fernando Azevedo e Silva. Bolsonaro fez o anúncio através de sua conta no Twitter.

Com a escolha de um general, Bolsonaro mantém um oficial-general de quatro estrelas (topo da carreira) à frente do Ministério da Defesa. O atual ministro é o também general Joaquim Silva e Luna.

Azevedo e Silva foi chefe do Estado-Maior do Exército e passou para a reserva neste ano. Atualmente, o general assessora o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli.

Ministérios

 O general é o sétimo ministro confirmado para o governo de Bolsonaro. Onyx Lorezoni (DEM) assumirá a Casa Civil, Paulo Guedes a pasta de Economia (fundida com os ministérios da Fazenda, Planejamento e Indústria e Comércio), Sérgio Moro comandará Justiça e Segurança Pública, Tereza Crsitina (DEM) ficou com o ministério de Agricultura, Marcos Pontes com Ciência e Tecnologia, e o general Augusto Heleno, Gabinete de Segurança Institucional.

PSB confirma oposição a governo de Bolsonaro: “O partido se oporá a qualquer governo de natureza autoritária”

Principal aliado do Partido dos Trabalhadores (PT) nas eleições de 2018, o PSB confirmou sua oposição ao governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). O posicionamento foi ratificado em uma reunião da executiva nacional na noite de segunda-feira (5).

Presidente da sigla, Carlos Siqueira comentou a decisão dos membros. “Fomos colocados na oposição pelo resultado eleitoral porque não apoiamos o candidato que ganhou e, por outro lado, e até mais importante, é porque o candidato que ganhou pensa diametralmente o oposto do que pensamos”, disse ontem ao final da reunião.

No entanto, Siqueira afirmou que a oposição visará questões apresentadas pelo próximo presidente da República. De acordo com Siqueira, a sigla fará oposição de acordo com as questões que serão apresentadas pelo novo governo.

LEIA MAIS
123