10 anos depois Operações Coletivas de casas populares em Petrolina contempla famílias com residências  

Julio,Edinaldo,Odacy
Após 10 anos de espera as 63 famílias da Vila Vitória, inscritas em 2006, no Programa Municipal de Operações Coletivas em Petrolina, foram contempladas com a casa própria na sexta-feira (19) no Residencial Vivendas Petrolina I e II. As famílias receberam as novas residências após migrarem para o Programa Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal.

Desde 2013, as famílias inscritas no programa Operações Coletivas que não foram contempladas com as casas passaram por um processo pioneiro de distrato, ou seja, cancelamento do contrato que mesmo diante a várias tentativas do município desde então, não foi possível efetuar a entrega das residências, já que na época de contratação das casas o programa previa contratação de construtora com o valor de R$ 9 mil por cada habitação, valor já impraticável.

 Neuzimar Corina Lima dos Santos e o marido Givanildo dos Santos destacam que. “É uma sensação praticamente indescritível saber que hoje estamos em nossa casa, algo que parecia que não ia acontecer depois de tanto tempo. Estamos muito felizes com a certeza de que agora sim nosso sonho foi realizado”, afirmaram.

Foram convocadas as famílias da Vila Vitória, nas imediações do bairro Henrique Leite, para apresentarem a proposta de distrato da Operação Coletiva e a inclusão no programa Minha Casa Minha Vida. A primeira comunidade beneficiada foi a do bairro Pedra Linda.

Petrolina foi uma das primeiras cidades brasileira a realizar distrato e migração de um programa habitacional para outro. As famílias envolvidas no primeiro processo de migração foram contempladas com as unidades do Conjunto Nova Vida I, no bairro João de Deus.

Deixe uma resposta