Angústia: família aguarda há dois meses por liberação de corpo no IML de Petrolina

Biraci está desaparecido há quase uma semana (Foto: Arquivo Pessoal)

Nessa sexta-feira (21) a angústia da família de Biraci dos Santos, natural de Sanharó (PE) completa dois meses. Ele tinha 36 anos quando desapareceu em dezembro passado e foi encontrado morto no final do ano. Em meio ao luto, os parentes buscam forças para cobrar a liberação do corpo da vítima.

A família reside em Sanharó (PE) e aguarda há 60 dias para se despedir de Biraci. Nós mostramos a situação no mês passado e até hoje o corpo da vítima está retido no Instituto Médico Legal (IML) de Petrolina. “Não entendo o porquê de tanta demora, isso não é justo. Da outra vez pedimos ajuda a vocês, eles falaram que iria sair, mas até agora nada”, desabafou uma irmã de Biraci.

LEIA TAMBÉM

Em resposta ao Blog, SDS afirma que corpo retido no IML de Petrolina ainda está sendo analisado

Denúncia: família cobra resposta do IML sobre liberação de corpo retido em Petrolina

Exame feito na capital

Em janeiro a Secretaria de Defesa Social de Pernambuco (SDS) deu como prazo o começo de janeiro para a liberação acontecer, o que não se confirmou.  Segundo o IML, a demora se dá ao fato de ter sido feita uma análise de perfil genético no Instituto de Genética Forense Eduardo Campos, na capital Recife. “Por esse mesmo motivo, o DNA utilizado para o exame foi extraído de uma amostra do tecido ósseo, o que torna o processo ainda mais delicado”, diz a nota.

Confira a seguir a íntegra da nota:

“NOTA/IML DE PETROLINA

O Instituto de Medicina Legal de Petrolina esclarece que devido ao avançado estado de putrefação, a identificação do corpo em questão precisou ser feito por meio de análise de perfil genético, no Instituto de Genética Forense Eduardo Campos, no Recife.

Por esse mesmo motivo, o DNA utilizado para o exame foi extraído de uma amostra do tecido ósseo, o que torna o processo ainda mais delicado. Ainda assim, o IML de Petrolina informa ainda que está mantendo contato constante com o Instituto de Genética Forense no sentido de agilizar a conclusão do exame e, assim, poder liberar o corpo para a suposta família”.

Deixe uma resposta