Menina de 10 anos que teve gravidez interrompida e familiares terão novos nomes e endereço

Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros. (Foto: Paulo Paiva/DP)

A família da criança de 10 anos que engravidou após quatro anos de estupros, no estado do Espírito Santo (ES), aceitou participar do Programa de Apoio e Proteção às Testemunhas, Vítimas e Familiares de Vítimas da Violência (Provita), oferecido pelo governo estadual do ES. A criança foi submetida a um procedimento de interrupção da gravidez, realizado no estado de Pernambuco. O programa prevê apoio para mudança de nomes e de endereço.

A menina já teve alta, porém a data e horário da saída do Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam), assim como o destino dela e de familiares não foram divulgados. No domingo, após publicação de informações pessoais da garota e o local do procedimento foram criminosamente divulgados pela youtuber bolsonarista Sara Winter. Grupos de fundamentalistas realizaram manifestação em frente à unidade de saúde onde a garota realizaria o aborto, procedimento garantido e autorizado por lei em casos de estupro.

De acordo com o G1, a aguarda da criança é dos avós. A informação é de que a mãe da garota morreu há algum tempo e o pai está preso. A Secretaria de Estado de Direitos Humanos (SEDH) informou que o programa tem caráter sigiloso e informações específicas não podem ser divulgadas.

Menina de 10 anos que teve gravidez interrompida recebe alta de hospital em Recife

(Foto: Paulo Paiva/DP)

A menina de 10 anos de idade que precisou passar por um procedimento para interromper a gravidez, após engravidar do tio que cometia abusos desde que ela tinha seis anos, recebeu alta do Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros da Universidade de Pernambuco (Cisam-UPE).

A informação foi confirmada pela assessoria de comunicação do hospital. Ainda de acordo com a a assessoria, o médico Olímpio Moraes, obstetra que realizou o procedimento e diretor da unidade, ainda não deu mais informações sobre a alta médica.

LEIA TAMBÉM

Ministério Público denuncia acusado de estuprar menina de 10 anos no Espírito Santo

Tio suspeito de estuprar e engravidar menina de 10 anos no ES é preso em MG

“Brasil é o país da hipocrisia”, diz médico que interrompeu gravidez de menina de 10 anos sobre protestos

Ontem, o médico já havia adiantado que não seriam informados detalhes sobre a saída e o destino que a menina e sua família tomariam após a alta.

“Tudo em seu momento”, diz Ivete Sangalo sobre gravidez de gêmeos

(Foto: Reprodução/Instagram)

A cantora Ivete Sangalo, de 45 anos, anunciou que está grávida de gêmeos nesta terça-feira (12). O anúncio ocorreu uma hora antes de ela participar do lançamento da nova temporada do “The Voice”, nos Estúdios Globo, no Rio.

“Somos artistas, pessoas públicas, mas é reservado a gente viver o sabor do privado. A intenção não é dar volta, é dar o tempo que as coisas precisam ter. Tudo em seu momento”, declarou durante o evento.

A gestação foi fruto de inseminação artificial. A cantora não revelou de quantas semanas está, mas, se tiver seguido a
recomendação médica de esperar 12 semanas para espalhar a notícia, ela está com três meses, ou seja, o parto vai coincidir com o Carnaval.

LEIA MAIS

Polícia do Ceará investiga caso de adolescente que teria engravidado de padre

A Polícia Civil do Ceará está investigando um possível caso de violência sexual em Quixeramobim, envolvendo um padre e uma adolescente de 15 anos, atualmente grávida. O caso ganhou repercussão na cidade na última semana, quando o bispo da Diocese de Quixadá, dom Angelo Pignoli, divulgou nota pública informando o afastamento do padre Vitoriano Campos Ambrósio, citado no escândalo.

Segundo a nota, o padre Vitoriano “está suspenso cautelarmente do exercício do ministério sacerdotal e responderá a processo jurídico canônico perante a Santa Sé”. O texto Informa ainda que o padre foi destituído do ofício de pároco até o fim do processo canônico.

Em entrevista, dom Angelo disse que foi procurado pelo padre no dia 18 deste mês, após os fatos terem repercutido na mídia local. Na ocasião, o padre Vitoriano confessou que pode ser o pai da criança.

LEIA MAIS

EUA orientam infectadas pelo Zika a esperar ao menos 8 semanas para engravidar

aedes_aegypti_

As autoridades de saúde dos Estados Unidos orientam as mulheres infectadas com o vírus ZiKa a esperar pelo menos oito semanas, após o aparecimento da doença, para tentar engravidar.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos recomenta ainda que os homens infectados com o vírus Zika ou com sintomas da doença não tenham relações sexuais sem uso de preservativo durante pelo menos seis meses. A Zika é uma doenças infecciosa transmitida pelo mosquito Aedes aegypti.

