Respirador mecânico 37 vezes mais barato fabricado pela Universidade Federal da Paraíba tem licença para produção

Um respirador pulmonar criado em 48 horas pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) teve a licença liberada para produção por empresas. O valor de custo dele é de R$ 400, ou seja, 37 vezes mais barato do que o disponível no mercado.

As empresas precisam ter autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para produzir o aparelho, que precisará passar por testes pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). Mas as tramitações burocráticas e os testes poderão ser acelerados devido à urgência, com o aumento de casos de Covid-19 no país.

LEIA MAIS

Cientistas brasileiros testam medicamento que reduz carga viral do coronavírus em 94%

Pesquisadores do CNPEM (Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais) descobriram em testes laboratoriais que um medicamento reduz em até 94% a carga viral do novo coronavírus. O anúncio foi feito pelo ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, nesta quarta-feira (15).

Os pesquisadores analisaram mais de 2 mil medicamentos e selecionaram seis que tiveram potencial de reduzir a reprodução do vírus. Esses fármacos foram submetidos a testes com células infectadas por coronavírus em testes de laboratório. Segundo os cientistas, um deles reduziu a carga viral em 94%.

LEIA MAIS

Consórcio Nordeste cria Comitê Científico para enfrentamento ao covid-19

Consórcio une forças para combater coronavírus (Foto: Heudes Regis/SEI)

Os governadores do Nordeste que integram o Consórcio local, anunciaram na segunda-feira (30) a criação do Comitê Científico. O objetivo é auxiliar os gestores na tomada de decisão no enfrentamento ao novo coronavírus. A primeira reunião do Comitê está marcado para hoje (31).

“É uma guerra. Precisamos de apoio científico para vencê-la”, afirmou o governador Rui Costa (PT), presidente do Consórcio. Entre os convidados a integrar o Comitê Científico do Consórcio Nordeste estão (31) o cientista Miguel Nicolelis e o físico e ex-ministro de Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende.

A comissão fará reuniões periódicas com autoridades científicas brasileiras e de outros países, a exemplo da Itália, da Alemanha e da China, países afetados pelo covid-19. Outra função do Comitê é a emissão de boletins com todos os números da região relativos à doença e divulgará orientações baseadas nas pesquisas realizadas pelo grupo.

Embrapa desenvolve sensor que avalia grau de maturação de frutas

(Foto: Divulgação/Embrapa)

Pesquisadores da Embrapa Instrumentação desenvolveram um sensor de baixo custo para monitorar o grau de maturação de frutas. O dispositivo é chamado de Yva (fruta, em tupi guarani) e será apresentado publicamente, pela primeira vez, na Anufood Brazil, feira internacional do setor de alimentos e bebidas. O evento será realizado a partir da próxima segunda-feira (9), em São Paulo.

Utilizando recursos de nanotecnologia e inteligência artificial, o Yva detecta a liberação do gás etileno, hormônio responsável pelo amadurecimento de frutos climatéricos, como são denominados aqueles que amadurecem após a colheita. O sensor é classificado de colorimétrico, pois realiza a aferição com base em cores, que variam do roxo para o marrom. Cada uma das tonalidades corresponde a um estágio de maturação do fruto.

Para avaliar a efetividade do Yva, os pesquisadores fizeram testes com manga, mamão e banana, mas afirmam que a tecnologia pode ser aplicada a outros frutos climatéricos, como pêssego, caqui, ameixa e maracujá, também muito presentes na mesa do brasileiro.

LEIA MAIS

Coronavírus: cientistas britânicos começam a testar vacina em ratos

(Foto: Divulgação/ Josué Damasceno/ IOC/Fiocruz)

Uma equipe de pesquisadores britânicos anunciou hoje (11) que está testando em ratos uma vacina contra o novo coronavírus e espera concluir a experiência até o fim do ano.

“Acabamos de injetar em ratos a vacina que criamos a partir de bactérias e esperamos, nas próximas semanas, determinar a reação nos ratos, no seu sangue, a sua resposta em termos de anticorpos contra o coronavírus”, disse um dos pesquisadores à agência France-Presse (AFP).

