Datafolha: Lula segue à frente de Bolsonaro e, no 2º turno, tem 56% contra 31%

Pesquisa do instituto Datafolha divulgada nesta sexta-feira (17) pelo site do jornal “Folha de S.Paulo” revela os índices de intenção de voto para a eleição presidencial de 2022. A corrida está estagnada, se comparada com o levantamento realizado pelo instituto em julho deste ano. Lula tinha 26% e agora tem 27% das intenções de voto na pesquisa espontânea. Jair Bolsonaro tinha 19% e agora tem 20%. No segundo turno, o ex-presidente tem 56% (58% no último relatório), contra 31% (os mesmos 31% na pesquisa anterior) de Bolsonaro.

A pesquisa ouviu 3.667 pessoas entre os dias 13 e 15 de setembro em 190 cidades brasileiras. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos, dentro do nível de confiança de 95%.

LEIA MAIS

Datafolha: Lula tem 41%; Bolsonaro, 23%; Moro, 7%; e Ciro, 6% no 1º turno para a eleição de 2022

O jornal “Folha de S.Paulo”  divulgou uma pesquisa do instituto Datafolha com índices de intenção de voto para o primeiro turno da eleição presidencial de 2022.

O levantamento do Datafolha foi realizado entre em 11 e 12 de maio em 146 cidades e entrevistou 2.071 pessoas. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Pesquisa estimulada de intenções de voto no 1º turno

  • Lula (PT): 41%
  • Jair Bolsonaro (sem partido): 23%
  • Sergio Moro (sem partido): 7%
  • Ciro Gomes (PDT): 6%
  • Luciano Huck (sem partido): 4%
  • João Doria (PSDB): 3%
  • Luiz Henrique Mandetta (DEM): 2%
  • João Amoêdo (Novo): 2%
  • Brancos/nulo/nenhum: 9%
  • Não sabe: 4%

Somados, os adversários de Lula têm 47%, seis pontos percentuais a mais que o ex-presidente.

LEIA MAIS

Segundo Datafolha, rejeição a Bolsonaro na gestão da pandemia chega a 54%

(Foto: Alan Santos/PR)

A rejeição ao trabalho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na gestão da pandemia da Covid-19 disparou ao maior nível desde que a crise sanitária começou, há um ano.

Segundo o Datafolha, 54% dos brasileiros veem sua atuação como ruim ou péssima na semana em que foi apresentado o quarto ministro da Saúde de seu governo. Na pesquisa passada, realizada em 20 e 21 de janeiro, 48% reprovavam o trabalho de Bolsonaro na pandemia.

LEIA TAMBÉM

Pernambuco ultrapassa 11.500 mortes pela Covid-19 a 1 dia do fechamento das atividades não essenciais

LEIA MAIS

Auxílio emergencial é a única renda de 36% dos que receberam o benefício, diz pesquisa

O auxílio emergencial é única fonte de renda para 36% das famílias que receberam ao menos uma parcela do benefício, mostra pesquisa Datafolha realizada de 8 a 10 de dezembro. A dependência da política, porém, caiu nos últimos meses, período em que o valor pago pelo governo foi reduzido pela metade. No levantamento feito em agosto, 44% apontavam o auxílio como única fonte de renda.

Com a redução (de R$ 600 para R$ 300) e a retomada parcial da economia, muitas pessoas saíram em busca de outras fontes de renda. Segundo a pesquisa, 39% dos entrevistados pediram o auxílio e 81% desses pedidos foram atendidos. Dados do governo mostram que o voucher alcançou quase 70 milhões de brasileiros.

LEIA MAIS

Datafolha mostra que avaliação de Bolsonaro está no melhor nível

Bolsonaro em visita ao Piauí. (Foto: Reprodução/WhatsApp)

Em meio ao agravamento da pandemia do novo coronavírus no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) mantém sua avaliação no melhor nível desde que começou o mandato.

É isso o que revela pesquisa nacional do Datafolha feita por telefone nos dias 8 e 10 de dezembro, na qual foram ouvidas 2.016 pessoas. A margem de erro é de dois pontos para mais ou menos.

