Bolsonaro diz que “não vai correr” para liberar vacina

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nessa quinta-feira (22) que não há pressão da ala militar do governo para que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, vá para a reserva. O general da ativa foi alvo de críticas após anunciar a compra de 46 milhões de doses da vacina chinesa, contrariando o discurso de Bolsonaro, que depois mandou cancelar o protocolo.

Na live desta quinta, Bolsonaro justificou que a vacina ainda não foi reconhecida pelo Ministério da Saúde e nem certificada pela Anvisa.  “Queriam que comprasse 100 milhões de doses da vacina da China e a vacina não está pronta ainda“.

LEIA MAIS

Bolsonaro diz que governo federal não comprará vacina CoronaVac

(Foto: Carolina Antunes/PR)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou ontem (21) que o governo federal não comprará a vacina CoronaVac, que está sendo desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. De acordo com ele, antes de ser disponibilizada para a população, a vacina deverá ser “comprovada cientificamente” pelo Ministério da Saúde e certificada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“O povo brasileiro não será cobaia de ninguém. Não se justifica um bilionário aporte financeiro num medicamento que sequer ultrapassou sua fase de testagem”, escreveu Bolsonaro em publicação nas redes sociais.

Ontem (21), após reunião virtual com governadores, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, assinou um protocolo de intenções para adquirir 46 milhões de doses da CoronaVac, com o objetivo de ampliar a oferta de vacinação para os brasileiros. O ministério já tinha acordo com a AstraZeneca/Oxford, que previa 100 milhões de doses da vacina, e outro acordo com a iniciativa Covax, da Organização Mundial da Saúde, com mais 40 milhões de doses.

LEIA MAIS

Lei que altera Código de Trânsito é sancionada por Bolsonaro

(Foto: Ilustração)

O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta terça-feira (13), durante uma live transmitida nas redes sociais, o Projeto de Lei 3267/19, que altera o Código de Trânsito Brasileiro. O texto foi uma iniciativa do próprio governo federal, apresentada no ano passado, e foi aprovado pelo Congresso Nacional no último dia 22 de setembro.

A principal mudança é o aumento na validade da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) para dez anos para condutores com menos de 50 anos de idade. A nova lei também torna todas as multas leves e médias puníveis apenas com advertência, caso o condutor não seja reincidente na mesma infração nos últimos 12 meses. O projeto cria o Registro Nacional Positivo de Condutores (RNPC), uma espécie de listagem de bons condutores.

LEIA MAIS

Ao lado de Bolsonaro, Fernando Bezerra diz que presidente tem “compromisso com os mais pobres”

Fernando e Bolsonaro em inauguração.

Líder do governo federal no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDBPE) foi o anfitrião do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em sua passagem por Pernambuco, nesta quinta-feira (1º). Durante a inauguração da segunda etapa da Adutora do Pajeú, em São José do Egito, Fernando disse haver um compromisso do governo com a população mais vulnerável e citou investimentos federais em obras hídricas no Nordeste.

Esse estado tem 60% do seu território na área da seca, onde moram mais de 3,5 milhões de pessoas. E a maior angústia dessas famílias é o acesso à água. E, hoje, essa sua visita a Pernambuco resgata o compromisso de olhar para os mais pobres, de olhar para os mais carentes, para os que precisam mais”, disse.

LEIA MAIS

Gestão Bolsonaro tem aprovação de 40% e reprovação de 29%, mostra pesquisa Ibope

(Foto: Marcos Corrêa/PR)

A aprovação (ótimo/bom) do governo Jair Bolsonaro (sem partido) subiu para 40%, de acordo com a pesquisa do Ibope divulgada nesta quinta-feira (24). Em dezembro, aprovação era de 29%. A confiança no presidente e aprovação ao seu modelo de governar também subiram.

Segundo a pesquisa, 29% dos brasileiros consideram a gestão de Bolsonaro ruim ou péssima e 29% consideram regular. O índice de confiança no presidente Bolsonaro também subiu, de 41% para 46%.

A pesquisa, encomendada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria), foi realizada entre 17 e 20 de setembro, com 2.000 pessoas em 127 municípios.