A equipe do Imperial College, em Londres, acredita estar entre as primeiras a avançar com ensaios clínicos em animais, no momento em que a comunidade científica está empenhada em encontrar uma vacina eficaz, já que as atuais não protegem contra o novo coronavírus.

O desenvolvimento de uma nova vacina é um processo demorado, que pode se prolongar por vários anos até que se prove que ela é segura e eficaz. Em declarações à AFP, Paul McKay afirmou que sua equipe espera ser a primeira a fazer ensaios clínicos em humanos e a disponibilizar a vacina contra a nova epidemia. As pesquisas partiram do trabalho desenvolvido para o coronavírus da Síndrome Respiratória Aguda (SARS, na sigla em iglês).

LEIA MAIS

Domingo é dia de Superlua; saiba os detalhes do fenômeno astronômico

(Foto: ABR)

A Lua será a grande estrela no céu neste domingo (9). Nosso único satélite natural estará em seu ponto mais próximo da Terra e em sua fase mais luminosa: a da Lua cheia. A essa coincidência, os astrônomos dão o nome de Superlua.

A distância média entre a Lua e a Terra é de cerca de 384 mil quilômetros (km). No entanto, por se tratar de uma órbita oval, essa distância pode variar de 400 mil km, quando mais distante, até cerca de 360 mil km, nos períodos de maior proximidade.

“A Superlua é um evento decorrente da coincidência de dois fatos astronômicos. O primeiro é que a Lua não gira em torno da Terra em formato de circunferência, mas em uma órbita um pouquinho achatada. Então, ela tem de estar no ponto mais próximo da Terra, que chamamos de perigeu e, ao mesmo tempo, na fase cheia”, explica o coordenador do projeto Astro&Física do Instituto Federal de Santa Catarina e doutor em física pela Universidade Federal de Santa Catarina, professor Marcelo Schappo.

LEIA MAIS

Ômega-3 reduz morte de neurônios pelo vírus Zika, diz pesquisa da Universidade de Brasília

(Foto: Ilustração)

Testes clínicos realizados no Laboratório de Imunologia e Inflamação (Limi) da Universidade de Brasília (UnB) indicam que o ômega-3 – um ácido graxo normalmente encontrado em peixes que reduz o colesterol ruim no organismo – combate a inflamação dos neurônios causada pelo vírus Zika. A substância também auxilia na redução da carga viral nas células do sistema nervoso humano.

O vírus Zika acarreta em complicações neurológicas, como encefalites, síndrome de Guillain Barré e microcefalia. Com a infecção do vírus Zika, as mitocôndrias das células nervosas, que capturam energia e funcionam como uma espécie de “pulmão celular”, são atacadas e sofrem estresse oxidante. O desfecho é a morte dos neurônios.

“Quando o Zika infecta um neurônio, ele faz com que esse neurônio produza série de moléculas inflamatórias, citotóxicas e radicais livres que vão causar dano ao DNA”, descreve a coordenadora do Limi/UnB e professora do Depastamento de Biologia Celular, Kelly Magalhães.

LEIA MAIS

Bagaço de cana pode substituir petróleo na fabricação de plásticos, aponta pesquisa da USP

(Foto: A Tarde/Reprodução)

A Universidade de São Paulo (USP) desenvolveu um composto derivado do bagaço de cana que pode substituir o petróleo na fabricação de plásticos. A pesquisa é do professor do Instituto de Química de São Carlos Antonio Burtoloso. “A gente construiu uma molécula interessante, que é um poliol, que são muito utilizados para fazer alguns tipos de plásticos”, explicou o pesquisador.

A substância é, segundo Burtoloso, semelhante a usada para elaborar plásticos como os usados em painel de carro ou alguns tipos de espuma dura. Para testar as possibilidades de uso prático, no entanto, o pesquisador está buscando parcerias com a indústria. “É um trabalho que está bem no início, eu estou tentando firmar parcerias para a construção desse tipo de material”, disse.

