Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Investigado por lavagem de dinheiro, prefeito de Camaragibe é preso

Além de Meira, mais quatro pessoas foram presas (Foto: Reprodução/WhatsApp)

A Polícia Civil prendeu na manhã dessa quinta-feira (20) o prefeito da cidade de Camaragibe, no Grande Recife. Demóstenes Meira ficou conhecido nacionalmente por pedir a presença de cargos comissionados em um show de sua noiva.

A prisão de Meira se deu na Operação Harpalo II. As investigações tiveram início em 2018 e miram práticas de organização criminosa, fraude em licitação, corrupção e lavagem de dinheiro. Meira está afastado das funções relativas do seu cargo.

Além do prefeito, outros quatro mandados de prisão preventiva foram cumpridos: Severino Ramos da Silva, empresário; Luciana Maria da Silva, esposa de Severino; Carlos Augusto, empresário e Joelma Soares, esposa de Carlos. Quarenta policias civis participam da operação.

Operação Roupa Suja: Polícia Civil de Irecê prende homem acusado de lavagem de dinheiro

Carros do suspeito apreendidos durante a Operação Roupa Suja. (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

No início da manhã desta quarta-feira (12), por volta das 6h, a Polícia Civil de Irecê (BA) iniciou a Operação Roupa Suja, que após trabalho de investigação e levantamento de informações realizados pelas Delegacias Territorial de Irecê e a Delegacia de Tóxicos e Entorpecentes, foi expedido um mandado de busca e apreensão para a residência de Uoston Muniz de Oliveira, de 25 anos, mais conhecido como “Uoston do bingo”.

Na última sexta-feira (7), a Polícia Militar realizou uma operação que culminou no fechamento do bingo pertencente a Uoston, sendo o local suspeito de venda de drogas e ocorrência de homicídio. As investigações da Polícia Civil apontam um crescimento elevado do rendimento financeiro do acusado, que em menos de um ano conseguiu elevar seu patrimônio em mais de R$ 2 milhões. Além do bingo, o acusado é proprietário de um clube, avaliado em mais de R$500.000,00, e de uma casa avaliada em torno de R$350.000,00.

LEIA MAIS

Lula e filho são indiciados por lavagem de dinheiro e tráfico de influência

Presidente está preso desde abril do ano passado.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seu filho, Luís Cláudio, foram indiciados pela Polícia Federal (PF) por supostos crimes de lavagem de dinheiro e tráfico de influência. De acordo com a PF, uma empresa de Luís Cláudio teria recebido R$ 10 milhões em alguns anos “apesar de seu capital social de R$ 1 mil”.

A juíza da 4ª Vara Criminal de São Paulo, Bárbara de Lima Issepi, remeteu o caso para uma das varas especializadas em lavagem de dinheiro. A investigação tem origem na delação de executivos ligados à Odebrecht.

Eles afirmam que Lula teria mantido contato com a empreiteira para beneficiá-la no governo Dilma Rousseff, e, “como contrapartida, a empresa caria responsável por financiar projetos pessoais de seu filho, Luís Cláudio”.

LEIA MAIS

Tribunal de Justiça rejeita denúncia contra Haddad

(Foto: Internet)

Por dois votos a um, desembargadores da 12ª Câmara do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo trancaram nesta quarta-feira (27) uma ação penal contra o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) por corrupção e lavagem de dinheiro.

Em denúncia, o Ministério Público de São Paulo apontou que o empreiteiro Ricardo Pessoa, delator da Operação Lava Jato, pagou com valores de caixa 2, dívidas de campanha do ex-prefeito com gráficas em troca de futuros benefícios para sua empresa, a UTC Engenharia.

Denúncia não é clara

No entanto, os desembargadores entenderam que a denúncia aberta em 19 de novembro passado não esclarece qual a vantagem pretendida pelo empreiteiro, uma vez que os interesses da UTC foram contrariados pela gestão municipal.

LEIA MAIS

Pernambuco: Operação da Polícia Civil prende 27 pessoas em Recife e Caruaru

(Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Lavagem de dinheiro, homicídio, tráfico de drogas e associação ao tráfico. Esses foram alguns dos crimes investigados pela Polícia Civil de Pernambuco entre novembro de 2017 e essa quarta-feira (23), quando 27 mandados de prisão e 26 de busca e apreensão foram cumpridos na capital Recife, em Caruaru e em Alagoas.

