Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Transportadoras e caminhoneiros alertam para risco de nova paralisação

(Foto: Internet)

Representantes dos caminhoneiros voltaram a defender, hoje (8), que a Petrobras reajuste o preço do óleo diesel com menos frequência. Segundo representantes da categoria que participaram da audiência pública realizada pela Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados, a oscilação dos preços tem inviabilizado a definição do valor do frete cobrado, prejudicando os caminhoneiros autônomos e as transportadoras.

“Não temos a capacidade técnica de suportar aumento de preços diários, quinzenais ou mesmo mensais”, disse o presidente da Confederação Nacional do Transportes (CNT), Vander Francisco Costa, ao apresentar a sugestão da entidade que representa as empresas de transporte de carga. “Nossa proposta é que as variações de preços que acompanham o mercado internacional sejam feitas com intervalo mínimo de 90 dias. A Petrobras tem condições de fazer isso sem alterar sua política de preços”, afirmou Costa, lembrando que a própria Petrobras, como contratante do transporte rodoviário, é prejudicada pela falta de previsibilidade que tende a prejudicar os caminhoneiros ou encarecer o frete.

LEIA MAIS

Deputado Tum busca solução pra fim da paralisação no Hospital Regional de Juazeiro

(Foto: ASCOM)

Diante da paralisação iniciada nessa quarta-feira (24) pelos médicos do Hospital Regional de Juazeiro, no norte da Bahia, o deputado estadual Tum (PSC) buscou, junto à Secretaria Estadual de Saúde (Sesab), informações sobre as reivindicações dos trabalhadores. Responsáveis por atender moradores de 55 municípios, os profissionais reclamam de atrasos salariais por parte da empresa que administra o equipamento, a Associação de Proteção à Maternidade e à Infância de Castro Alves (Apmica).

Em um encontro com o assessor especial da Secretaria Estadual de Saúde, Nadson Falcão, Tum foi informado que o Governo do Estado não possui débitos com a empresa gestora da unidade. “Por isso, está claro que o problema é administrativo da Associação, que deveria gerir de forma satisfatória a unidade, tanto do ponto de vista daqueles que trabalham, quanto daqueles que buscam atendimento”, afirmou o parlamentar.

Já na tarde de quarta-feira (24), o parlamentar usou a tribuna da Assembleia Legislativa da Bahia para esclarecer à sociedade o problema existente na unidade e afirmou que tratará do assunto diretamente com o secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, além de solicitar esclarecimentos à empresa.

Funcionamento

Segundo o sindicato da categoria, a equipe médica permanece no hospital atendendo aos pacientes já internados. Também serão mantidos os atendimentos de urgência e emergência, classificados com fichas amarelas e vermelhas.

Enquanto durar a paralisação, não serão recebidas demandas da Central de Regulação. Só serão aceitos pacientes que chegarem através da ambulância avançada do Samu.

Caminhoneiro sinalizam paralisação no dia 29 de abril

(Foto: Internet)

O reajuste no preço do diesel deixou os caminhoneiros descontentes e a categoria já estuda uma paralisação ainda em abril. Segundo o representante da categoria, Wanderlei Alves, mais conhecido como Dedéco, a manifestação da classe teria início na madrugada o dia 29.

A maioria dos grupos de caminhoneiros já decidiu pelo dia 29 de abril, tem uns ou outros que acham que é pouco tempo, que devemos esperar ainda, mas a maioria concorda sobre o dia 29 porque chegamos num ponto que não tem mais condições de trabalhar”, disse ao Broadcast Agro, do Estadão.

Em grupos de WhatsApp os caminhoneiros insatisfeitos com pacote de Jair Bolsonaro (PSL) já articularam uma greve. “Os caminhoneiros estão cientes de que, dentro de 14, 15 ou 16 dias vai ter outro aumento do diesel, e esse aumento de R$ 0,10/litro já afetou em R$ 1 mil o lucro mensal, e o frete continua o mesmo”, destacou Dedéco.

Na quarta-feira (17) a Petrobras elevou o preço do diesel em R$ 0,10/litro, o que implica uma variação mínima de 4,518% e máxima de 5,147%, nos seus 35 pontos de venda no Brasil. O aumento começou a vigorar na quinta, véspera de feriado. (Com informações do JC Online).

Caminhoneiros articulam nova paralisação para o dia 30 de março

(Foto: Internet)

Caminhoneiros de todo o país estão se articulando para realizar uma nova paralisação das atividades. A categoria alega que os principais compromissos assumidos pelo governo Michel Temer no ano passado, não estão sendo cumpridos.

