Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Após incidente envolvendo Guarda Municipal, Cristina Costa pede diálogo com secretário; pasta afirma que atitude de agentes foi correta

(Foto: Ascom)

Na sessão de quinta-feira (14) na Casa Plínio Amorim, Cristina Costa (PT) leu uma carta de uma petrolinense que presenciou a atuação de alguns agentes da Guarda Civil Municipal em um incidente registrado no Restaurante Popular na quarta-feira (13).

Os agentes usaram spray de pimenta em público, para conter um homem supostamente embriagado que estava na fila de acesso ao restaurante, mas o químico do spray atingiu pessoas que aguardavam para almoçar. “Essa nova medida foi colocada em prática agora na gestão do prefeito Miguel Coelho, o secretário que ele trouxe de Recife instituiu o spray de pimenta [na cidade]. Eu já fui vítima, não que ele colocou contra mim, mas para combater trabalhadores”, afirmou em discurso na Câmara.

Em entrevista ao Blog, a vereadora disse ser necessário chamar o secretário de Segurança Pública, José Silvestre, para se esclarecer a situação e evitar que a imagem da Guarda fique manchada. “A gente precisa ter uma condução de como melhorar, para não estragar a imagem da Guarda Municipal”, relatou Costa.

Secretaria afirma que atitude de agentes foi correta

Procurada pelo Blog, a secretaria-executiva de Segurança Pública afirmou não compactuar com qualquer atitude imprópria dos guardas. De acordo com a pasta, a ocorrência está sendo apurada, contudo tudo indica que o posicionamento dos agentes foi correta.

“Eles seguiram a orientação de usar o armamento não letal disponível para o controle de uma pessoa que não possui suas faculdades mentais devido a efeito do álcool. Isso fez com que o risco as outras pessoas fosse menor”, disse a secretaria.

Apesar da afirmação anterior, a secretaria não descarta punir os envolvidos se for constatado o excesso dos agentes que atuaram na ocorrência citada pela edil. “Se ficar constatado que houve algum excesso, punições serão aplicadas para quem cometeu”, concluiu a pasta.

Um Comentário

  • Joseilton

    15 de fevereiro de 2019 at 16:05

    O correto a se fazer era comprar uma garrafa de cachaça, para o bêbado! .
    Eu acho que se deixando o vagabundo, quebrando tudo e ameaçando o povo,ele ganhava uma medalha por desobediência e destruição do patrimônio público, dada pela vereadora do PT! .

    Responder

Deixe uma resposta