Preterida pelo PT, Marília Arraes deve ir ao PDT

(Foto: Ascom)

Enquanto o Partido dos Trabalhadores (PT) articula a expulsão de Marília Arraes da sigla, a deputada federal pernambucana já tem um caminho traçado, caso realmente tenha que deixar o PT. De acordo com o jornalista Jamildo Melo, a petista deve ir ao PDT.

A sigla é a casa de Ciro Gomes, candidato a presidente em 2018. Marília inclusive teria se reunido com Carlos Lupi, presidente Nacional do PDT, em Brasília. A chegada da deputada ao novo partido faria com que Ciro ganhasse um importante “palanque” em Pernambuco.

Ciro apoiou João, que virou as costas para o PDT

Entretanto, na eleição municipal de 2020, Ciro trabalhou pela candidatura de João Campos (PSB). Após o pleito, os socialistas “viraram as costas” ao PDT e não querem embarcar no projeto do possível candidato a presidente no próximo ano.

“É nessa esperança (que a aliança se desfaça) que ela está conversando. Seria candidata a governadora pelo PDT. Ela foi procurar Lupi para essa conversa. Já deveria saber que iria sofrer na comissão de ética. Tá se mexendo pra sair”, afirma uma fonte da política.

Lula teria sugerido a expulsão de Marília Arraes do PT, diz o jornalista Lauro Jardim

O Jornalista Lauro Jardim publicou em sua coluna deste domingo (28), em O Globo, que o ex-presidente  Lula estaria chateado com o posicionamento “independente” da deputada federal Marília Arraes (PT), em relação às determinações do partido. Segundo Lauro Jardim, Lula, que teve participação expressiva na campanha de Marília à prefeitura do Recife nas eleições de 2020, teria confidenciado a pessoas próximas que Marília merecia ser expulsa do PT.

LEIA MAIS

Marília Arraes assume a segunda secretaria da Câmara Federal

(Foto: Ascom)

A deputada pernambucana é a terceira mulher a ocupar um espaço na atual composição da Mesa Diretora da Casa. A petista terá a companhia das deputadas Rose Modesto (PSDB-MS) e Rosângela Gomes (Republicanos-RJ). Marília Arraes, do PT de Pernambuco, venceu a disputa pela segunda secretaria da Câmara Federal com 192 votos contra 186, do também petista pernambucano, João Daniel.

No primeiro turno, Marília Arraes chegou a ter mais votos que os dois correligionários na disputa. Ela teve 172 votos contra 166 de João Daniel. Em terceiro lugar, o deputado Paulo Guedes (PT) teve 54 votos e não chegou a passar para a segunda etapa da eleição interna.

LEIA MAIS

Oposição precisa de melhor articulação para derrotar PSB, afirma Marília Arraes

Deputada federal falou sobre impeachment de Bolsonaro e atuação da esquerda em PE (Foto: Ascom)

A deputada federal Marília Arraes (PT-PE) foi entrevistada no programa Super Manhã com Waldiney Passos dessa quarta-feira (27) e entre os temas abordados esteve a política. Ela falou sobre o pedido de impeachment de Jair Bolsonaro (sem partido) e a tentativa de unir a oposição de Pernambuco.

Marília foi candidata do PT à Prefeitura do Recife em 2020. Ela chegou ao segundo turno e liderou as intenções de voto, mas acabou derrotada. Após o pleito o partido deixou a base do PSB. Apesar da ruptura, a deputada federal espera união da esquerda.

“A gente disputou a eleição no Recife só. No segundo turno a oposição não se uniu. Meu esforço tem sido pra gente buscar uma unidade na oposição. No segundo turno teria sido diferente se tivesse tido uma unidade. Iniciando desde agora uma conversa, com certeza vai ficar menos difícil tirar o PSB do poder“, destaca.

Um dos passos dado por ela foi se aproximar com Armando Monteiro Neto, que é opositor ao grupo dos socialistas, ainda na campanha passada. Marília lembrou da “campanha suja” do PSB e reafirmou oposição ao atual grupo que comanda o Estado. “As pessoas precisam entender os nossos posicionamentos, posicionamento com o Estado de Pernambuco e não para fazer o nome de A, B ou C“, disse.

