Candidato da oposição em Pilão Arcado lamenta violência em campanha eleitoral

Mundoca prega Paz e propõe debate público em Pilão Arcado.

Pilão Arcado (BA) tem vivido dias sombrios durante a campanha eleitoral. O grupo de oposição que deve participar das novas eleições, convocadas para o dia 02 de fevereiro deste ano, foi alvo, recentemente, de disparos de arma de fogo durante gravação de programa eleitoral.

Inconformado com a ação criminosa, o candidato a prefeito pela Coligação “Pilão Quer Mudança”, Raimundo Nonato Dias dos Santos, conhecido como Mundoca, lamentou o atentado contra seu grupo. O candidato convocou o candidato adversário a realizar um debate para falar sobre as necessidades do município.

“Eles querem se manter no Poder a todo custo e a fórmula é aterrorizar. Porque ao invés de atirar, Orgeto não se dispõe a fazer um debate público? Na praça, onde ele quiser. Vamos falar sobre Pilão. Sobre a necessidade de fazer desta cidade um lugar onde nos orgulhamos de ter nascido. Pilão não merece que a campanha seja apenas mais um assunto policial”, disse Mundoca.

O grupo adversário é encabeçado pelo presidente da câmara de vereadores da cidade, Orgeto Bastos, que assumiu a prefeitura interinamente após decisão que afastou o prefeito eleito em 2016. Durante a ação criminosa contra o grupo de oposição, os autores teriam utilizado o nome do prefeito interino.

Novas eleições

A nova eleição ocorre após os mandatos do prefeito do município de Pilão Arcado, Manoel Afonso Mangueira (PP), e de seu vice, Daltro Silva Melo (MDB), terem sido cassados pela Justiça Eleitoral (veja aqui), por abuso de poder político e econômico, caracterizado pela contratação massiva de servidores em período vedado pela legislação eleitoral.

Violência

Devido à ocorrência do fato criminoso, o Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) solicitou intensificação da segurança na cidade durante o período eleitoral. A solicitação foi feita a diversos órgãos, a exemplo da Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) e da Superintendência da Polícia Federal na Bahia.

Deixe uma resposta