Pesquisa divulgada em dezembro do ano passado apontava que a aprovação de Bolsonaro era de 29%, segundo pesquisa Ibope. Este era o percentual de entrevistados que consideravam o governo como ótimo/bom, mantendo a avaliação estável e na margem de erro, oscilando dois pontos percentuais para baixo em relação à pesquisa anterior, realizada em setembro.

Já 38% o viam como ruim/péssimo, oscilando no limite da margem de erro, pois na pesquisa anterior o índice era de 34%. O governo foi avaliado como regular por 31%.

A pesquisa foi realizada entre os dias 5 e 8 de dezembro de 2019 e ouviu 2.000 pessoas em 127 municípios e foi encomendada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria). A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Avião de Bolsonaro arremete em MT por causa da fumaça de queimadas

(Foto: Só Notícias/Cleber Romero)

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira (18) que o avião em que ele estava teve de arremeter ao chegar a Sinop, em Mato Grosso, pois a visibilidade “não estava muito boa”. O Pantanal enfrenta uma onda recorde de incêndios, e a fumaça das queimadas já chegou a outras regiões do país.

Hoje quando o avião foi aterrissar, ele arremeteu. Foi a 2ª vez na minha vida que acontece isso, uma vez foi no Rio de Janeiro, e, obviamente, algo anormal está acontecendo, no caso é que a visibilidade não estava muito boa“, disse o presidente.

LEIA MAIS

Pesquisa aponta Bolsonaro reeleito em 2022 em qualquer cenário

Bolsonaro em visita ao Piauí. (Foto: Reprodução/WhatsApp)

Se as eleições presidenciais fossem hoje, o presidente Jair Bolsonaro estaria reeleito. É o que mostra uma pesquisa Exame/IDEIA, projeto que une Exame Research, braço de análise de investimentos da EXAME, e o IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública.

Em um cenário de disputa de primeiro turno entre Bolsonaro, o ex-presidente Lula, o ex-ministro Sérgio Moro e outros candidatos, o presidente levaria a maioria dos votos (31%), seguido pelo ex-presidente Lula (17%). Moro teria 13%.

Já num segundo turno, Bolsonaro ganharia de Lula, com 42% dos votos, ante 31% do oponente petista. Chama a atenção o péssimo desempenho do governador João Doria, com apenas 3% das intenções de voto, abaixo até de Luciano Huck e do ex-ministro Mandetta.

Senado aumenta prazo para renovação da carteira para 10 anos

(Foto: Internet)

Foi aprovada no Senado Federal nessa quinta-feira (03), por 46 votos a 21, o projeto que aumenta o prazo para renovação da carteira de motorista de cinco para dez anos. Agora, o texto retorna à Câmara dos Deputados para apreciação dos parlamentares, já que houve mudanças.

O governo queria que o prazo alargado valesse para condutores de até 65 anos. Entretanto, os deputados resolveram fazer escalonamento diferente. Serão 10 anos para a renovação da carteira para os condutores de até 50 anos, cinco anos para quem tem entre 50 anos e 70 anos, e três anos para quem tiver mais de 70 anos.

LEIA MAIS

Bolsonaro pede que governadores e prefeitos liberem o comércio

Presidente é a favor da abertura do comércio nas cidades.

Nessa quinta-feira (03), o presidente Jair Bolsonaro pediu a governadores e prefeitos que liberassem o comércio definitivamente com as devidas responsabilidades.

O esforço foi feito, agora a gente apela aos governadores, já que não tenho autoridade para tal, o Supremo Tribunal Federal me tirou essa possibilidade nessa área, espero que governadores e prefeitos, obviamente com as suas devidas responsabilidades, abram em definitivo o comércio“, disse Bolsonaro.

LEIA MAIS

Bolsonaro vai à Justiça contra Globo após ser criticado no ‘JN’

O presidente Jair Bolsonaro decidiu levar emissora à justiça em busca de direito de resposta.

De acordo com o site “O Antagonista“, a Presidência da República entrou com uma ação na Justiça Federal do Rio solicitando direito de resposta no ‘Jornal Nacional’. Jair Bolsonaro quer rebater críticas feitas por William Bonner e Renata Vasconcellos à gestão da pandemia de covid-19 no Brasil.

