Baianos estupram sete mulheres por dia, diz SSP

feminismo

Na mesma postagem, feita no Facebook, a adolescente vítima do estupro coletivo contou que tinha medo do julgamento das pessoas

A dor na alma também pode ser estendida às sete mulheres que são estupradas por dia na Bahia. Só em 2015, segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP-BA), foram 2.549 casos. A maior parte dos registros foi em Salvador – em números absolutos, foram 531 casos, o que dá uma média de 1,4 denúncias por dia. “O crime é tão grave, que é como se matasse e ainda incendiasse o corpo para ocultar o cadáver. A mulher nunca mais vai ser a mesma. E ainda tentam colocar a mulher como culpada. Perguntam o tempo todo onde ela estava”, ilustra a desembargadora Nágila Brito, titular da Coordenadoria das Mulheres em Situação de Violência do Tribunal de Justiça (TJ-BA).

Ela lembra que muitas vítimas têm vergonha e medo de serem julgadas. Na mesma postagem, feita no Facebook, a adolescente vítima do estupro coletivo contou que tinha medo do julgamento das pessoas. Ela não esperava que fosse receber apoio, e agradeceu por tantas mensagens condolentes.

“O estupro gera vergonha e essa vergonha se traduz pelo medo. É a vergonha de denunciar e o medo das consequências porque há uma exposição da pessoa que foi violada. É uma vergonha admitir que foi violada em sua intimidade”, explica Dayse Dantas, coordenadora do Serviço Viver, que atende mulheres violentadas na Bahia.

A violência sofrida pela jovem foi no final de semana passado. Na sexta-feira, ela foi até a casa do namorado. Acordou no domingo, depois de ter sido estuprada por um grupo de homens armados. Na quarta-feira, um dos agressores postou um vídeo na internet que mostrava a vítima desacordada, nua e ferida. Nas imagens, dois homens fazem piada. “Essa aqui, mais de 30 engravidou. Entendeu ou não entendeu?”.

Com informações de Correio da Bahia

Deixe uma resposta