Depois de pouco mais de três décadas, Brasil deixa de ter horário de verão 

(Imagem: Ilustração)

Um decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro, no dia 25 de abril, cancelou o horário de verão. A medida atingia as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, que antes, a esta altura do mês de outubro, já estariam se programando para adiantar os relógios em uma hora. Esta é a primeira vez em 34 anos, que o Brasil não terá horário de verão

A decisão de Bolsonaro foi baseada em recomendação do Ministério de Minas e Energia, que apontou pouca efetividade na economia energética, e estudos da área da saúde, sobre o quanto o horário de verão afeta o relógio biológico das pessoas. Em julho, o presidente afirmou que “qualquer decreto pode ser modificado”.

Entre 1º e 31 de outubro de 2018, em uma enquete do DataSenado, dos 12.970 internautas que responderam, 55% rejeitaram o horário de verão e, portanto, apoiaram o Projeto de Lei do Senado (PLS) 438/2017, que proíbe a adoção dos chamados horários especiais (como o de verão) em qualquer região do território nacional e época do ano. Os contrários à proposta somaram 44%, e 1% não soube ou não quis responder.

Criação do horário de verão

O horário de verão foi criado em 1931, por decreto do presidente da República na época, Getúlio Vargas, com o intuito de economizar energia, a partir do aproveitamento de luz solar no período mais quente do ano, e tem sido aplicado no país, sem interrupção, ao longo dos últimos anos.

Normalmente, o horário de verão ocorria entre o terceiro domingo de outubro e fevereiro, quando os relógios deveriam ser adiantados em uma hora, e vigorava nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal. O estados do Norte e Nordeste não eram afetados.

Com informações do Jornal do Commercio

Deixe uma resposta