Corte de energia de famílias de baixa renda está suspenso até junho, informa Aneel

(Foto: Reprodução/Internet)

O corte no fornecimento de energia elétrica por falta de pagamento está suspenso em todo país até 30 de junho, mas apenas às famílias de baixa renda. A determinação é da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e contempla os consumidores inscritos no programa de Tarifa Social.

Cerca de 60 milhões de pessoas devem se beneficiar com essa medida, anunciada pela Aneel na sexta-feira (26). Ainda segundo a Agência, a suspensão abrange consumidores que necessitam de energia para manter em funcionamento equipamentos essenciais à vida e os que não estejam recebendo a fatura impressa.

O agravamento da pandemia e a consequente limitação de atividades pesou na decisão da Agência Nacional. Famílias que vivem em regiões onde não há postos de arrecadação, como lotéricas e instituições financeiras, em funcionamento, por causa de medidas restritivas de isolamento social também serão contempladas com a decisão.

Contas de luz devem subir 13% em 2021, maior aumento em 3 anos

(Foto: ilustração)

O aumento médio nas contas de luz em 2021 deve ser o maior desde 2018, de acordo com o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone. Atualmente, informou ele, a estimativa da agência é que o aumento médio fique em 13% em 2021. Segundo o G1, esse percentual cairia para 8% com a devolução aos consumidores de uma parte dos R$ 50 bilhões em impostos cobrados a mais nas contas de luz nos últimos anos.

Mesmo assim, o aumento de 8% continuaria sendo o maior desde 2018, quando a alta média das tarifas foi de 15%. No sábado (20), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que vai “meter o dedo na energia elétrica”. Segundo ele, isso é “outro problema” do país.

Ele deu a declaração um dia depois de anunciar a troca do presidente da Petrobras, em meio a pressões geradas por seguidos aumentos no preço dos combustíveis. Esse forte reajuste nas contas de luz viria num momento em que o país ainda sofre com os reflexos da pandemia da Covid-19 na economia. Por isso, segundo informou Pepitone em entrevista ao G1, já estão sendo feitos estudos de medidas adicionais para aliviar a pressão sobre as tarifas de energia.

Bandeira tarifária na conta de luz continuará amarela, anuncia Aneel

(Foto: Ilustração)

Janeiro termina com uma boa notícia ao consumidor: a conta de energia no próximo mês manterá a bandeira amarela, informou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Assim sendo, o preço da energia fica em R$ 1,34 para cada 100 quilowatts consumidos por hora.

“A combinação de reservatórios baixos com a perspectiva de chuvas abaixo da média histórica sinaliza patamar desfavorável de produção de energia pelas hidrelétricas, pressionando os custos relacionados ao risco hidrológico (GSF)”, informou a Aneel.

Fevereiro é tipicamente um mês mais chuvoso, porém de acordo com a Aneel, os reservatórios ainda estão em recuperação, por isso justifica-se a contenção. Por fim, pelo sistema tarifário, as bandeiras podem ser verde (sem taxa extra), amarela (taxa extra de R$ 1,34 por 100 Kw/h) e vermelha (R$ 6,2 por 100 Kw/h).

Boa notícia: conta de energia em janeiro terá bandeira amarela

(Foto: Arquivo)

A conta de energia nesse mês de janeiro estará mais barata, isso porque a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) adotou a bandeira amarela como referência no primeiro mês de 2021. Dessa forma, o preço da tarifa será de R$ 1,34 para cada 100 quilowatts consumidos por hora.

LEIA TAMBÉM

Conta da Compesa terá reajuste de 2,4% em 2021

Até dezembro a Aneel estava utilizando a bandeira vermelha, cujo preço é de R$ 6,2 para cada 100 quilowatts consumidos por hora. Na mudança para a bandeira amarela, a Agência informou ter identificado melhoria no cenário de produção hidrelétrica com elevação das vazões dos afluentes dos principais reservatórios.

A notícia é um alívio ao bolso do pernambucano, já que a conta de água terá reajuste já neste domingo (3). A nota tarifa da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) deveria ter entrado em vigor no mês de julho, mas por conta da pandemia a Compesa adiou o reajuste.

Aneel autoriza cobrança da bandeira vermelha a partir de dezembro

Dezembro começa com uma notícia ruim ao bolso do brasileiro. A partir dessa terça-feira (1°) a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vai operar com a bandeira vermelha tipo 2. Isso significa que a conta de luz ficará mais cara no último mês do ano.

A utilização do sistema de bandeiras tarifárias havia sido suspensa em maio, época na qual a Aneel afirmou que até o final de 2020 não utilizaria as cobranças. Mas na noite de segunda-feira (30) o órgão mudou de ideia. A Agência alega que as condições atuais não permitem manter a bandeira verde acionada.