No dia 08 deste mês, a pauta que dominou o principal telejornal da Globo foi a chegada à marca de 100 mil brasileiros mortos pelo novo coronavírus. O jornal responsabilizou o chefe do Executivo pela situação caótica no País e o apontou como má influência à população.

LEIA MAIS

Segundo Bolsonaro, prorrogação do auxílio emergencial deve ter valor entre R$ 200 e R$ 600

Bolsonaro em visita ao Piauí. (Foto: Reprodução/WhatsApp)

O presidente da República, Jair Bolsonaro, voltou a dizer, nesta sexta-feira (28), que o auxílio emergencial deve ser um benefício provisório. Segundo ele, o valor das parcelas de R$ 600 a informais pode ser “pouco para quem recebe”, mas “é melhor do que nada”.

“Isso não é aposentadoria, é uma ajuda emergencial. Eu sei que é pouco para quem recebe, mas ajuda, é melhor do que nada”, disse o presidente na saída do Palácio da Alvorada. O presidente vem dizendo que a quantia deve ficar entre os R$ 200 sugeridos pela equipe econômica e os atuais R$ 600.

LEIA MAIS

Bolsonaro anuncia que não vai atuar nas eleições municipais

O presidente Jair Bolsonaro avisou decisão através das redes sociais.

O presidente Jair Bolsonaro informou hoje (28) que decidiu não atuar no primeiro turno nas eleições para prefeitos, que serão realizadas em novembro, em todo o Brasil. “Tenho muito trabalho na Presidência e, tal atividade tomaria todo meu tempo num momento de pandemia e retomada da nossa economia”, escreveu em publicação nas redes sociais.

De acordo com Bolsonaro, entretanto, ele continua trabalhando para a homologação do partido Aliança pelo Brasil, criado em novembro do ano passado, após o presidente deixar o PSL, partido pelo qual se elegeu. Para a legenda ser homologada é necessária a coleta de cerca de 500 mil assinaturas em pelo menos nove estados. As rubricas precisam ser validadas, uma a uma, pelo Tribunal Superior Eleitoral.

LEIA MAIS

Novo programa habitacional do governo federal focará em regularização fundiária

(Foto: Ubirajara Machado/MDS)

O governo federal lança hoje (25) o programa habitacional Casa Verde e Amarela, que vai reformular o Minha Casa Minha Vida. Os focos iniciais serão a regularização fundiária, melhoria habitacional e redução da taxa de juro para a menor da história, para ampliar o acesso à moradia digna.

De acordo com o governo, o programa vai garantir que 1 milhão de famílias que estavam fora do sistema de financiamento habitacional possam ter acesso ao crédito.

LEIA MAIS

Câmara reverte votação do Senado e mantém veto a reajuste de servidores

Por 316 votos a 165, a Câmara dos Deputados manteve, na noite desta quinta-feira (20/08), o veto do presidente Jair Bolsonaro ao trecho da Lei Complementar nº 173/2020 que livra servidores da educação e da segurança pública da proibição de reajuste salarial para 2021. A decisão foi um alívio para o governo, após o Senado derrubar o veto na quarta-feira com votos, inclusive, de parlamentares aliados. Com o resultado da votação na Câmara, a lei complementar que trata do pacote de ajuda de R$ 125 bilhões a estados e municípios na pandemia permanece com a redação que foi sancionada por Bolsonaro.

A decisão da Câmara é fundamental para a meta da equipe econômica do governo de economizar R$ 130 bilhões dos cofres públicos durante o período de congelamento de salários. A proibição de reajuste de servidores foi uma condicionante para a formalização do socorro federal a estados e municípios.

LEIA MAIS

Segundo pesquisa, aprovação de Bolsonaro vai a 52% e rejeição cai 5 pontos

(Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)

A aprovação do presidente Jair Bolsonaro saltou 7 pontos percentuais nos últimos 15 dias, passando de 45% para 52%, segundo informações divulgadas nesta terça-feira (19), pela pesquisa PoderData. Trata-se do maior patamar de aprovação do governo neste ano.

Por outro lado, a rejeição à administração de Bolsonaro caiu mais 5 pontos, para 40%. Em junho, a gestão do presidente era rejeitada por 50% da população. De acordo com o levantamento, 8% não souberam ou não quiseram responder ao questionamento.

LEIA MAIS
123