Congresso Nacional discute adiar eleições municipais por causa do coronavírus

(Foto: Ilustração)

A crise provocada pelo coronavírus e a incerteza sobre a extensão e a duração da pandemia levaram congressistas a iniciar um movimento em defesa do adiamento das eleições municipais previstas para outubro de 2020.

Estimativas do Ministério da Saúde apontam para aumento dos casos entre abril e junho. A situação só se estabilizaria a partir de julho. O cenário traçado pelo ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde) causou preocupação entre líderes de partidos na Câmara e de congressistas, que temem impacto nas campanhas eleitorais. Elas estão previstas para começar apenas no dia 16 de agosto, mas até lá parte do calendário eleitoral pode ser afetado.

Na terça-feira (17), alguns dirigentes partidários, entre eles o presidente nacional do Solidariedade, Paulinho da Força (SP), debateram a necessidade de achar uma saída jurídica para o caso de a crise se estender até o início das campanhas.

De acordo com o dirigente, se até julho vigorar ainda a restrição para realização de eventos, as convenções partidárias estariam inviabilizadas. Pela lei eleitoral, o prazo para escolha dos candidatos é de 20 de julho até 5 de agosto.

“É uma avaliação antecipada, mas que tem de estar no nosso radar. Terça abrimos a discussão para saber o que é preciso juridicamente”, disse. Uma das recomendações do ministério é evitar contato e aglomerações. Isso afetaria também um dos mais tradicionais recursos políticos, o corpo a corpo com eleitores.

Antes que fiquem sem tempo hábil para contornar a situação e cientes de que a lei eleitoral proíbe qualquer mudança de procedimento um ano antes do pleito, congressistas passaram a se articular para verificar a possibilidade legal de adiamento das eleições municipais.

Alguns deles, como o líder do Podemos na Câmara, deputado Léo Moraes (RO), já iniciaram consultas ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Moraes afirmou que a ideia inicial era unificar, em uma PEC (proposta de emenda à Constituição), as eleições municipais de outubro deste ano com as eleições gerais de 2022.

“Mas isso acabaria protelando por dois anos, sem previsão legal, mandatos de vereadores e prefeitos, alguns deles ruins”, disse. Seria necessário também aguardar que o STF (Supremo Tribunal Federal) julgasse uma eventual ação declaratória de constitucionalidade, o que enfraqueceria ainda mais a possibilidade de adiamento do pleito.

LEIA MAIS

Julio Lossio ressalta potencial de Lucas Ramos e minimiza suposto acordo entre PT e PSB em Petrolina

(Foto: Blog Waldiney Passos)

Diante da polêmica sobre o suposto acordo entre o PSB e PT nas eleições de Petrolina (PE), para rifar a candidatura de Lucas Ramos (PSB) em apoio a Odacy Amorim (PT), o  ex-prefeito de Petrolina, Julio Lossio (PSD), preferiu minimizar a eventual negociação, reduzindo a manobra a um tipo de especulação.

LEIA TAMBÉM

Ao contestar retirada de candidatura de Lucas Ramos em Petrolina, Gonzaga Patriota classifica acordo entre o PSB e PT como suicídio

“Ainda tem muita água para rolar em baixo da ponte. Até lá, teremos muitas especulações”, disse Lossio à reportagem do Blog do Jamildo.

LEIA MAIS

Ao contestar retirada de candidatura de Lucas Ramos em Petrolina, Gonzaga Patriota classifica acordo entre o PSB e PT como suicídio

Gonzaga Patriota (Foto: Internet)

O possível acordo entre o PSB e PT para rifar a candidatura do deputado estadual Lucas Ramos à prefeitura de Petrolina (PE), em troca do apoio do PT, representado pelo ex-deputado Odacy Amorim no pleito, ainda rende opiniões, mesmo depois do governador Paulo Câmara ter negado  a eventual negociação.

