Em cima da notícia, a coluna mais esperada da semana

Réveillon à moda da casa

20111229084716A prefeitura de Petrolina ainda não entendeu a importância de uma festa de réveillon à altura de nossa cidade e insiste em não colocar na programação oficial atrações de peso, sem desmerecer, é claro, a  prata da casa. O momento seria propício para contratação de grandes nomes sem gastar milhões de reais como acontece nas festas de São João. A iniciativa poderia atrair um números maior de pessoas de outros municípios e movimentar ainda mais nossa economia. Tem muita gente da região que se desloca para outras cidades justamente por falta de opção, por não ter aqui uma festa mais atrativa. Seria então, uma cartada certeira se não predominasse apenas o pensamento eleitoreiro em detrimento de uma política séria de lazer na terra dos impossíveis.

2016 está chegando

E vem carregado de boas intenções, principalmente entre os jovens deputados Miguel Coelho e Lucas Ramos, ambos do PSB. Boas intenções quando se trata de puxar a sardinha para o seu lado.  Cada um joga com a elegância de grandes profissionais, trocando figurinhas e sempre que necessário, alfinetando com palavras sutis, mas com endereço certo, o que realmente querem para o ano novo. Orientados por mestres da política, os dois pessebistas trocam farpas sem perder a postura, ocupando cada vez mais espaço na corrida pela sucessão municipal.  Uma coisa já é praticamente certa, dificilmente os dois remarão no mesmo barco ano que vem.

2015 está partindo

OSVALDO COELHO E WALDINEY PASSOSE levando uma parte da história de Petrolina. Este ano perdemos um dos nossos maiores políticos o eterno deputado Osvaldo Coelho. Homem de pensamento futurista, visionário que contribuiu para a transformação dessa região. Sempre pensativo, olhando para frente, bem à nossa frente. Queria sempre mais, poderia ter sido o político que ajudou a trazer a irrigação, mola mestra de nossa economia e se contentar com isso, mas não, lutou e conseguiu trazer a tão sonhada universidade federal para o Sertão do São Francisco e morreu sem ver o sonho do canal do sertão concretizado, mas também envidou esforços neste sentido. Fica o legado e o exemplo de vida a ser seguido daqui por diante.

Renovação que assombra

A esperança é a última que morre. Enquanto houver vida há esperança. São adágios que servem para traduzir o sentimento que permeia os bastidores da política quando se trata de renovação de mandato de vereador na eleição de 2016. Há quem acredite em um percentual altíssimo como ocorreu nos dois último pleitos, uns apostam em mais em 90% de renovação, outros entre 70% e 80%. Pode ser que sim e pode ser que não, este percentual deverá cair e muito levando-se em consideração o aumento do número de cadeiras na Casa passando de 19 para 23, é um fator que ser avaliado, pois deverá beneficiar quem já tem mandato.

De galho em galho

Como ficaria a situação de muitos puladores de galho se o grupo e Fernando Bezerra ganhar as eleições de 2016?

Tem tanta gente hoje imprensada no grupo de Júlio Lossio e que se beneficiou de gestões passadas, inclusive participando diretamente de campanhas contrárias a gestão que aí está, mas que não tiveram forças para ficar fora do poder e correram para os braços do rei sem olhar para trás. Como ficaria então essa gente em caso de derrota do atual prefeito?

Agora vai

A pisadinha é esta, agora a coisa vai, arrumamos a casa agora o trabalho vem. 2016 para muitos gestores da região é o ano do trabalho, sem conseguir satisfazer aos anseios da sociedade, com baixa popularidade, os prefeitos aproveitam o ano eleitoral para despertar na população o sentimento de dever cumprido, muitos prestam contas de que não foi feito e tome-lhe promessa para justificar tamanha incompetência. resta ao eleitor abrir o olho porque ano que vem obra iniciada é o que não faltar na região. Passada a eleição máquinas são retiradas, obras paralisadas e  povo outra vez fica a ver navios.

Waldiney Passos, radialista e blogueiro

Deixe uma resposta