Prefeitura diz que risco de infestação pelo Mosquito da Dengue em Petrolina é baixo

(Foto: Ascom/PMP)

Em levantamento realizado pela prefeitura de Petrolina, estudo aponta que o Índice Rápido de Aedes Aegypit (LIRAa) neste mês de novembro, ficou em 0,9%. Uma situação de baixo risco de acordo com o Ministério da Saúde, deixando o município em uma situação considerada satisfatória.

Foram vistoriados estabelecimentos residenciais e comerciais em diversos bairros da cidade e as comunidades com maiores taxas de infestação foram Mandacaru, Vila Eulália, Santa Luzia e Parque Mandacaru, com índice de 2,4%. Em segundo lugar, com 2,1%, aparecem os bairros Terras do Sul e José e Maria. Ocupam a terceira colocação, com 1,4%, Dom Avelar, Jardim Petrópolis, Vila Chocolate, Padre Cícero, São Gonçalo, São Joaquim e São Jorge.

LEIA MAIS

CCZ de Petrolina alerta que verão é época para infestação de pulgas e carrapatos

O verão não é uma estação agradável para os animais de estimação. Não apenas pelas altas temperaturas, mas também porque é a estação das pulgas e carrapatos. Por isso, o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Petrolina emite um alerta sobre os cuidados e a prevenção nessa época do ano.

Os proprietários de animais, como cachorros, devem ficar atentos ao risco de uma infestação. Isso porque, com as altas temperaturas e a umidade, os parasitas externos se reproduzem mais.

De acordo com a coordenadora do CCZ de Petrolina, Graziella Vasconcelos, a prevenção é fundamental não apenas para o bem-estar e saúde do animal, mas para toda a família. “Tratar só o peludo não vai ser suficiente: é preciso também cuidar do ambiente e, em casos extremos, fazer uma dedetização especializada que seja segura para os animais e para a família. Só aplique produtos indicados por seu veterinário e jamais no peludo”, disse.

LEIA MAIS

Primeiro levantamento do ano aponta médio risco de infestação do Aedes aegypti em Petrolina

(Foto: Ascom/PMP)

O resultado do primeiro Levantamento de Índice Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) de 2020, foi divulgado, nesta quinta-feira (16), pela prefeitura de Petrolina (PE). A pesquisa foi realizada entre os dias 6 e 10 de janeiro e identificou um índice de infestação de 1,0%, valor que deixa a cidade em situação de médio risco de acordo com o Ministério da Saúde. Em 2019, o último LIRAa – divulgado em novembro – apontou uma infestação de 0,7%, colocando Petrolina em situação satisfatória.

Os bairros que registraram maior infestação foram Dom Avelar, Padre Cícero, Loteamento Padre Cícero, São Joaquim e São Jorge, com índice de 3%. Em segundo lugar, com 1,8%, aparecem as comunidades do Terras do Sul, José e Maria, Vila Marcela, Residencial Vivendas, Loteamento Recife, Loteamento Nova York, Vila Eduardo e Residencial Monsenhor Bernardino.

LEIA MAIS

Segundo levantamento, Petrolina tem baixo risco de infestação pelo Aedes aegypti

Mosquito transmite diversas doenças.

A Secretaria de Saúde de Petrolina (PE) divulgou, nessa terça-feira (26), o resultado do último Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) em 2019 no município. De acordo com o que foi apurado, o índice geral ficou em 0,7%, o que representa baixo risco de acordo com o Ministério da Saúde.

No primeiro levantamento deste ano, o índice de infestação foi de 1,4%. O pior quadro apareceu no terceiro levantamento de 2019, quando o índice chegou a 2,1%, representando situação de médio risco para surto.

LEIA MAIS

Câmara de Juazeiro aprova Audiência Pública para discutir solução para infestação de muriçocas

(Foto: ASCOM)

A Câmara Municipal de Vereadores de Juazeiro, devido aos desconfortos causados pelas muriçocas na cidade, tem se empenhado na resolução desta situação que atinge a toda a população. É uma questão de saúde pública, sendo necessário que sejam tomadas atitudes efetivas.

Na Sessão Ordinária desta segunda-feira (21), sob a presidência de Alex Tanuri (PSL), a Casa Aprígio Duarte Filho, aprovou por unanimidade, requerimento de autoria do vereador Charles Leal (PDT), para realização de Audiência Pública sobre a Infestação de Muriçocas.

Também foi aprovado o requerimento de Audiência Pública do vereador, Fabinho de Pinhões (PRB), para discutir junto ao Comitê Gestor, Dnocs, Coelba, Chesf, Inema e Secretaria de Agricultura a implantação da extensão da Rede de Energia Elétrica nas bordas do Açude de Pinhões, visando a potencialização da agricultura irrigada e da caprinovinocultura.

Titulo de Cidadania

Foram promulgadas as resoluções que concedem o Título de Cidadão Juazeirense ao desembargador, Roberto Maynard Frank; ao reverendo padre Isael da Silva Brito e ao jornalista, José Fernando Veloso Monteiro, pelos relevantes serviços prestados ao município de Juazeiro.

