Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Caso Beatriz: Após três anos, primeiro grande passo é dado

(Foto: Blog Waldiney Passos)

Dois dias após completar três anos, o caso Beatriz deu seu primeiro grande passo em busca da elucidação do crime que chocou a população de Petrolina (PE), Juazeiro (BA) e região em dezembro de 2015.

A decisão do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJ-PE), nesta quarta-feira (12), que decretou a prisão do primeiro suspeito a ter envolvimento com o crime, Alisson Henrique de Carvalho, ex-funcionário do Colégio Maria Auxiliadora, dá um norte ao caso que por muito tempo esteve na escuridão. Alisson é suspeito de ter apagado imagens das câmeras de segurança do dia do crime.

Pais de Beatriz.

Além disso, a decisão reforça as palavras de Lúcia Mota, mãe de Beatriz, que questionou, em entrevista a este blog, o “porquê de o Colégio atrapalhar as investigações”, e coloca o Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora em situação delicada, já que a escola sempre negou ter atrapalhado investigações.

Para Lucinha, a prisão de Alisson é o “fio do novelo”. “Ele vai ter que se explicar o porquê que ele fez isso. Essa é a ponta do novelo para solucionar o caso, é o norte da investigação. Daí que a gente pode realmente começar a solucionar o caso de minha filha”.

Segundo Sandro Romilton, pai de Beatriz, durante a manifestação em frente ao TJ-PE, nesta quarta, as imagens foram apagadas 20 dias depois do crime, após a polícia pedir para que as imagens das câmeras fossem entregues. “Quem deu essa ordem para que esse funcionário voltasse à cena do crime?”, questionou.

LEIA TAMBÉM

Caso Beatriz: TJPE aceita recurso e decreta prisão preventiva de suspeito de apagar imagens

Caso Beatriz: segundo TJPE, prisão de Alisson deve ser cumprida até esta quinta

Caso Beatriz: Colégio Maria Auxiliadora nega ter atrapalhado investigações

Até a decisão do TJ-PE o que a polícia tinha de material para dar seguimento à elucidação do crime era um retrato falado do suspeito de ter assassinado Beatriz e algumas imagens de câmeras de segurança do lado externo da escola que mostram uma movimentação estranha de um indivíduo, considerado um dos suspeitos de ter cometido o crime.

Relembre o caso

Beatriz Mota tinha 7 anos quando foi brutalmente assassinada. Seu corpo foi encontrado em 10 de dezembro de 2015, com marcas de mais de quarenta facadas.

A garota sumiu durante festa na instituição de ensino em que estudava, o Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora, em Petrolina.

Deixe uma resposta