LEIA TAMBÉM

“Não existe qualquer negociação com o PT sobre candidatura em Petrolina”, afirma Paulo Câmara

Em entrevista ao Blog do Jamildo, o deputado federal Gonga Patriota (PSB) classificou o suposto acordo como suicídio.  “Nem o presidente estadual do partido, Sileno Guedes, e nem o governador Paulo Câmara falaram comigo. Mas se quiserem juntar (PSB e PT), fazemos esse suicídio juntos”, disse o parlamentar.

LEIA MAIS

Serra Talhada: Workshop sobre mudanças do processo eleitoral está com inscrições abertas 

(Foto: Ilustração)

A segunda edição do Workshop Eleições Municipais, que acontecerá no próximo dia 31 de janeiro, em Serra Talhada(PE), no Auditório da Câmara dos Dirigentes Lojistas, está com inscrições abertas. Na ocasião, serão debatidos temas como: Registro de Candidatura, Propaganda Eleitoral, Condutas Vedadas, Crimes Eleitorais, Marketing Político e Redes Sociais.

Participarão do evento profissionais renomados do ramo jurídico, militantes em Direito Eleitoral com participação em diversas eleições municipais e gerais nos últimos 12 anos. Estão confirmadas as palestras dos advogados Antonio Ribeiro Júnior, Yuri Herculano, Giorgio Gonzalez e Allan Pereira Sá.

LEIA MAIS

Pilão Arcado: Justiça defere candidatura de Mundoca

Mundoca teve candidatura deferida

A poucos dias da eleição complementar que definirá o novo prefeito de Pilão Arcado (BA), a Justiça Eleitoral do Estado deferiu a candidatura de Mundoca (PSDB), membro da coligação “Pilão Quer Mudança”. A decisão favorável veio no domingo (19), mas publicada hoje (20).

LEIA TAMBÉM

Candidato da oposição em Pilão Arcado lamenta violência em campanha eleitoral

Eleições suplementares: campanha em Pilão Arcado começa com violência e disparos de arma de fogo

Na decisão, o juiz da 195ª Zona Eleitoral, Vanderley Andrade de Lacerda destaca que apesar da tentativa da outra chapa tentar invalidar a candidatura de Mundoca, ele “juntou aos autos a documentação necessária para demonstrar a sua filiação partidária junto ao PSDB, bem como as certidões exigidas”.

Mundoca celebrou a notícia e lembrou que “a falta de respeito com a população de Pilão de quem está no poder e quer continuar no poder a todo custo é vergonhosa”. O pleito do próximo mês chegou a virar caso de polícia, conforme o Blog mostrou anteriormente.

“Vou cuidar da minha estratégia, eles que façam a deles”, dispara Miguel sobre 2020

Prefeito disse esperar reconhecimento dos eleitores nas urnas em 2020 (Foto: Arquivo)

Pela primeira vez em sua história, a eleição municipal de Petrolina poderá ter segundo turno. Mas para o prefeito Miguel Coelho (MDB) se o seu trabalho for avaliado com carinho pela população, o pleito de 2020 pode ser definido na primeira votação.

LEIA TAMBÉM:

Miguel Coelho confirma entrega do Centro de Parto para março de 2020

“Nosso trabalho é para ser merecedor da confiança e honrar a que recebemos na eleição passada. O resultado de 2020 é consequência do trabalho que a gente fez no primeiro mandato. Acredito muito na justiça das pessoas e no bom senso, acredito que as pessoas vão ter esse reconhecimento, como hoje já tem“, afirmou durante coletiva com a imprensa, na noite de quinta-feira (12).

Estratégia

O gestor, que está em seu primeiro mandato na Prefeitura, buscará a reeleição e contou o rumo da sua equipe na caminhada até as urnas. “É ter muita serenidade, humildade e continuar focado no trabalho, nos avanços. Deixa 2020 pra lá, no momento certo a gente vai tratar. Eu vou cuidar da minha estratégia, eles que façam a deles, mas estou muito confiante“, disse.