Segundo a polícia, a organização criminosa que era alvo da ação levantou R$ 4 milhões entre o período da investigação apenas com o tráfico. “A quadrilha se capitalizou comprando imóveis e o líder morava em Caruaru, mas não praticava os crimes no município. O gerenciamento era feito por dois irmãos que moravam em Rio Largo, em Alagoas. Ambos entraram no negócio de concessionários de transporte público para lavar dinheiro”, disse o chefe da Polícia Civil, Joselito Kehrle. Um ônibus dos irmãos foi apreendido em Rio Largo.

Foram localizadas três metralhadoras, além de dez pistolas e revólveres e cem quilos de droga – entre maconha, cocaína, pasta base e maconha. Participaram da ação 270 policiais, entre delegados, agentes e escrivães. Ainda segundo o delegado, a quadrilha tem envolvimento com 27 homicídios.

Com informações do Diário de Pernambuco

Candidato à vice-presidência pelo PT, Haddad é denunciado por corrupção, quadrilha e lavagem de dinheiro

Haddad deve ter nome apresentado para substituir candidatura de Lula.

O candidato a vice-presidente pelo Partido dos Trabalhadores, Fernando Haddad, foi acusado, nessa segunda-feira (03), pelo Ministério Público de São Paulo (MP-SP) de ter cometido os crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, por ter recebido a quantia de R$ 2,6 milhões da UTC Engenharia de forma irregular.

As denúncias, apresentadas pelo promotor Marcelo Batlouni Mendroni, têm como base a delação do presidente da empresa de engenharia, Ricardo Ribeiro Pessoa.

De acordo com a acusação, em 2013, entre os meses de abril e maio, Ricardo recebeu um pedido do tesoureiro nacional do PT, que à época era João Vaccari Neto, de R$ 3 milhões, que serviria como pagamento de uma dívida de campanha de Haddad.

Segundo a denúncia, houve o pagamento direto no valor de R$ 2,6 milhões ao PT e de forma indireta em favor de Haddad, quando era prefeito de São Paulo. O pagamento teria sido feito em parcelas.

Defesa

A assessoria de Haddad afirmou ao Uol, por meio de nota, que a denúncia não tem provas e que se surpreende com as ações propostas pelo Ministério Público a partir de “narrativas do empresário Ricardo Pessoa, da UTC”. Em nota, ainda, a equipe do petista informou que na condição de prefeito, Haddad contrariou interesses da empreiteira UTC na cidade.

Eleições 2018: Receita Federal vai fiscalizar dinheiro vivo de candidatos

(Foto: Ilustração)

Os candidatos que participarão das eleições de outubro serão fiscalizados pela Receita Federal e Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Juntamente com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), os órgãos vão apurar a origem do dinheiro vivo declarado nas campanhas.

A medida visa identificar se houve caixa 2 durante a campanha do candidato. A ação é preventiva e busca coibir a declaração falsa de informações à Justiça Eleitoral e crimes como lavagem de dinheiro.

Este ano a eleição será financiada apenas pelos fundos Eleitoral, onde estão investidos R$ 1,7 bilhão dividido entre os partidos. Esses também poderão fazer doações aos candidatos.

Segundo a Receita, o trabalho de repasse das informações será em tempo ao TSE, à medida que os candidatos forem apresentando os dados.

Stop Car: Polícia Civil avalia como positiva operação que desarticulou quadrilha em Petrolina

(Foto: Divulgação/Polícia Civil)

A Polícia Civil de Petrolina desarticulou uma quadrilha especializada em roubos de cargas, tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, na quarta-feira (23). Sob o comando dos delegados Daniel Moreira e Magno Neves, a Operação Stop Car terminou com seis prisões, a recuperação de carga roubada e apreensão de drogas.

Em entrevista na tarde dessa quinta-feira (24) na sede da 26º DESEC, o delegado Magno Neves apresentou um balanço da operação. As investigações foram iniciadas em julho de 2017. “A investigação envolveu 17 alvos, 9 foram presos e os outros encontram-se respondendo em liberdade. A operação visava desarticular uma organização criminosa envolvida em tráfico de entorpecentes, roubo e interceptação de carga roubada e lavagem de dinheiro“, explicou.

