Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Cautela com cenário eleitoral brasileiro faz dólar superar os R$ 4,10

(Foto: ADEK BERRY/AFP)

O Ibovespa, principal índice de ações da Bolsa de Valores de São Paulo, perdia o fôlego no começo da tarde desta segunda-feira (10), tendo o declínio das ações da Suzano entre as maiores pressões negativas, enquanto a cena eleitoral segue adicionando volatilidade ao pregão, com agentes financeiros à espera da divulgação da pesquisa Datafolha.

Mais cedo, o índice chegou a subir mais de 1%, oscilando brevemente acima dos 77 mil pontos. No início da tarde, no entanto, a Bolsa oscilava entre os campos positivo e negativo. Às 13h17, apresentava leve alta de 0,17%, aos 76.545,98 pontos.

Já o dólar, às 13h30, ultrapassava o patamar dos R$ 4,10 em alta de 0,69%, cotado a R$ 4,1134. Depois de cair firme e rapidamente na quinta-feira (06), após o ataque sofrido pelo candidato Jair Bolsonaro (PSL), a moeda devolve parte da queda enquanto os agentes do mercado aguardam por pesquisas de intenção de voto e em meio a ajustes aos preços globais da sexta-feira, quando foi feriado no Brasil.

Além do cenário eleitoral, há ainda preocupação sobre os efeitos da guerra comercial depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, alertou que está pronto para seguir adiante e aplicar tarifas sobre mais US$ 267 bilhões em produtos importados da China, além dos US$ 200 bilhões sobre bens do país asiático que já devem ser taxados nos próximos dias.

A pesquisa Datafolha estava prevista para ser realizada nesta segunda-feira, com divulgação agendada para após o fechamento do pregão. Na visão do economista-chefe da Rio Bravo, Evandro Buccini, o resultado será influenciado pela proximidade com o ataque contra Bolsonaro e deve impulsionar o candidato do PSL, mas ele pondera em nota a clientes ser “difícil saber se ele (Bolsonaro) conseguirá manter esse novo patamar”.

Fonte: Estadão

Deixe uma resposta