O atual governo acompanha atentamente as primeiras movimentações da categoria. Monitoramentos estão sendo feitos pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que tem como missão, antecipar os fatos ao governo, na tentativa de evitar possíveis problemas.

As especulações apontam que a articulação teve início por meio de mensagens compartilhadas via WhatsApp, que já indicam uma nova paralisação a ser realizada no dia 30 deste mês. Um dos itens da pauta dos caminhoneiros é o preço do diesel. Eles querem que o governo estabeleça um mecanismo para tabelar o preço do combustível com base no preço do dólar, e que o reajuste seja feito apenas uma vez por mês.

Com informações da Rádio Jornal

Trabalhadores rurais de Petrolina ameaçam paralisar atividades

(Foto: Arquivo ANPr)

Em negociação com o sindicato patronal desde o mês passado os trabalhadores rurais de Petrolina podem paralisar suas atividades, caso não haja avanço no diálogo entre as partes. O corte em 50% dos direitos garantidos na convenção trabalhista proposto pelos patrões é a principal queixa dos empregados.

Até o momento, segundo o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Petrolina (STTAR), já foram realizadas oito rodadas de negociação sobre a convenção que engloba também a Bahia. “Estamos na mesa, queremos negociar. Infelizmente a classe patronal nos deixem preocupados. A gente não tem notícias, isso nos deixa cada vez mais apreensivo”, disse Lucilene Lima, a Leninha, presidente do STTAR.

Avanço

A ameaça de paralisar as atividades, iniciada nessa semana, o sindicato patronal demonstrou interesse em negociar. Segundo o STTAR, os patrões sinalizaram aceitar as demandas da convenção trabalhista e está pendente um posicionamento a respeito do salário 2019.

Hoje (15) o patronal fez uma proposta de reajustar o salário em R$ 1.041, ainda abaixo do proposto pelos trabalhadores rurais que é de R$ 1.076. Até o momento não há informações se o STTAR aceitará a sugestão.

Incra decide revogar decisão de paralisar a reforma agrária no País

(Foto: Ascom /SDR/ Fotos Públicas)

Após distribuir memorandos circulares que paralisava a reforma agrária no País por tempo indeterminado, o presidente substituto do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Francisco Nascimento, revogou a decisão divulgada ontem (8) pela Folha de S. Paulo. Segundo informou o órgão à Folha de S. Paulo, foram “sobrestados [paralisados] os processos de desapropriação, aquisição e outras formas”.

Francisco Nascimento explicou que houve “interpretação equivocada de parte das orientações” contidas nos memorandos distribuídos a todos os setores técnicos e superintendências do Incra no país no dia 3 de janeiro deste ano. No entanto, não informou qual seria o erro.

O diretor substituto informou também que os memorandos “foram elaborados e encaminhados por iniciativa própria das duas diretorias e sem anuência da presidência do Incra”.

LEIA MAIS

Merendeiras cobram pagamento de salários atrasados e faz manifestação no MPT

Grupo tem reunião marcada com promotora do Trabalho (Foto: Blog Waldiney Passos)

As merendeiras terceirizadas das escolas estaduais de Pernambuco estão com atividades paralisadas desde ontem (18) e na manhã dessa quarta-feira (19) um grupo de 20 profissionais se reuniu em frente ao Ministério Público do Trabalho (MPT) para cobrar o pagamento das remunerações em atraso.

O grupo tem uma reunião agendada para discutir algumas pautas e, antes de encontrarem a promotora, as merendeiras conversaram com a nossa equipe. Maria Pereira disse que até o momento o Governo de Pernambuco não sinalizou positivamente para a categoria.

“Todos os meses para a gente receber nosso pagamento a gente tem que fazer uma mobilização, ai eles ficam no jogo de empurra-empurra: o Governo diz que repassou para a empresa, a empresa diz que não recebeu e nós no meio. Nós cumprimos nossa obrigação de trabalho”, afirmou.

LEIA MAIS

Preocupados com o desabastecimento de combustíveis na cidade, motoristas fazem filas nos postos de Petrolina; governo afirma que se trata de boato

Tudo começou com uma postagem da rede de postos PetroMega nas redes sociais sobre uma possível paralisação dos caminhoneiros. A União dos Caminhoneiros do Brasil (UDC) disse em nota, que a paralisação deve ocorrer após o feriado de 7 de setembro. Algumas autoridades já se pronunciaram e afirmam que a notícia se trata de boato.