LEIA MAIS

Datafolha: aprovação de Bolsonaro sobe para 37%, a melhor do mandato, e reprovação cai para 34%

(Foto: Internet)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) atingiu sua melhor avaliação desde o início do mandato, segundo pesquisa Datafolha divulgada pelo jornal “Folha de S.Paulo” no final da noite desta quinta-feira (13).

A pesquisa indica alta no número de eleitores que consideram o governo ótimo ou bom (aprovação ao governo) e queda entre os que veem o governo como ruim ou péssimo (reprovação). Os percentuais da pesquisa são:

Ótimo/bom: 37%
Regular: 27%
Ruim/péssimo: 34%
Não sabe/não respondeu: 1%

A pesquisa Datafolha foi realizada em 11 e 12 de agosto, com 2.065 brasileiros adultos que possuem telefone celular em todas as regiões e estados do país. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Essa taxa de aprovação de 37% é a maior já registrada desde o início do mandato de Bolsonaro.

Nas pesquisas anteriores, os resultados foram:

23 e 24 de junho: Ótimo/bom: 32%; Regular: 23%; Ruim/péssimo: 44%; NS/NR: 1%
25 e 26 de maio: Ótimo/bom: 33%; Regular: 22%; Ruim/péssimo: 43%; NS/NR: 2%
Abril de 2020: Ótimo/bom: 33%; Regular: 26%; Ruim/péssimo: 38%; NS/NR: 3%
2 e 3 de abril de 2019: Ótimo/bom: 32%; Regular: 33%; Ruim/péssimo: 30%; NS/NR: 3%

O instituto também perguntou ao entrevistado se ele confia nas declarações do presidente. O resultado foi:

Nunca confia: 41% (anteriormente 46%, 44%, 38%, 43% e 44%)
Às vezes confia: 35% (anteriormente 32%, 32%, 37%, 37% e 36%)
Sempre confia: 22% (anteriormente 20%, 21%, 21%, 19% e 19%)
Não sabe: 2% (anteriormente 2%, 2%, 5%, 1% e 1%)

28% dos brasileiros não fazem isolamento contra coronavírus, diz Datafolha

(Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Perto de completar um mês, o isolamento social estabelecido como principal estratégia para o combate ao novo coronavírus em diversos estados não faz parte da rotina de uma parcela expressiva da população brasileira.

Não seguem total ou parcialmente a orientação de ficar em casa 28% das pessoas entrevistadas pelo Datafolha, segundo pesquisa realizada entre os dias 1 e 3 de abril. Foram consultados 1.511 brasileiros adultos em todas as regiões do país.

Desta vez, o levantamento foi feito por telefone, em razão da pandemia, ao contrário do procedimento rotineiro do instituto, que é de realizar entrevistas pessoalmente. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Outros 4% dos pesquisados afirmam que não houve nenhuma mudança na rotina e que seguem vivendo como antes da crise.

LEIA MAIS

Datafolha: propostas de Bolsonaro para o trânsito são rejeitadas por eleitores

Eleitores não concordam com mudanças

O Datafolha fez uma pesquisa para saber o que os eleitores brasileiros acham das mudanças propostas pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) para o trânsito. O levantamento aponta que a não obrigatoriedade do uso de cadeirinhas em veículos é o ponto mais impopular.

68% dos entrevistados rejeitam a mudança. Hoje, crianças de até sete anos devem ser transportadas sentadas em cadeirinhas.  O projeto de flexibilização das leis de trânsito prevê ainda a imposição de advertência por escrito para o transporte sem cadeirinha.

LEIA TAMBÉM:

Governo Federal apresenta proposta de mudança no Código de Trânsito Brasileiro

A oposição ao fim da multa para esta infração chega a 70% no estrato dos entrevistados habilitados a dirigir. Outros 67% refutam a ideia de retirar os radares em rodovias federais. Ainda segundo o Datafolha, 41% dos entrevistados disse acreditar que o projeto do governo vai tornar o trânsito mais violento.

LEIA MAIS

Datafolha: 47% são favoráveis à reforma da Previdência

Uma pesquisa do Datafolha, publicada nessa terça-feira (9) aponta que 44% dos brasileiros são contrários à reforma da Previdência, enquanto 47% são a favor da principal proposta do governo de Jair Bolsonaro (PSL) no seu início de mandato.

