Democratas não medem esforços. Coelhos fazem gestos

O governador Paulo Câmara foi avisado, na segunda-feira, sobre a presença do presidente da República em exercício, Rodrigo Maia, em Petrolina, assim que desembarcou no aeroporto daquela cidade. O democrata chegaria ao mesmo local horas depois. O convite original, a Rodrigo, era para que ele prestigiasse a abertura do São João de lá na última sexta-feira, quando se dava a festa que os Coelho promovem na casa da família e o democrata ainda não havia assumido o cargo de presidente da República. No entanto, a agenda dele não permitiu. Mas uma passagem por Salvador, anteontem, foi a ponte que faltava. De lá para Petrolina, são 50 minutos de voo. O almoço na Bahia era com o prefeito ACM Neto, que foi junto. Paulo Câmara cumpria suas agendas administrativas, quando o presidente decolou rumo a Petrolina. O ministro Fernando Filho chegou a pedir licença para discursar antes e justificou que sairia mais cedo porque precisava recepcionar o presidente. Do aeroporto, seguiram até a prefeitura, para onde Paulo Câmara e o prefeito Miguel Coelho também se dirigiram.

Os democratas não estão medindo esforços para arrastar o grupo de deputados federais socialistas para o DEM. Fez uma semana, ontem, que dera-se uma reunião na casa de Maia, em Brasília, sobre o assunto. Havia 16 parlamentares do PSB presentes. Ontem, se Paulo Câmara fez o gesto de ir até os Coelho, o grupo, por sua vez, comandado pelo senador Fernando Bezerra Coelho, fez, de outro lado, o gesto de reunir o governador, que é vice-presidente nacional do PSB, com o presidente da República em exercício. Em política, os gestos contam muito. De outro lado, não inviabilizam movimentações de aproximação de membros do ninho socialista com o DEM. Ontem, o ministro de Minas e Energia, Fernando Filho, segundo deputados federais, voltou a almoçar com o presidente Rodrigo Maia. Desta vez, em Brasília.

Na segunda e na terça

O almoço, na casa de Rodrigo Maia, ontem, foi oferecido ao economista Marcos Lisboa. A pauta girou mais em torno da crise pela qual o País passa. Mas o ministro Fernando Filho, segundo parlamentares, estava na lista de convidados e dividiu o menu pelo segundo dia consecutivo com o presidente.

De longe

A afinidade entre Fernando Filho e Rodrigo Maia vem desde a primeira eleição do democrata para a presidência da Câmara. Na época, o PSB tinha a candidatura de Júlio Delgado colocada e ela acabou desmobilizada. PSB, PSDB, DEM e PPS apoiaram Rodrigo num primeiro momento.

Com informações da Folha de Pernambuco.

Deixe uma resposta