LEIA TAMBÉM:

Polícia civil de Petrolina desarticula quadrilha de roubo de cargas e tráfico de drogas na manhã desta quarta-feira (23)

Articulação

De acordo com as investigações, o grupo utilizava uma empresa de fachada para comercializar drogas, lavar dinheiro e planejar roubo de cargas, tendo atuado na subtração de cargas em Juazeiro. O estabelecimento era gerido por Alysson Michel Sales Vieira e Euclides Ferreira Lima Neto, responsáveis por comprar as drogas e repassar a traficantes menores. A dupla ainda teria pago Kallyff Gil Passos de Brito para esconder uma carga roubada, avaliada em R$ 39 mil, em sua residência.

LEIA MAIS

Deputado Paulo Maluf é condenado por lavagem de dinheiro

(Foto: Internet)

Em decisão divulgada nesta terça-feira (23) a Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) condenou, por 4 votos a 1, o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) pelo crime de lavagem de dinheiro. Os ministros decidiram fixar a pena em 7 anos, 9 meses e 10 dias de prisão em regime fechado.

Durante o julgamento, os ministros decidiram que o regime fechado é incompatível com o exercício do mandato de deputado federal e, com isso, a Mesa da Câmara será notificada para que declare a perda da função.

A Câmara só será notificada da decisão após publicação no “Diário de Justiça Eletrônico”. O prazo para publicação é de 60 dias. Depois de publicada a decisão, a defesa ainda poderá entrar com recursos no Supremo para questionar determinados pontos da decisão. A Primeira Turma também declarou a perda dos bens objeto de lavagem de dinheiro.

Com informações do G1

Facape realiza palestra sobre lavagem de dinheiro nesta sexta-feira

(Foto: Internet)

O evento será aberto às 14h, no auditório central da Facape. (Foto: Internet)

Na próxima sexta-feira (7), a Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (Facape) e o Conselho Regional de Contabilidade de Pernambuco (CRC-PE) realizam uma palestra sobre a prevenção à lavagem de dinheiro. O evento, que faz parte do projeto ‘Rota Contábil’, do CRC-PE, será gratuito e aberto ao público

A iniciativa tem como proposta estreitar os laços com as delegacias regionais e contabilistas do interior do Estado, além de proporcionar novas oportunidades de conhecimento a profissionais, estudantes e professores de Ciências Contábeis.

O evento será aberto às 14h, no auditório central da Facape, pelo presidente do CRC-PE, José Gonçalves Campos Filho. Às 15h será a vez da palestra ‘Compliance e prevenção à lavagem de dinheiro de acordo com a resolução CFC 1445/2013’, com o contador Arnaldo Duarte.

As inscrições podem ser feitas no site do conselho. O investimento é um pacote de fralda geriátrica. Outras informações podem ser obtidas pelo e-mail educacao@crcpe.org.br

Segundo a Polícia Federal, a campanha de Eduardo Campos, em 2010, pode ter sido financiada por grupo criminoso

policia federal pf

A operação teve início com investigações sobre a compra do avião, logo após o acidente que matou Campos (Foto: Arquivo)

A Operação Turbulência, da Polícia Federal, tem investigado um grupo criminoso que pode ter sido o responsável por financiar a campanha de reeleição do então governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), em 2010. O avião em que Campos estava quando faleceu pode ter envolvimento com todo o esquema. “O esquema foi utilizado para pagar propina na campanha do governador”, afirmou a delegada federal Andrea Pinho, durante entrevista coletiva no Recife.

A operação teve início com investigações sobre a compra do avião, logo após o acidente que matou Campos e outras seis pessoas, mas chegou a um esquema apontado pela PF como responsável pela movimentação de até R$ 600 milhões. Esse montante seria alimentado por recursos de propinas e usado por firmas de fachada e sócios “laranjas” para fazer a lavagem de dinheiro.

A Polícia Federal investiga, agora, a relação entre essas empresas citadas na Turbulência e grupos já envolvidos na Lava Jato e em investigações que estão no Supremo Tribunal Federal (STF).

Nesta terça-feira (21) foram presos quatro empresários suspeitos de integrar e se beneficiar com a organização criminosa – João Carlos Lyra Pessoa de Mello Filho, Eduardo Freire Bezerra Leite, Arthur Roberto Lapa Rosal e Apolo Santana Vieira. Todos foram levados para a sede da PF, no Recife.

LEIA MAIS