Corpo de médico da cidade de Campo Alegre de Lourdes (BA) assassinado em Recife será enterrado neste sábado

Carro do IML saindo do condomínio em Aldeia. (Foto: Paullo Allmeida/Folha de Perambuco)

Quase dois meses depois da provável data do assassinato, o corpo do cardiologista e advogado Denirson Paes da Silva foiliberado no início da noite desta sexta-feira (27), pelo Instituto de Medicina Legal (IML) de Pernambuco, no Recife.

Os restos mortais do médico – encontrados pela Polícia Civil de Pernambuco dentro de uma cacimba na residência onde morava com a família em condomínio no km 13 de Aldeia, em Camaragibe – seguiram para Campo Alegre de Lourdes, no Estado da Bahia, onde o corpo será enterrado. O sepultamento, previsto para as 17h deste sábado (28), acontecerá no cemitério municipal da cidade.

Os suspeitos do crime – a esposa do médico, Jussara Paes, e um dos filhos do casal, Danilo, 23 – estão presos provisoriamente.

“Foi um alivio a liberação dos restos mortais de Denirson porque são praticamente sessenta dias depois do ocorrido. Primeiramente veio o desaparecimento, segundo a confirmação do óbito e terceiro, esse sofrimento de juntar os pedaços do corpo. É um alívio acompanhado com muita dor e sofrimento para toda a cidade porque Campo Alegre [de Lourdes] é uma cidade pequena em que todos nós somos amigos e irmãos”, comentou Auristela Ferreira Paes, prima de Denirson.

De acordo com familiares, o filho mais novo do médico, Daniel Paes, de 20 anos, acompanhará o corpo do pai, que deve chegar à cidade por volta das 7h deste sábado. “Eu ainda não sei como está o estado de saúde de Daniel porque eu não me encontrei pessoalmente com ele, mas ele seguirá para a Bahia junto ao corpo do pai”, contou Auristela.

Entenda o Caso
O desaparecimento do médico cardiologista Denirson Paes da Silva vinha sendo investigado desde o início de junho. Em um Boletim de Ocorrência registrado no último dia 20 de junho sobre o desaparecimento do marido, a farmacêutica Jussara Rodrigues Silva Paes, 54, alegava que a vítima teria viajado para fora do País e que não teria retornado. A delegada Carmem Lúcia, de Camaragibe, desconfiou do envolvimento dos familiares e solicitou um mandado de busca e apreensão no condomínio em que eles moravam.

Para a polícia, há indícios suficientes da participação de mãe e filho na ocultação do cadáver do médico, encontrado no último dia 4 de julho dentro de uma cacimba na casa onde morava, no condomínio Torquato Castro, na Estrada de Aldeia, em Camaragibe, Região Metropolitana do Recife. As investigações continuam a fim de esclarecer a motivação e a conduta de cada um.

Vizinhos do médico afirmaram que dois funcionários dele prestaram depoimento. Um deles teria afirmado que a esposa da vítima o chamou dias atrás para fechar, com cimento, uma cacimba que já estaria fechada com uma tampa “bastante pesada para ser carregada por uma pessoa só”. O homem teria notado um mau cheiro, mas a farmacêutica alegou que um gato tinha morrido dentro da cacimba.

O segundo funcionário contou à polícia que o médico, pouco antes de desaparecer, tinha explicado a ele que não precisaria mais de seus serviços porque estaria se separando e iria morar no Recife.

(Com informações da Folha de Pernambuco)

Deixe uma resposta