Jacobina registra mais dois tremores de terra

(Foto: LabSis/Divulgação)

A terra voltou a tremer na cidade de Jacobina (BA). Na quinta-feira (10), o Laboratório de Sismologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) registrou dois abalos sísmicos. O primeiro ocorreu na noite de quarta-feira (9), por volta de 22h40.

O segundo, às 5h06 do dia seguinte. Nesta semana, foram três registros, contando com um na segunda-feira. Todos tiveram magnitude semelhantes, na casa de 1.6 mR. Segundo a UFRN, “até o momento desta publicação não há informações de que moradores tenham escutado ou sentido o evento”.

Laboratório de Sismologia volta a registrar dois tremores de terra em Jacobina

(Foto: Lasbsis)

A cidade de Jacobina (BA) registrou mais dois tremores de terra, na segunda-feira (10). O primeiro ocorreu por volta de 9h47, com magnitude de 2,0 mR. O segundo aconteceu às 10h45, com a mesma magnitude. As informações são do Laboratório de Sismologia (LabSis) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Nas duas ocasiões, o LabSis “não recebeu a informação de que moradores escutaram ou sentiram o evento ocorrido”. A região vem constantemente registrando abalos sísmicos, especialmente por ser uma região onde há minas.

Jacobina registra mais um tremor de terra no final de semana

(Foto: Reprodução)

A terra voltou a tremer em Jacobina (BA). Por volta das 16h06 de domingo (4), um novo abalo sísmico foi registrado no município. De acordo com o Laboratório Sismológico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), o tremor teve magnitude de 1.7.

Não há relatos de que o tremor de ontem tenha sido sentido pelos moradores de Jacobina. O Laboratório destaca que a estação sismográfica mais próxima está localizada no município de Ponto Novo, que fica a aproximadamente 57 km de distância.

“O Laboratório Sismológico da UFRN segue monitorando e divulgando toda atividade sísmica da região Nordeste do país em tempo real”, destaca a Universidade.

Jacobina registra mais dois abalos sísmicos

Jacobina, na região Norte da Bahia, voltou a registrar pequenos abalos sísmicos. Na quinta-feira (18) dois tremores foram observados pelo Laboratório Sismológico (LabSis) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). O primeiro, às 16h36 e o segunto, já durante a noite, às 18h07.

Os tremores tiveram magnitude de 2,2 e 1,7, respectivamente. De acordo com o LabSis, os moradores não escutaram ou sentido o abalo. Jacobina vem registrando abalos mensalmente, desde dezembro de 2020. A UFRN segue monitorando e divulgando toda atividade sísmica da região.

Tremor de 2.6 é registrado em Jacobina

Tremor foi registrado na segunda-feira

Um abalo sísmico de magnitude de 2.6 foi registrado na manhã de segunda-feira (25), em Jacobina, região Norte da Bahia. De acordo com o Laboratório Sismológico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), o tremor aconteceu às 3h07, horário local.

Ano passado o Laboratório já havia registrado um outro tremor. Tal fato aconteceu no dia 9 de dezembro. Foram dois abalos com magnitude de 3.2 e 3.0 respectivamente. A URFN não recebeu relatos de moradores de Jacobina em relação ao tremor de ontem.

Ao G1 da Bahia a Prefeitura também relatou não ter havido acidentes. O Laboratório Sismológico continuará monitorando a região.

Caruaru registra três tremores de terra no final de semana

Caruaru, no Agreste de Pernambuco registrou três tremores de terra no final de semana. De acordo com o Laboratório de Sismologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), os abalos tiveram magnitude de 2.2, 1.7 e 1.9 na Escala Richter.

LEIA TAMBÉM:

Tremor de 2.1 atinge Santa Cruz do Capibaribe

Os abalos foram sentidos na noite de domingo (29), mas sem registros de feridos. Os tremores de terra são comuns em Pernambuco, especialmente na região onde Caruaru está localizado. Na semana passada o fenômeno foi percebido em Santa Cruz do Capibaribe.

Tremor de 2.1 atinge Santa Cruz do Capibaribe

(Foto: URFN/Divulgação)

Um tremor de terra assustou moradores de Santa Cruz do Capibaripe, Agreste de Pernambuco, na noite de quinta-feira (26). De acordo com o Laboratório de Sismologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), o abalo teve magnitude de 2.1 na escala Richter.

O Laboratório disse ainda que o tremor é comum na região, sendo provocado por pequenas falhas geológicas as quais se movimentam e provocam os abalos. Na mesma região, em abril de 2018 foi registrado um tremor de 1.7 na cidade de Caruaru.

O tremor de maior intensidade registrado na região Agreste do Estado foi no ano de 2005, no município de São Caetano, que atingiu 4.0 na escala Richter.