O organismo recomenda os mesmos períodos de tempo de prevenção para os casais sexualmente ativos que não estão tentando ter um filho.

Essa orientações têm por base o período mais longo de resistência do vírus conhecido até agora, multiplicado por três.

O Zika foi detetado no sêmen de um homem 62 dias após os primeiros sintomas, segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças.

Os homens com parceiras sexuais grávidas são aconselhados a usar preservativos em caso de sexo vaginal, anal e oral ou a se abster de sexo durante toda a gravidez.

O vírus Zika tem sido relacionado ao nascimento de bebês com microcefalia.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos registrou seis casos de transmissão sexual do Zika por homens que haviam sido infectados durante viagens a países da América Latina.

Reino Unido paga em média R$ 16.000 para mães que derem a luz em casa

parto-humanizado-barriga-gravida-mulher-1396368502915_615x300

Alvo de muitas críticas no Brasil, o parto domiciliar é considerado uma opção segura pelos órgãos de saúde britânicos. Prova disso é que o NHS (Serviço Nacional de Saúde britânico), o SUS do Reino Unido, oferecerá £ 3.000 (aproximadamente R$ 16.000) para que as mães contratem parteiras e optem por dar à luz em casa. A informação é do periódico britânico “Daily Mail”.

Além de mais barato, o parto em casa ou em pequenos centros comandados por parteiras –disponíveis no país– são tão seguros quanto os nascimentos em hospitais, segundo o NHS.

De acordo com dados do órgão, 90% das 660 mil mulheres que dão à luz na Inglaterra todo ano têm os filhos no hospital, ainda que apenas uma em cada quatro tenham escolhido por isso. A ideia do Serviço Nacional de Saúde é que as mulheres, cientes de todas as suas opções, possam tomar a decisão de parto que mais lhe interesse. Tanto que as mulheres que preferirem ter o bebê no hospital ainda terão essa opção disponível.

O dinheiro será oferecido para gestantes de baixo risco –que não tenham obesidade ou outras doenças graves nem estejam grávidas de gêmeos. Elas planejarão com a parteira e o médico de que maneira pretendem gastar a quantia.

A gestante poderá optar pelo parto em casa e/ou dar à luz em um quarto de um centro comandado por parteiras, com auxílio de hipnose, aromaterapia e acupuntura. O dinheiro também poderá ser usado para aulas de amamentação depois do parto. O NHS estima que as gestantes passem a receber esse dinheiro a partir de 2018.

Mulheres que querem engravidar terão de fazer mais exames de prevenção

parto-humanizado-barriga-gravida-mulher-1396368502915_615x300

Se for confirmada a relação entre zika, microcefalia e outras alterações neurológicas nos bebês, médicos que vêm acompanhando a evolução da epidemia afirmam que deve aumentar a gama de exames que as mulheres que querem engravidar terão de fazer como prevenção.

“No futuro, não tenho dúvidas de que a sorologia (teste) de zika vai entrar nessa lista. Vai passar a ser um exame obrigatório. Quem não estiver protegida, vai ter de tomar a vacina, assim como já ocorre com a rubéola, por exemplo”, afirma o neuropediatra Marcelo Mashura Rodrigues, presidente da Sociedade Brasileira de Neurologia Infantil.

Rodrigues também acredita que o zika pode levar a outros problemas, além de microcefalia e doenças oculares, que foram relatadas em estudo publicado na semana que passou. “Quando a mulher grávida tem rubéola, por exemplo, é comum o bebê ter alteração cardíaca”, disse. O mesmo poderia acontecer com o zika, mas, segundo ele, respostas precisas só serão dadas à medida que as crianças crescerem.

Até lá, valem medidas como sexo seguro, uso de repelentes, roupas compridas, mosquiteiros e telas contra o Aedes aegypti.

Zica está entre as doenças investigadas na causa de microcefalia

ultrasson

Microcefalia é nome que se dá quando a cabeça de uma pessoa apresenta tamanho menor do que o esperado para a idade. Pode resultar de problemas ocorridos no nascimento ou no transcorrer dos dois primeiros anos de vida (problemas que impeçam o crescimento normal do sistema nervoso central), ou ainda resultar de processos intra-uterinos e ser congênita (que é quando o bebê já nasce com a cabeça pequena).

Estamos vivendo uma situação na região Nordeste do nosso país (predominantemente em Pernambuco) em que muitos bebês estão nascendo microcefálicos, situação que vem gerando muitas dúvidas no meio leigo e no meio médico.

LEIA MAIS