O trabalho busca alternativas ao petróleo na fabricação desse tipo de material. “Ao invés da gente construir moléculas de fontes de carbono, que não são renováveis, como é o caso hoje em dia, em que quase 100% vem do petróleo, o que agente fez foi usar outra fonte de carbono, que é a biomassa”, resume sobre os objetivos da pesquisa. Os resultados foram publicados na revista científica britânica Green Chemistry.

LEIA MAIS

Brasil recebe primeiro mestrado em estudos clínicos sobre diabetes

(Foto: Ilustração)

Este ano, será implementado no Brasil, o primeiro mestrado voltado para estudos clínicos relacionados ao diabetes. O campus de estudo será no Hospital Universitário João de Barros Barreto, pertencente à Universidade Federal do Pará (UFPA), em Belém (PA). A estrutura da unidade ficará disponível para o exercício de práticas ambulatoriais para os novos pós-graduados. As inscrições iniciaram nessa quinta-feira (2) e seguem até o dia 5 de fevereiro.

Ao todo, serão 20 vagas para profissionais da área da saúde, quatro dessas estão reservadas para o Programa de Apoio à Qualificação dos Servidores Docentes e Técnico-Administrativos da Universidade Federal do Pará (PADT-UFPA).

LEIA MAIS

Embrapa pretende vender terras ociosas para reinvestir em pesquisa

(Foto: Internet)

Com 106 mil hectares em terras pelo país, muitas ociosas, em 2020, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária pretende vender parte desse patrimônio, com a condição de que a verba aferida seja reinvestida em pesquisa.

Em entrevista à Agência Brasil, o presidente da empresa e pesquisador, Luiz Celso Moretti, disse que ainda não há um levantamento de quantos hectares podem ser colocados à venda. À época da fundação da empresa, a avaliação é de que as terras eram necessárias, mas hoje, com a tecnologia, muitos experimentos são feitos no computador. Certo, por enquanto, segundo ele, é que a Embrapa quer apenas o necessário para “continuar conduzindo com eficiência” os programas de pesquisa que desenvolve.

LEIA MAIS

2ª Batalha de Robôs do Vale do São Francisco acontece neste sábado em Petrolina

(Foto: Divulgação)

Promovida pelo colegiado das Engenharias da Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC) de Petrolina, a 2ª Batalha de Robôs do Vale do São Francisco deve agitar a região neste fim de semana. O evento é aberto ao público e acontecerá neste sábado (7), a partir das 8h, no estacionamento lateral da FTC Petrolina.

A novidade desta edição do evento, que foi pioneiro na região, é a batalha de drones. Na disputa, são esperados 6 robôs e 2 drones construídos por alunos dos cursos de Engenharia Civil e Elétrica. Os robôs foram construídos com base em batalhas internacionais, onde foram levadas em consideração dimensões e as tecnologias usadas. Segundo o professor e idealizador do projeto, Fabrízio Porfírio, os alunos participantes são do segundo ao quinto período e, para esta edição, eles produziram e melhoraram os robôs da edição passada com tecnologias mais apuradas.

LEIA MAIS

Alunos do SESI Petrolina serão premiados em Olimpíada Nacional de Ciências

Lucca Gonçalves de Aguiar Gomes, Maria Bianca Vitória Coelho e João Macedo Alencar. (Foto: Divulgação)

Lucca Gonçalves de Aguiar Gomes, Maria Bianca Vitória Coelho e João Macedo Alencar, alunos da 2ª e 3ª série do Ensino Médio do Serviço Social da Indústria – SESI em Petrolina (PE), serão premiados na Olimpíada Nacional de Ciências. A solenidade acontecerá no próximo dia 28 de novembro, no anfiteatro Camargo Guarnieri da Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo capital.

A Olimpíada Científica, que este ano foi desenvolvida nas áreas de física, química e biologia, proporcionou ao SESI-PE três premiações: Maria Bianca Vitória Coelho e João Macedo Alencar com menções honrosas e Lucca Gonçalves de Aguiar Gomes com a medalha de bronze.