LEIA MAIS

Paulo Câmara vai discutir situação do PT no atual governo, após vitória de João Campos em Recife

Enquanto celebrava a vitória do seu aliado na capital Recife, Paulo Câmara (PSB) disse que discutirá a situação dos cargos ocupados pelo PT no Governo do Estado. PT e PSB foram adversários em 2020, mas segundo o governador, a situação será definida internamente.

LEIA TAMBÉM

João Campos é o novo prefeito do Recife; o mais jovem da história da capital pernambucana

“Vamos discutir. A gente está sempre discutindo. Tem muitas pessoas do PT que conversam conosco. Nós vamos conversar. Agora é um processo a se avaliar. Evidentemente tivemos uma disputa eleitoral muito dura e isso cabe reflexões. A gente vai fazer no âmbito interno, no âmbito da Frente Popular, como a gente sempre fez”, disse Câmara.

LEIA MAIS

Derrota de Marília na capital define caminho de petistas de Petrolina em 2020

Odacy é suplente de Marília, mas não herdará vaga

A derrota de Marília Arraes (PT) para João Campos (PSB) no Recife (PE) também foi sentida por dois políticos petrolinenses. Em primeiro lugar, por Odacy Amorim (PT), que é 1º suplente de Marília na Câmara dos Deputados e caso a neta de Miguel Arraes fosse eleita, herdaria a cadeira em Brasília (DF).

Mas Marília somou apenas 348.126 votos (43,73%), contra 447.913 votos (56,27%) de João. Vale lembrar que Odacy foi candidato a prefeito em Petrolina nesse ano e obteve apenas o terceiro lugar, totalizando 15.345 votos (9,64%).

A outra a sentir com a derrota da petista foi Cristina Costa (PT). Aliadas de longa data, especulava-se que Cristina poderia ganhar algum cargo com a vitória de Marília. Assim como Odacy, a vereadora de Petrolina não obteve sucesso em 2020 e conseguiu apenas a suplência em 2021.

Mesmo com a derrota, Costa destacou que companheira de partido é o presente e futuro do partido. “Ela resgatou a autoestima da militância petista, injetou energia positiva no Partido dos Trabalhadores, demonstrou coerência, firmeza em suas propostas e convicções […] Você é só orgulho para nós do PT“, escreveu nas redes sociais.

Pesquisa mostra João Campos e Marília com 50% dos votos válidos cada um na disputa para Prefeitura do Recife

Pesquisa de intenções de voto para o segundo turno da disputa pela Prefeitura do Recife, realizada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), em parceria com a Folha de Pernambuco, indica um empate numérico entre João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT), com 50% dos votos válidos (excluídos os brancos e nulos) para cada prefeiturável.

A margem de erro máximo estimada do estudo é de 3,5 pontos percentuais para mais ou para menos, com a utilização de um intervalo de confiança de 95,45%.

LEIA MAIS

Marília Arraes abre oito pontos de vantagem sobre João Campos em Recife

O Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), em parceria com a Folha de Pernambuco, divulgou o resultado da primeira pesquisa de intenções de voto para o segundo turno da disputa pela Prefeitura do Recife.

De acordo com o levantamento, Marília Arraes (PT) aparece com 54% dos votos válidos, excluídos os brancos e nulos, e João Campos (PSB), com 46%. A margem de erro máximo estimada do estudo é de 3,5 pontos percentuais para mais ou para menos, com a utilização de um intervalo de confiança de 95,45%.

LEIA MAIS

Pesquisa Ibope/JC/Globo mostra Marília Arraes na frente da disputa para prefeitura de Recife

A candidata Marília Arraes (PT) lidera numericamente as intenções de voto no segundo turno da disputa eleitoral pela Prefeitura do Recife. De acordo com a primeira rodada da pesquisa Ibope/JC/Rede Globo para o segundo turno, divulgada nesta quarta-feira (18), a petista aparece à frente do seu adversário João Campos (PSB), com 45% das intenções de voto.

O candidato socialista, por sua vez, tem 39%. Levando-se em consideração a margem de erro de três pontos percentuais para mais ou para menos, os postulantes estão tecnicamente empatados no limite da margem de erro.