Ou seja, a partir de hoje haverá a cobrança de uma taxa extra no valor de R$ 6,243 a cada 100 kWh consumidos por residência. Outra justificativa da Aneel é que o consumo de energia voltou aos patamares pré-pandemia no mês de setembro. Isso, somado ao baixo nível dos reservatórios encarece a conta no final do mês.

Governo de Pernambuco zera ICMS na conta de energia

(Foto: Ilustração)

O Governo de Pernambuco zerou o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da conta de energia elétrica para quem consome entre 141 e 220 quilowatts por mês. A medida foi tomada levando em conta a pandemia do novo coronavírus e anunciada nesse final de semana por Paulo Câmara (PSB).

176 mil famílias serão contempladas com a isenção do imposto na conta da Companhia Pernambucana de Energia (Celpe). Segundo o governo estadual, foi firmado um acordo com o governo federal, que irá assumir o custo da operadora de energia.

“Essa medida na conta de luz, ela se soma a outra medida já anunciada de isenção do pagamento da conta de água às famílias de baixa renda no estado de Pernambuco e se soma também a outras ações do governo de Pernambuco na área social, como o pagamento do 13° do Bolsa Família, cuja terceira parcela nós realizamos na última quinta-feira (16)“, afirmou o governador.

Por parte do Governo Federal também há a isenção na conta de luz até 30 de junho para famílias baixa renda. É necessário, no entanto, fazer o cadastro na Celpe para usufruir desse direito. (Com informações do G1 PE).

Governo da Bahia custeará conta de energia de famílias carentes por 90 dias

Para valer, Alba deve aprovar projeto (Foto: Reprodução/Internet)

O governador da Bahia, Rui Costa (PT) anunciou em suas redes sociais que o Estado custeará as contas de luz da população mais carente pelo prazo de 90 dias. A medida é consequência da pandemia do novo coronavírus, porém, é válida apenas aqueles com Cadastro Social e consumam até 80 kW/mês.

Estima-se que 677 mil baianos serão contemplados. O Governo enviará um projeto de lei à Assembleia Legislativa da Bahia (Alba) ainda hoje (2). Somente após análise dos deputados estaduais é que a medida passará a vigorar.

Sobre os casos confirmados na Bahia, Costa anunciou a cura de 34 pacientes os quais estavam com o covid-19. O número de mortes teve alta nessa quinta-feira, quando foi confirmado o terceiro óbito. Trata-se de um idoso de 88 anos que estava internado em Salvador.

Conta de energia terá bandeira amarela em dezembro

(Foto: Ilustração)

A bandeira tarifária para o mês de dezembro será a amarela, informou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na sexta-feira (29). Ou seja, haverá um acréscimo de R$ 1,343 a cada 100 quilowatts-hora consumidos. Em novembro a bandeira que vigora é a vermelha patamar I.

Ao anunciar a decisão de reduzir a bandeira, a Aneel justificou que há previsão no aumento das chuvas. “As previsões meteorológicas sinalizam melhora nas condições de chuva sobre as principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN), caracterizando o início do período úmido na região dessas bacias”, disse em nota.

O sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo real da energia gerada, possibilitando aos consumidores o bom uso da energia elétrica. São três cores: verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2) que indicam se a energia custará mais ou menos.

Conta de luz: Aneel anuncia bandeira vermelha para o mês de novembro

(Foto: Ilustração)

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou, nesta sexta-feira (25), que a bandeira tarifária para o mês de novembro será a vermelha, no patamar 1, quando há um acréscimo de R$ 4 para cada 100 quilowatts-hora consumidos. Em outubro, a bandeira foi a amarela, cujo acréscimo na conta é de R$ 1.

LEIA MAIS

Bandeira tarifária da conta de energia do mês de outubro será amarela

(Foto: Arquivo)

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou na tarde de ontem (27) que a bandeira tarifária de outubro será amarela. Dessa forma, a tarifa sofre acréscimo de R$ 1,50 a cada 100 quilowatt-hora (kWh) consumidos. A medida representa uma redução em relação aos meses de agosto e setembro, quando a agência adotou a bandeira tarifária vermelha, no patamar 1, com acréscimo de R$ 4 para cada 100 kWh consumidos.

Segundo a agência, a mudança da bandeira vermelha para amarela ocorre pela previsão do aumento das chuvas em outubro. “A previsão hidrológica para o mês sinaliza elevação das vazões afluentes aos principais reservatórios, o que também permitirá reduzir a oferta de energia suprida pelo parque termelétrico”, disse a Aneel, em nota.

LEIA MAIS

Contas de luz permanecem com bandeira vermelha em setembro

(Foto: Ilustração)

As contas de luz terão bandeira tarifária patamar 1 em setembro, mesmo nível vigente em agosto, o que representa um custo adicional de R$ 4 para cada 100 quilowatts-hora consumidos, informou a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) na última sexta-feira (30).