LEIA MAIS

Paulo Câmara anuncia edital de R$ 2,5 milhões para pesquisas sobre toxidade do óleo encontrado no litoral pernambucano

(Foto: Américo Santos/SEI)

Na manhã desta quarta-feira (23), no Palácio do Campo das Princesas, o Governo de Pernambuco lançou um edital para estímulo a pesquisas sobre os efeitos das manchas de óleo encontradas no litoral do Estado, estudos oceanográficos e as consequências aos ecossistemas atingidos e à saúde da população. A iniciativa, que contará com um aporte de recursos de R$ 2,5 milhões, foi anunciada pelo secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação, Aluísio Lessa, logo após a reunião do governador Paulo Câmara e da vice-governadora Luciana Santos com pesquisadores e cientistas.

“O governador resolveu lançar um edital, através da Facepe (Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco), para contratar 12 projetos, em várias áreas, como na de Oceanografia, por exemplo, para medir a qualidade da água e saber se está apta para mergulho. Temos ainda a questão dos pescados. Isso tudo é para curto, médio e longo prazos”, explicou Lessa.

Ainda segundo o secretário, em curto prazo deve-se primeiro tratar o que está acontecendo nas praias, avaliando a chegada do volume de óleo. “Não sabemos ainda a característica desse derivado, o grau de toxidade dele, e esse edital vem também com esse objetivo, de identificar se ele vai comprometer a saúde das pessoas que tiveram contato direto”, argumentou.

LEIA MAIS

Sesc Petrolina realiza Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

(Foto: Internet)

O Sesc Petrolina, em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e Comunicações, vai realizar até 25 de outubro a 16ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT). Com o tema “Bioeconomia: Diversidade e Riqueza para o desenvolvimento sustentável”, a iniciativa é gratuita e vai acontecer no Sesc, das 8h às 12h e das 14h às 18h.

De acordo com a coordenação do evento, a proposta da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia é a popularização das ciências nas escolas e comunidades da região. Para isso, a programação conta com palestras e oficinas ministradas por especialistas de instituições parceiras. A ideia é criar uma linguagem acessível à população, por meios inovadores que estimulem a curiosidade e motivem a população a discutir as implicações sociais da Ciência, além de aprofundarem seus conhecimentos sobre o tema.

Amanhã (23), as atividades vão começar às 8h30, com a palestra “Papel da análise estatística na bioeconomia”, no Sesc. A programação conta ainda com oficina de compostagem, de botânica, reciclagem e agrofloresta. A iniciativa conta com o apoio da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), Universidade de Pernambuco (UPE), Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Embrapa, Instituto Federal, Agência Municipal de Meio Ambiente, Eliana Sicsu, Caatinga Ativa e Projeto Escola Verde.

Especialistas e deputados defendem instalação de usina nuclear em Itacuruba

A proposta de instalação de uma usina nuclear em Itacuruba, no Sertão de Itaparica, foi debatida pela Comissão de Ciência e Tecnologia da Alepe, em reunião extraordinária na manhã desta segunda (7). Especialistas da área defenderam a instalação do empreendimento, ressaltando o desenvolvimento que o projeto pode levar à região.

A ideia de construir uma usina nuclear em Itacuruba começou a ser discutida em 2011, a partir de estudos promovidos por um programa de expansão da energia nuclear brasileira. A cidade foi escolhida pela Eletronuclear como a melhor opção para a instalação das primeiras usinas do tipo na Região Nordeste.

Como o aumento da população e a diminuição das chuvas, a matriz elétrica brasileira, que é 65% hidráulica, tem sofrido sérios comprometimentos. A afirmação foi feita pelo diretor de Operações da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), João Henrique de Araújo Neto. “O Nordeste tem vocação para ser uma região exportadora de energia elétrica, mas, para isso, é necessário planejamento e uma matriz energética diversificada e segura, que possa atender o consumidor a qualquer momento”, informou.

LEIA MAIS
123