Chuvas e aumento do dólar afetam preço da cesta básica em Petrolina e Juazeiro

Cesta-Básica

O preço dos alimentos segue em alta em Petrolina e Juazeiro. A inflação agregada nas duas cidades no mês passado chegou a 7,06%, segundo o Índice da Cesta Básica (ICB) da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (Facape). No lado pernambucano, o valor da cesta continua maior, com uma diferença de R$ 11,70 em relação ao preço registrado em Juazeiro.

Diferente de janeiro de 2015 – quando a estiagem causou a diminuição da produção e, consequentemente, aumento nos preços – o ano de 2016 começou chuvoso no Vale do São Francisco. Mas, o excesso de chuvas causou grandes perdas nas regiões produtoras. O resultado foi a diminuição da oferta e aumento nos preços de alguns itens, como tomate, arroz e feijão carioca. A carne continua em alta.

Os produtos afetados pela desvalorização do real frente ao dólar também contribuem para que a cesta permaneça mais cara. O açúcar, por exemplo, teve o preço alavancado devido ao aumento das exportações e redução da oferta no mercado interno, além do crescimento da parte da cana de açúcar destinada à produção de etanol.

Redução do poder de compra

Nos últimos meses, o crescente aumento do valor da cesta básica tem reduzido o poder de compra da população. Segundo o professor Dr. João Ricardo Lima, coordenador da pesquisa, em janeiro, 40,2% da renda de um trabalhador do Vale do São Francisco, que ganha um salário mínimo de R$ 788, foi gasto apenas com a alimentação básica.

“Ainda recomendamos pesquisar, comprar quantidades menores, observar as promoções e substituir os alimentos mais caros”, disse o professor.

A pesquisa é realizada mensalmente pelo Colegiado de Economia e está disponível na página eletrônica da Facape , no link ICB.

Com informações de Ascom

Deixe uma resposta