A publicação provocou apreensão e corrida a postos de combustíveis no estado de Pernambuco desde a noite deste sábado (01). Em Petrolina (PE), motoristas já estão fazendo filas nos postos de combustíveis. Segundo Gustavo Conserva, proprietário do posto Lorena III, que fica próximo a Honda Brasil Motos, o movimento no posto está grande e a fila só aumenta.

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Pernambuco (Sindicombustíveis-PE), Alfredo Pinheiro Ramos, diz que a população deve ficar tranquila porque não há desabastecimento nos postos e é remota a possibilidade de uma nova greve semelhante a que aconteceu em maio.

“Desacreditamos 99% que vá acontecer uma nova greve com aquela dimensão. Uma rede de postos colocou isso na internet e viralizou. Isso sem falar numa série de áudios requentados da antiga greve que estão circulando pelo whatsApp. Isso foi um absurdo, porque gerou tumulto e tirou a tranquilidade da população. É preciso penalizar quem publica esse tipo de nota”, observa Pinheiro Ramos.

Notificação

LEIA MAIS

União dos Caminhoneiros anuncia nova paralisação depois do feriado

(Foto: Luciney Araújo/ TV Gazeta)

Em nota divulgada pela UDC (União dos Caminhoneiros do Brasil), caminhoneiros da entidade afirmam que farão uma mobilização em todo o país após o feriado de 7 de Setembro e por tempo indeterminado.

A UDC acusa o governo de não ter cumprido o prometido em relação ao preço do diesel, que na última sexta-feira (31) teve reajuste de 13%. A lei que estabeleceu a nova política de frete prevê revisão dos pisos mínimos caso o combustível tenha oscilação superior a 10%, para acomodar o aumento de custos dos caminhoneiros.

LEIA MAIS

Servidores técnicos da UNEB paralisam atividades nesta quinta

Paralisação deve ser de 24h.

Nesta quinta-feira (16), os Servidores Técnicos da UNEB, após determinação do Fórum dos Técnicos das quatro Universidades do Estado da Bahia, devem paralisar suas atividades por 24h.

A paralisação tem o objetivo de chamar atenção do governador Rui Costa para a pauta de reivindicações da categoria, que já foi entregue por diversas vezes em mãos e é ignorada.

Segundo a categoria, há pelo menos quatro anos o Governo não concede o reajuste salarial aos servidores Técnicos das Universidades Baianas, provocando, com isso, uma grande defasagem nos salários.

“As perdas salarias da categoria já chegam a 80%. Apesar do governador querer que os servidores deem graças por ele pagar o salário no final do mês, pagar salário em dias ao trabalhador nunca será favor, é obrigação!”, diz nota da categoria sobre a paralisação.

Outras reivindicações dos servidores dizem respeito ao auxílio alimentação, que está abaixo do ideal, e ao adicional de insalubridade, que foi cortado sem explicações.

Eleições Aduneb

A coordenação do SINTEST/UNEB informou ainda que, em virtude do processo eleitoral da Aduneb coincidir com a paralisação/mobilização dos servidores técnicos administrativos, democraticamente o acesso aos eleitores docentes será liberado para exercerem seu direito ao voto.

LEIA MAIS

Trabalhadores dos Correios em Pernambuco aprovam estado de greve, Petrolina também pode paralisar atividades

(Foto: Arquivo)

Uma nova greve dos funcionários dos Correios pode acontecer em Pernambuco. Na noite da terça-feira (7) os trabalhadores decidiram manter o estado de greve. Uma nova reunião está marcada para o dia 14, próxima semana e terá em pauta a possibilidade de paralisação.

Funcionários de Caruaru, Petrolina e Recife aderiram à orientação passada pela Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect) e da Federação Interestadual dos Empregados da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (Findect).

A categoria se manifestou através de nota sobre as pautas e reivindicações, entre elas a posição contrária à privatização dos Correios e sucateamento das unidades em todo país.

Confira a íntegra da nota:

LEIA MAIS

Merendeiras do estado devem paralisar atividades em Petrolina

(Foto: Ilustração)

Uma nova paralisação de merendeiras, porteiros e auxiliares de serviços gerais terceirizados pelo Governo de Pernambuco está prevista para acontecer nessa semana em Petrolina. A informação foi confirmada pelo presidente do sindicato, João Soares.

