AMMPLA emite nota sobre caso de estudante agredida por suposto mototaxista

(Foto: Internet)

Na manhã desta quinta-feira (08), nosso blog publicou uma matéria sobre o caso de violência envolvendo um suposto mototaxista de Juazeiro (BA) e uma estudante de Petrolina (PE), ocorrido na noite de ontem (07) em Petrolina.

Segundo Luana Vieira, professora da estudante, a jovem relatou que abordou o mototaxista que vestia farda de Juazeiro, na Praça da Sementeira em Petrolina, para uma “corrida” com destino a Cohab Massangano, porém, no meio do caminho o mototaxista mudou o roteiro e seguiu para uma estrada de terra, onde aconteceu a agressão. Depois de conseguir se livrar do agressor, a estudante foi socorrida por um motorista que passava pelo local, e em seguida foi levada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), acompanhada dos policiais do 2º Batalhão Integrado Especializado (BIEsp).

LEIA TAMBÉM:

Estudante é agredida por suposto mototaxista de Juazeiro

Sobre o caso, nós solicitamos esclarecimentos das prefeituras de Juazeiro e Petrolina. Até o momento, obtivemos retorno apenas da Autarquia Municipal de Mobilidade de Petrolina (AMMPLA).

Por meio de nota, a Ammpla informou que “tem intensificado as fiscalizações acerca do serviço na cidade. Diariamente, os agentes de fiscalização fazem blitz nas quais abordam os mototaxistas para verificar, entre outros itens, o Termo de Permissão (TP) cujo número deve ficar afixado no veículo autorizado”.

A Autarquia ainda informou sobre as medidas adotadas para garantir a segurança das pessoas que utilizam o serviço dos mototaxistas. “Uma das medidas de segurança adotadas pela Ammpla foi a proibição do uso da balaclava (touca ninja) pelos mototaxistas. Quem for flagrado com a touca pode ser autuado e pagar uma multa de R$ 150 como prevê o Decreto 83 de 2009”, diz a nota.

“O usuário que verificar qualquer irregularidade nas vestimentas, na plotagem da moto ou no número de permissão deve anotar a placa da moto e denunciar o caso à Policia Militar ou à Ouvidoria do Município através do 156”, alerta.

Deixe uma resposta