O levantamento foi realizado a pedido do jornal Folha de São Paulo, entre os dias 4 e 5 de julho. Dos 2.086 entrevistados, 6% não souberam opinar e 3% ficaram indiferentes à reforma. A pequisa foi feita em 130 cidades do país.

A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos. O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro. Um dado importante é que, na pesquisa anterior do instituto em abril, 51% eram a favor, 41% contra. (Com informações do G1).

“Não vou perder tempo para comentar pesquisa do Datafolha”, diz Bolsonaro

(Foto: Internet)

Após o Datafolha divulgar uma pesquisa afirmando que Bolsonaro seria o presidente pior avaliado nos três primeiros meses de gestão desde a redemocratização, o chefe do Executivo Nacional afirmou que não iria perder tempo em se manifestar sobre o levantamento do instituto.

LEIA TAMBÉM

30% avaliam governo de Bolsonaro como ruim ou péssimo, segundo Datafolha

“Datafolha? Não vou perder tempo para comentar pesquisa do Datafolha, que diz que eu ia perder para todo mundo no segundo turno”, afirmou o Presidente da República. A pesquisa mostra ainda uma aprovação a favor de Bolsonaro de 65% entre bom, ótimo ou regular.

O instituto ouviu 2.086 pessoas com mais de 16 anos em 130 municípios nos dias 2 e 3 de abril. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, segundo o Datafolha.

7% dos brasileiros aprovam governo de Temer, aponta Datafolha

(Foto: Internet)

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha divulgado na quinta-feira (27) mostra que apenas 7% dos brasileiros aprovam o governo do atual presidente Michel Temer (MDB). Outros 29% avaliam como “Regular” e 62% como “Ruim ou Péssimo”.

Na pesquisa anterior do divulgada em agosto, 73% dos entrevistados consideravam o governo Temer “Ruim/Péssimo”. Em relação aos que achavam “Regular”, o índice subiu, já que antes somava 21%, assim como os que consideravam Temer “Bom/Ótimo”, que era de 4%.

O Datafolha ouviu 2.077 pessoas em 130 municípios entre os dias 18 e 19 de dezembro. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Com informações do G1

Datafolha: Bolsonaro cai 3 pontos mais continua com ampla vantagem

A distância entre os candidatos a presidente Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) caiu de 18 para 12 pontos em uma semana, aponta pesquisa do Datafolha.

A três dias do segundo turno, o deputado tem 56% dos votos válidos, contra 44% do ex-prefeito de São Paulo. No levantamento passado, apurado em 17 e 18 de outubro, a diferença era de 59% a 41%. Tanto a queda de Bolsonaro quanto a subida de Haddad se deram acima da margem de erro, que é de dois pontos percentuais para mais ou menos.

O Datafolha entrevistou 9.173 eleitores em 341 cidades no levantamento, encomendado pela Folha e pela TV Globo e realizado na quarta (24) e na quinta (25).

Em votos totais, Bolsonaro tem 48%, ante 38% de Haddad e 6% de indecisos. Há 8% de eleitores que declaram que irão votar branco ou nulo. Desses, 22% afirmam que podem mudar de ideia até o dia da eleição.

O deputado perdeu apoio em todas as regiões do país, embora mantenha sua liderança uniforme, exceto no Nordeste, onde Haddad tem 56% dos votos totais e Bolsonaro, 30%.

A maior subida de Haddad ocorreu na região Norte, onde ganhou sete pontos, seguido da Sul, onde ganhou quatro. Já Bolsonaro mantém uma sólida vantagem na área mais populosa do país, o Sudeste: 53% a 31%. O Centro-Oeste e o Sul seguem como sua maior fortaleza eleitoral, com quase 60% dos votos totais nas regiões.

Entre os mais jovens (16 a 24 anos), Haddad viu sua intenção de voto subir de 39% para 45%, empatando tecnicamente com Bolsonaro, que caiu de 48% para 42%. Em todas as faixas etárias superiores, contudo, o deputado mantém sua vantagem sobre o ex-prefeito.