Em conversa com o Blog Waldiney Passos ele disse que uma assembleia já foi convocada e deve acontecer nesta quarta-feira (18), para definir o rumo das manifestações desses profissionais. Segundo uma merendeira, além dos salários atrasados, os funcionários estão sem vale-transporte e vale-alimentação.

De acordo com João Soares, três empresas que prestam serviço ao estado estão em débito com os direitos trabalhistas dos funcionários e até o momento nenhuma promessa foi cumprida.

Somente neste ano a classe realizou duas paralisações, uma em março e a outra em junho. Nossa equipe entrou em contato com o Governo de Pernambuco para saber se há uma previsão para o pagamento dos salários em atraso. Estamos aguardando um retorno.

Greve dos caminhoneiros continua e ganha adesão de outras categorias

(Foto: reprodução/TV TEM)

A greve dos caminhoneiros chega ao oitavo dia e ganha adesão de outras categorias. Vans escolares, petroleiros e policiais rodoviários declararam apoio ao movimento e param em alguns estados. Neste momento ocorre a interdição parcial ou total de vias em 20 estados e no Distrito Federal.

Oito aeroportos estão sem combustível para operar normalmente. Mesmo com a proposta do governo em baixar R$ 0,46 no diesel por 60 dias, conceder desconto no pedágio e reservar fretes da Conab para autônomos, os protestos continuam. Em oito estados a saída de refinarias estão fechadas por manifestantes. Populares também apoiam os atos em vários estados.

Manifestações de cidadãos estão marcadas em todas as capitais. No DF e no Rio as escolas estão sem aulas ou operam com restrições. Serviços públicos e o abastecimento de combustível e alimentos seguem reduzidos em todo o país. Duas entidades de caminhoneiros informaram que aceitam o acordo com o governo, entre elas a Associação Brasileira de Caminhoneiros (Abcam), que representa 600 mil profissionais. Mas elas pedem tempo para se comunicar com a categoria e dizem que o número de pontos de retenção devem reduzir até o meio dia.

Compesa trabalha para manter serviços, apesar da greve dos caminhoneiros

(Foto: Ilustração)

A Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) informou aos seus clientes que está envidando todos os esforços para manter o abastecimento de água no Estado, apesar da greve dos caminhoneiros.

Segundo a companhia, apesar das dificuldades, está sendo possível garantir a prestação dos serviços aos seus quase sete milhões de clientes, graças ao planejamento realizado  pela empresa desde o início do movimento, em articulação com seus principais fornecedores.

A estratégia adotada foi estocar os produtos químicos em maior quantidade nas unidades de tratamento de água. Entretanto, a Compesa está preocupada  com a duração da greve, uma vez que os caminhões carregados com mais produtos químicos não estão conseguindo chegar ao seu destino. Medidas judiciais devem ser adotadas caso a greve não seja encerrada até esta sexta-feira (26).

A empresa esclarece ainda que os serviços de manutenção nas redes de abastecimento de água (vazamentos de água e extravasamento de esgoto) começam a ser afetados pela  escassez de combustíveis e,  como consequência, as  equipes não estão conseguindo  executar  todos os trabalhos no ritmo habitual.

Desta forma, a Compesa está priorizando a execução dos serviços de grande porte, como as emergenciais em adutoras,  assim como  os serviços de  campo e as manobras (controle do abastecimento nos bairros). Os serviços de realização de novas ligações, restabelecimentos de ramais, fiscalizações comerciais, dentre outros, estão suspensos temporariamente.

Por isso, a companhia pede  a população uma maior atenção ao uso racional da água até a  finalização do movimento paredista.

Caminhoneiros fazem críticas a sindicatos e afirmam que paralisação continua

(Foto: Internet)

Após a divulgação do acordo entre o governo e oito entidades de caminhoneiros, a categoria de autônomos parados nas rodovias disseram que não acabarão com a paralisação. “Os supostos sindicatos que estão negociando não representam os caminhoneiros que estão na rua”, disse um motorista ao jornal Folha de São Paulo.

Os caminhoneiros pretendem manter a paralisação pois o acordo não atinge as suas principais reivindicações. “São 14 itens que a gente nem conhece. O principal é a redução do diesel, mas não essa esmola temporária de 15 centavos.”

“Nenhum caminhoneiro vai aceitar esse acordo. O Brasil vende diesel para a Bolívia a R$ 1,80 e a gasolina a R$ 2,50. Por que não pode vender aqui também?”, questionou outro caminhoneiro.

123