LEIA MAIS

Marília Arraes entra com notícia crime contra Sara Winter

A deputada federal e advogada Marília Arraes e a professora de Direito da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e também advogada Liana Cirne, entraram na noite desta segunda-feira (17) com notícia crime contra a extremista Sara Giromini pela divulgação ilegal de dados sigilosos da criança de 10 anos vítima de estupro que, por determinação da Justiça, precisou interromper a gestação.

A denúncia foi apresentada à Promotoria de Justiça da Infância e Juventude do Distrito Federal, que deverá abrir investigação sobre o caso, levando à prisão de Sara Giromini, conhecida como Sara Winter.

LEIA MAIS

Humberto Costa ”engole” candidatura de Marília no Recife, mas não quer campanha com ataques ao PSB

O senador Humberto Costa (PT) disse, nesta quarta-feira (5), que acata a decisão do Diretório Nacional petista e aceita a candidatura da deputada federal Marília Arraes à Prefeitura do Recife. Humberto era o principal defensor da manutenção da aliança do PT com o PSB em Pernambuco e trabalhou nos últimos meses para que a pré-candidatura de Marília fosse rifada pelo PT. No dia 31 de julho, porém, a direção nacional da sigla confirmou o nome da parlamentar na disputa recifense.

A declaração do senador ocorre um dia após os diretórios estadual e municipal do PT, que também eram contra a candidatura, anunciarem que vão apoiar Marília no pleito. “O partido vai cumprir a determinação do Diretório Nacional. Eu, em particular, estou no PT desde a sua origem e nunca deixei de cumprir qualquer decisão partidária. Desse modo, nós vamos cumprir essa decisão”, cravou. Humberto não disse, contudo, se o partido pretende entregar os cargos que ocupa na gestão do PSB.

O senador afirmou, ainda, que espera que a deputada também cumpra o que foi decidido pelo partido em termos de tática eleitoral: um discurso nacionalizado, de enfrentamento às ações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). “Nossa estratégia considera que devemos nacionalizar essa eleição, que o centro da campanha é a crítica ao governo Bolsonaro, denunciando tudo o que está acontecendo hoje no Brasil, essa condução da pandemia, o aumento da pobreza e da desigualdade no País, as políticas em termos sociais. Além disso, queremos resgatar o legado dos governos do PT e realizar a defesa do presidente Lula”, declarou.

LEIA MAIS

Diretórios estadual e municipal do PT cedem e declaram apoio à candidatura de Marília Arraes no Recife

Depois de trabalharem intensamente para rifar a pré-candidatura da deputada federal Marília Arraes (PT) à Prefeitura do Recife em prol da manutenção da aliança com o PSB em Pernambuco, os diretórios estadual e municipal do PT decidiram apoiar o nome da neta do ex-governador Miguel Arraes na eleição deste ano. Presidente do PT-Recife, Cirilo Mota ressaltou, no entanto, que a sigla não pretende fazer oposição aos socialistas no Estado, mas sim reforçar o campo de esquerda no pleito.

Desde o início do ano, o Diretório Nacional do PT lançou o nome de Marília como candidata no Recife, mas as instâncias locais da agremiação, lideradas pelo senador Humberto Costa (PT), resistiam em romper com o PSB. No fim de junho, 37 dos 44 delegados do PT no Recife decidiram que o partido não lançaria candidatura própria na cidade. No dia 26 de julho, o Diretório Estadual petista optou por seguir a decisão da municipal. Na última sexta-feira (31), porém, a Nacional voltou a confirmar a presença da parlamentar na disputa recifense, fato que levou os presidentes estadual e municipal da legenda a se reunirem com a pré-candidata na última segunda-feira (3).

“Esse diálogo é fundamental para fortalecer a unidade no partido e também para avançarmos nas propostas que serão apresentadas aos recifenses com maior intensidade a partir de agora”, afirmou Marília, através de nota, após o encontro com os dirigentes partidários.

Ao Jornal do Commercio, Cirilo Mota disse acreditar que houve uma “intervenção” do Diretório Nacional do PT nos órgãos locais da sigla, mas que a decisão partidária será respeitada. “Seremos um projeto alternativo no campo de esquerda. A gente não sabe se a direita vai ter mais de uma candidatura, então vamos trabalhar para derrotar esse campo político, não faremos oposição ao PSB. A gente acreditava que a melhor tática era a aliança, mas respeita a decisão nacional. Agora vamos nos concentrar em derrotar o projeto da direita”, afirmou.