O segmento em que o petista mais subiu foi entre os mais ricos, aqueles que ganham mais de 10 salários mínimos. Ali, cresceu oito pontos, mas segue perdendo de forma elástica para Bolsonaro: 61% a 32% dos votos totais. Haddad lidera na outra ponta do estrato, entre os mais pobres (até 2 salários mínimos), com 47% contra 37% do deputado.

Entre o eleitorado masculino, Bolsonaro mantém ampla vantagem, embora tenha caído três pontos —mesma medida da subida do petista. Tem 55% a 35%, distância que é reduzida a um empate técnico por 42% a 41% entre as mulheres.

A rejeição a ambos os candidatos, uma marca desta eleição, permanece alta. Haddad viu a sua oscilar negativamente de 54% para 52%, enquanto Bolsonaro teve a sua subindo três pontos, para 44%. A certeza do voto dos eleitores declarados de ambos é alta: 94% dos bolsonaristas e 91% dos pró-Haddad se dizem convictos.

Datafolha: 48% do eleitorado de Bolsonaro tem certeza no voto, Haddad apenas 33%

O Datafolha divulgou o resultado de uma pesquisa na qual perguntou aos eleitores em quem eles votariam no segundo turno das eleições 2018. E os apoiadores de Jair Bolsonaro (PSL) são os mais decididos no voto. O levantamento foi realizado nos dias 17 e 18 de outubro e publicado ontem (19).

O instituto perguntou: “E entre esses candidatos a presidente, gostaria que você me dissesse se votaria com certeza, talvez votasse ou não votaria de jeito nenhum em”. 48% responderam que votariam com certeza em Bolsonaro, 10% talvez não e apenas 1% não souberam responder.

Para Haddad a resposta foi:  33% votaria com certeza, 12% talvez votasse e 54% não votaria de maneira alguma no candidato petita. 56% dos eleitores masculinos têm certeza do volto no deputado federal e 34% rejeitam o nome de Bolsonaro.

Entre as mulheres, Haddad tem 36% dos votos e Bolsonaro chega a 41%. O deputado federal fica em desvantagem no Nordeste, onde apenas 31% votariam nele, enquanto Haddad tem 49%.

Bolsonaro tem 59% dos votos válidos, e Haddad, 41%, indica Datafolha

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira indica que o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, tem 59% dos votos válidos, enquanto o candidato do PT, Fernando Haddad, aparece com 41%. No levantamento da semana passada, o candidato do PSL tinha 58% dos votos válidos, e o petista, 42%. As oscilações dos candidatos estão dentro da margem de erro, que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Na contagem dos votos totais, Bolsonaro tem 50%, enquanto Haddad tem 35%. Brancos e nulos somam 10%, e 5% não souberam responder.

A vantagem de Bolsonaro sobre Haddad continua maior entre os homens (58% a 32%) do que entre as mulheres (43% a 39%).

A convicção do voto no deputado federal é maior do que dos eleitores do candidato do PT. De acordo com a pesquisa, 95% dos apoiadores de Bolsonaro dizem que estão completamente decididos. Entre os que votam em Haddad, 89% dizem o mesmo.

A rejeição a Haddad também é maior. Entre os entrevistados, 54% dizem que não votariam no petista de jeito nenhum, e 41%, no capitão.

Nordeste é a única região na qual Haddad vence Bolsonaro

(Foto: Internet)

A pesquisa do Datafolha divulgada na quarta-feira (10) revelou que, apesar de estar em segundo lugar nas intenções de voto para a Presidência da República, Fernando Haddad (PT) lidera no Nordeste. Ele tem 52% dos votos totais, contra 32% de Jair Bolsonaro (PSL).

O melhor desempenho de Bolsonaro é no Sul com 60% contra 26% do ex-ministro da educação. O sudeste elegeria o candidato do PSL com 55% a 32% dos votos totais. A pesquisa ouviu 3.235 eleitores em 227 municípios do país.

Segundo o Datafolha, Bolsonaro lidera com vantagem de 16% percentuais, somando 58% contra 42% de Haddad. A votação do segundo turno acontece no dia 28 de outubro, enquanto isso os políticos buscam alianças políticas.

123