De acordo coma a Aneel, a bandeira vermelha deve-se à permanência do quadro de estiagem na previsão hidrológica para o mês, com vazões abaixo da média histórica, o que impacta a geração de energia no país, que vem predominantemente de hidrelétricas.

Com isso, é exigido um maior uso do parque de termelétricas, cuja produção é mais cara, o que leva ao acionamento do mecanismo das bandeiras tarifárias. As bandeiras geram cobranças adicionais junto aos consumidores quando saem do verde para o patamar amarelo ou vermelho, o que acontece quando há redução da oferta de energia. A bandeira vermelha voltou a ser aplicada em agosto após dez meses.

Com informações da Folha de Pernambuco

Celpe convoca clientes rurais para recadastramento e garantia de desconto na conta de energia

(Foto: Ilustração)

A Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) convoca clientes irrigantes, aquicultores e demais rurais para recadastramento da tarifa subsidiada. Por determinação da Resolução Nº 800, da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), os clientes classificados nessas categorias de consumo precisam revalidar a documentação para não perder os descontos na conta de energia, que variam de 8% a 90%. O percentual de subsídio depende da atividade desenvolvida.

Até dezembro, mais de 54 mil devem apresentar a comprovação exigida pela Aneel. Caso não efetuem o recadastramento, os consumidores atualmente beneficiados perdem o subsídio a partir de janeiro de 2020. Os clientes estão sendo convocados por meio de avisos nas faturas mensais de energia elétrica. No total, aproximadamente 163 mil clientes pernambucanos devem revalidar os dados cadastrais até 2021, conforme o calendário da distribuidora.

LEIA MAIS

Conta de energia: bandeiras tarifárias ficarão mais caras a partir de 1º de junho

(Foto: Ilustração)

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou hoje (21), uma resolução que estabelece as faixas de acionamento e os adicionais das bandeiras tarifárias com vigência em 2019. Segundo a Aneel, foi incorporado um avanço metodológico para a regra de acionamento que atualiza o perfil do risco hidrológico (GSF), o qual passa a refletir exclusivamente a distribuição uniforme da energia contratada nos meses do ano (“sazonalização flat”).

Com a aprovação da proposta, a partir do dia 1º de junho as bandeiras tarifárias da conta de energia estarão mais caras. A bandeira amarela passa a R$ 1,50 (antes era R$ 1,00) a cada 100 (KWh), já a bandeira vermelha no patamar 1 custará R$ 4,00 (antes era R$ 3,00) a cada 100 (KWh), e no patamar 2, custará R$ 6,00 (antes era R$ 5,00) a cada 100 (KWh).

O reajuste foi especialmente motivado pelo déficit hídrico do ano passado, que reposicionou a escala de valores das bandeiras. O tema passou por audiência pública que recebeu 56 contribuições das quais 36% foram acatadas integralmente e 2% parcialmente.

LEIA MAIS

Conta de energia em maio terá bandeira amarela

A bandeira tarifária na cor verde significa que não terá custo extra para os consumidores de energia elétrica. (Foto: Ilustração)

A partir do mês de maio a conta de energia ficará mais cara para o consumidor. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou que no próximo mês a bandeira será amarela.

Ou seja, haverá um custo adicional de R$ 1,00 a cada 100 quilowatts-hora consumido. Desde dezembro de 2018 a bandeira em vigência era a verde, sem cobrança extra. “Maio é o mês de início da estação seca nas principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN)”, diz a nota divulgada pela Aneel.

Sistema de bandeiras tarifárias

O sistema de bandeiras – adotado para ficar mais claro ao consumidor quanto ele paga – a verde não teme taxa extra. Na bandeira amarela, a taxa extra é de R$ 1,00 a cada 100 kWh consumidos. Já a vermelha tem dois níveis: uma de R$ 3,00 a cada 100 kWh e outra de R$ 5,00 a cada 100 kWh. (Com informações do Estado de SP).

Conta de luz fica mais cara na Bahia a partir desta segunda-feira

(Foto: Reprodução/Internet)

A partir de amanhã (22) a conta de luz na Bahia ficará mais cara. Na última terça-feira (16), a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), responsável pela regulamentação do setor elétrico no país, autorizou um reajuste médio de 6,22% nas tarifas de energia elétrica para a Bahia. A taxa está acima da inflação oficial do país (IPCA – Índice de preços ao Consumidor) em 2018, que foi de 3,75%.

Os cerca de seis milhões de clientes da Coelba só irão perceber essa variação, de forma mais significativa, nas faturas recebidas a partir de maio. Para os clientes atendidos em baixa tensão, que inclui os clientes residenciais, o reajuste médio será de 6,67%. Já os clientes atendidos em alta tensão, como indústrias e comércio de médio e grande porte, o reajuste será de 5,09%.

LEIA MAIS
123