Marília Arraes defende nome de Cristina Costa como candidata a prefeita de Petrolina

Deputada cumpre agenda em Petrolina e fala sobre cenário politico local (Foto: Blog Waldiney Passos)

A deputada federal Marília Arraes (PT) está em Petrolina nessa sexta-feira (21) e afirmou com todas as letras que a vereadora Cristina Costa (PT) tem o seu apoio em uma possível candidatura à Prefeitura, em 2020. “Todo mundo sabe que eu sou uma entusiasta da atuação política da vereadora Cristina Costa, eu acho que seria uma grande candidata a prefeita”, afirmou durante participação no programa Super Manhã com Waldiney Passos.

Contudo, apesar do apoio, Marília fez questão de ressaltar um ponto importante: seu apoio é praticamente simbólico. “Defendo o nome de Cristina sem dúvida alguma, mas defendo entre nós, no nosso grupo político porque eu não faço parte do Diretório de Petrolina. É uma conversa entre nós, mas sem nenhuma interferência direta obviamente. Tenho todo respeito pelas decisões tomadas no Diretório aqui na cidade”, ressaltou.

PT com candidatura própria

Na ótica da deputada federal, o PT tem condições de lançar candidatura própria em Petrolina e tal posicionamento seria importante para a sigla. “Nós temos tamanho para ter uma candidatura própria, é importante que a gente deixe o partido discutir democraticamente, sem intervenções que nós tivemos em 2018, quando nós decidimos ter candidatura própria e teve essa intervenção nacional”, finalizou.

Com mais de 200 mil eleitores, segundo turno em Petrolina deve provocar mudanças no número de seções

Há mais de 200 mil eleitores cadastrados no sistema biométrico de Petrolina (Foto: Blog Waldiney Passos)

Na eleição municipal de 2020 os petrolinenses deverão vivenciar uma nova estrutura, já que a escolha de prefeito poderá ser definida em segundo turno. Isso é inédito na cidade e somente será possível porque o município tem mais de 200 mil eleitores cadastrados no sistema biométrico.

O Blog Waldiney Passos procurou a Justiça Eleitoral e obteve a confirmação de que até o dia 25 de janeiro havia exatamente 200.547 eleitores aptos a votar em Petrolina. No último pleito para prefeito, em 2016 o número era de 198.599, segundo dados do Fórum Eleitoral.

Por que segundo turno?

A Constituição Federal de 1988 prevê a realização de segundo turno, nos artigos 28 e 29, em municípios com mais de 200 mil eleitores. Segundo o critério da maioria absoluta, para ser eleito não basta ao candidato simplesmente obter mais votos do que seus concorrentes.

LEIA MAIS

Segundo turno transformará eleição em “jogo de xadrez”, afirma ex-prefeito Lóssio

Ex-prefeito já havia dito que vai estar no jogo em 2020, mas sem revelar de que forma (Foto: Blog Waldiney Passos)

A eleição municipal de 2020 deverá contar, pela primeira vez na história, com o segundo turno e tornar o caminho à Prefeitura de Petrolina mais difícil. Para o ex-prefeito e candidato ao Governo de Pernambuco, Julio Lóssio, a movimentação de bastidores será a chave para ganhar o pleito.

“Nas últimas eleições a gente jogava uma partida de tênis, era um do lado e ganhava no primeiro set. Nós vamos caminhar para o segundo turno, que é um jogo de xadrez. Nós temos em Petrolina uma disputa cada vez mais que será um jogo de xadrez e ganhará quem conseguir somar mais forças no segundo turno”, comentou.

Futuro político

Anteriormente Lóssio já havia colocado seu nome no “jogo político” de 2020, porém, sem explicar em qual função. Além dele outros nomes cotados são Gabriel Menezes (PSL), Odacy Amorim (PT), Lucas Ramos (PSB), Gonzaga Patriota (PSB) e o atual prefeito, Miguel Coelho.