Ainda de acordo com o presidente, o Diretório Municipal do PT se reunirá no próximo sábado com Marília Arraes para elaborar a tática da campanha da deputada. “Como até então nenhum partido declarou apoio ao projeto do PT, temos que discutir estratégias, possíveis coligações. Por isso marcamos esse novo encontro”, pontuou.

O presidente estadual do PT, deputado estadual Doriel Barros, foi procurado para comentar o caso, mas não quis se pronunciar. O senador Humberto Costa não atendeu às chamadas feitas pela reportagem até a publicação desta matéria.

A segunda-feira também foi marcada por um encontro entre os presidentes nacionais do PT, Gleisi Hoffman, e do PSB, Carlos Siqueira. O teor da reunião não foi divulgado, mas cogita-se que o Recife seria um dos temas principais, uma vez que a candidatura do deputado federal João Campos (PSB) é prioridade no seio socialista. Presente na reunião, o deputado federal José Guimarães (PT) limitou-se a dizer: “Recife já está definido desde a última sexta-feira. Nossa candidata é Marília Arraes”. Siqueira preferiu não falar sobre o encontro.

PT volta a confirmar Marília Arraes como pré-candidata à Prefeitura do Recife

(Foto: Blog Waldiney Passos)

O Diretório Nacional do PT confirmou em definitivo o nome da deputada federal Marília Arraes como pré-candidata à Prefeitura do Recife, sem deixar margem a qualquer dúvida. A decisão foi tomada na sexta-feira (31).

Para Marília, a confirmação deixa clara a opção do partido em apresentar um projeto novo para o Recife, com mais desenvolvimento, combate às desigualdades e inclusão social.

“Essa é uma decisão importante porque consolida um projeto que estamos debatendo com os recifenses desde o último mês de março, quando o PT já tinha decidido pela candidatura própria no Recife. A confirmação de hoje me deixa ainda mais animada para continuar esse debate com o PT e com a população, porque temos com certeza um grande legado a defender e as melhores propostas para o futuro do Recife”, afirma Marília Arraes.

LEIA MAIS

“Medidas mais rígidas são bem-vindas, e poderiam ter sido tomadas até antes”, diz Marília Arraes

(Foto: Blog Waldiney Passos)

A deputada federal Marília Arraes tem defendido há vários dias a adoção de medidas mais rigorosas de isolamento social para conter o aumento do número de contaminação e mortes pela COVID-19 em Pernambuco. Ela vem cobrando atitudes mais articuladas, firmes e eficazes dos gestores, na mesma linha do que tem feito também o Ministério Público de Pernambuco e a própria Justiça.

Neste sábado (09), Marília comentou em suas redes sociais o anúncio de que Governo do Estado e Prefeitura do Recife devem passar a adotar nos próximos dias medidas mais rigorosas de isolamento social. Para ela, tais medidas poderiam ter sido inclusive tomadas antes, evitando que o Estado hoje tivesse, em 45 dias, um saldo de quase 1 mil mortes por COVID-19.

LEIA MAIS

“Pernambuco precisa de lockdown urgente”, sugere Marília Arraes

(Foto: Blog Waldiney Passos)

A deputada federal Marília Arraes defendeu na noite desta segunda-feira (04) uma tomada de atitude por parte do governador Paulo Câmara para que Pernambuco recorra com urgência ao lockdown (bloqueio em todas as atividades não essenciais), recurso recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e já adotado com resultados positivos por outros Países, como Argentina, Portugal e Nova Zelândia. No Brasil, o Maranhão começará a adotar o lockdown a partir desta terça-feira (05)

“Todos os países que optaram pelo lockdown mostraram o quanto a medida foi eficiente. Se o Estado tivesse tomado essa decisão antes poderia ter evitado o avanço no número de contaminados e mortos. Faltou coragem para que se decretasse o lockdown. Isto é uma questão de saúde e de responsabilidade pública”, afirmou.

LEIA MAIS
12345