Pernambuco: Risco de surto de arboviroses ainda é alto

(Foto: Arthur Mota/FolhaPE)

O número de municípios pernambucanos com risco de surto de arboviroses devido à infestação de Aedes aegypti caiu 26,8% em 2017 na comparação com 2016. O 1º Levantamento de Índice Rápido do Aedes (Liraa) deste ano, divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES), aponta que 60 cidades estão em risco contra 82 no mesmo período do ano passado. A diminuição não significa, no entanto, segurança para a população.

“Comparando com o mesmo período de 2016 temos menos municípios em situação de risco de epidemia. Mas aqueles em risco estão com índices bastante elevados. O risco de surto é quando se tem índice de infestação acima de 3,9. Tivemos casos de cidade com Liraa 23,3”, relatou a coordenadora de arboviroses da SES, Claudenice Pontes. Isso significa que, a cada 100 casas, 23,3 apresentaram focos do vetor de zika, dengue e chikungunya.

Chama a atenção infestação em João Alfredo (23,3), São José do Egito (22,6), Sertânia (15,5), Terezinha (15,5) e Altinho (13,5). No Grande Recife, as localidades com Liraa superior a 3,9 são Camaragibe, Chã de Alegria e Abreu e Lima. A Capital está em alerta com índice 1,2 e tem um bairro com risco alto de surto – Várzea, com 6,6.

LEIA MAIS

Produtores do Vale do São Francisco em alerta

Responsável por produzir 90% de toda manga in natura e 95% de uva de mesa do País, Pernambuco é destaque, quando se trata de exportação de frutas no Brasil. (Foto: Internet)

As altas temperaturas provocadas pelo o verão, podem aumentar os índices de infestação da mosca das frutas nos pomares, preocupando com produtores da região do Vale. A infestação da mosca-das-frutas nos pomares provoca a rejeição de mercados exigentes.

Responsável por produzir 90% de toda manga in natura e 95% de uva de mesa do País, Pernambuco é destaque, quando se trata de exportação de frutas no Brasil. As frutas são destinadas a mercados exigentes, como Japão e países da Europa.

“As moscas da fruta ainda são um grande impasse para os produtores. Além dos custos com o pós-colheita, existem os gastos com a inspeção internacional”, diz Jair Virgínio, presidente da Moscamed – empresa responsável pelo monitoramento na região.

A propagação da praga acontece também quando o preço das frutas no mercado externo não está competitivo. “Quando o produtor é pouco remunerado, a tendência é que ele cuide menos da sua plantação. Com o preço despencando, ele faz sequer a colheita”, frisou. Virgínio destacou ainda que, esta semana, a remuneração no mercado interno estava R$ 0,20 por quilo, enquanto que, no externo, estavam pagando um euro por quilo. Mesmo com valores discrepantes, reforçou o presidente, ambos são baixos e nada animadores.

Apesar de ter o maior programa de monitoramento para este tipo de praga do País, com 18 mil hectares do total de mangas e uvas, um produtor, que preferiu não se identificar, relatou atraso de seis meses na execução das diretrizes do programa. “Fomos prejudicados porque não houve continuidade. Acabou em dezembro de 2015 e só retomou em junho deste ano. E, para piorar, o lado produtivo baiano não faz o controle e complica ainda mais nossa situação”, relatou. O Governo de Pernambuco executa o programa com recursos da União. Do total de hectare observado, 5 mil são bancados pelos próprios produtores e 13 mil pelo Estado, por se enquadrarem no status baixa renda.

Com informações do FolhaPE

Pesquisa da Fiocruz revela que muriçoca também pode transmitir Zika

MURIÇOCA

A Fiocruz afirma, no entanto, que até que se compreenda a importância do pernilongo na epidemia, política de controle da Zika continuará focada no controle do Aedes aegypti./ Foto: internet

O mosquito “Culex quinquefasciatus”, conhecido como muriçoca ou pernilongo doméstico, também pode transmitir o vírus da Zika. A descoberta, inédita, é anunciada pela Fiocruz no Rio de Janeiro neste momento. A pesquisadora da Fiocruz Pernambuco Constância Ayres conseguiu encontrar, pela primeira vez, pernilongos carregando o vírus na natureza.

Até o momento, cientistas acreditavam que o Aedes aegypti era o principal vetor do vírus no Brasil. Em junho, Ayres disse que outras espécies de mosquito também transmitiam Zika em outros países.

LEIA MAIS

Índice de manifestação do Aedes aegypti continua estável em Petrolina

Ministério da Saúde registra uma queda de 78% no número de casos suspeitos de Zica em Pernambuco. (Foto: Arquivo)

São Gonçalo está entre os bairros com maior infestação do mosquito. (Foto: Arquivo)

A Secretaria de Saúde de Petrolina informa à população que realizou, entre os dias 06 e 13 de julho, o 4ª Levantamento de Índice Rápido de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) de 2016. A pesquisa aponta 0,7% para infestação do mosquito transmissor, considerado de baixo risco. O índice se manteve estável em relação à pesquisa anterior.

Entre os bairros com maior infestação do Aedes estão São Gonçalo, Jardim Petrópolis e Vila Chocolate, com 2,9%, em seguida estão os bairros Dom Avelar, São Jorge e Terras do Sul, com 1,9%.

LEIA MAIS