Quando questionado a respeito de uma possível aliança entre a oposição, caminhando ao lado de Lucas Ramos, Lóssio não descartou a parceria. “Nós vamos discutir essa questão de eleição no momento certo, mas eu penso que teremos uma eleição que é um jogo de xadrez e agora é diferente”, finalizou

Cabrobó poderá ter 9 candidatos a prefeito em 2016

Eleições 2016

“Deve ser bom ser prefeito”, declarou um político em uma conversa em off outro dia com à imprensa e, para se ter uma ideia o cargo deve garantir algumas vantagens no cotidiano dos executivos brasileiros, principalmente na vida de políticos de carreira, prova disso, o rumo da política em Cabrobó, está com uma lista de pelo menos 9 pré-candidatos à sucessão municipal da cidade.

Os nomes que fazem parte da gorda lista de pré-candidatos a prefeito de Cabrobó são: Auricélio Torres (PSB), atual prefeito, Romero Gomes (PR), atual vice-prefeito; Mario Barros (Solidariedade), ex vice-prefeito, Dermeval Menezes (sem partido), ex vice-prefeito.

Também aparecem na lista divulgada na imprensa Eudes Caldas (PTB), ex-prefeito, é o número 1 na lista da oposição, Edgar Caldas (PTB), ex-prefeito, Marcos de Neuma (PSB), Antonio de Nestor (PRP), sindicalista e ex-candidato a prefeito; e ainda Marcilio Cavalcanti (PMDB).

Parece que o eleitor de Cabrobó terá que ouvir muito discurso para escolher quem será o candidato que merece aperta o sim na urna no dia 2 de outubro, aos seres comuns restam aguardar cenas do próximo capitulo deste teatro da vida real.

Mesmo com desgaste político, PT pode ter bom desempenho em municípios do interior

PT

Apesar do desgate político que o Partido dos Trabalhadores vem enfrentando na esfera nacional, pesquisas de opinião pontuam que, paradoxalmente, o partido pode sair-se bem nas eleições municipais em cidades de pequeno porte. A condição, no entanto, é que os candidatos coloquem debaixo do tapete uma das principais marcas do partido: a estrela. A análise é simples. Os candidatos terão que se cacifar por méritos próprios sem precisar da muleta partidária, que outrora era o combustível para alçar novos nomes.

O desgaste da sigla com os desdobramentos das investigações da Operação Lava Jato e a fragmentação da base aliada da presidente Dilma dão a tônica que estender a bandeira vermelha pode não ser o melhor caminho. “Isso em cidades de 40 ou 60 mil eleitores, se for vincular o nome ao PT, o negócio não fica bom”, observa o analista político Maurício Romão.

Outro ponto a ser levado em consideração nas projeções é o principal legado do partido, as ações de transferência de renda, que estão sendo rapidamente corroídas pela situação econômica e pelo aumento dos índices de desemprego. “Então, os candidatos do PT que forem às ruas propagando o legado vão ter dificuldade de justificar”, diz. Nas capitais, no entanto, o peso das siglas deve predominar.

REFLEXO

Segundo o especialista em marketing político Carlos Manhanelli, esta é a segunda vez na história recente da política brasileira que o desgate de um partido no âmbito nacional reverbera nas eleições locais. Ele relembra que, nas eleições majoritárias de 1974, o MDB (atual PMDB) passou a crescer eleitoralmente diante da crise econômica que corroía a base social de apoio aos militares. “O MDB mostrou as mazelas da ditadura e elegeu 23 governadores”, diz.

Em 2016, no entanto, a rejeição à sigla petista é crescente. Segundo ele, as pesquisas vêm apontando que a vinculação ao partido dos trabalhadores pode tirar ponto dos candidatos. (Fonte: NE10)