Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Flagrante: Gestantes dormem em bancos e cadeiras na maternidade de Juazeiro

(Foto: Reprodução/WhatsApp)

Fotografias que circulam nas redes sociais e em grupos de WhatsApp da região, desde a manhã desta quarta-feira (12) mostram gestantes dormindo em bancos e cadeiras na Maternidade de Juazeiro (BA), localizada no bairro Santo Antônio. As imagens disseminadas na internet, mostram o descaso e desrespeito da gestão municipal com as pacientes.

A mensagem descritiva que acompanha as fotos, afirma que as mulheres grávidas resolveram dormir de forma improvisada por que no Hospital não tem leitos disponíveis para abrigar todas as pacientes.

A Produção do Blog Waldiney Passos enviou por e-mail, uma solicitação de nota para a prefeitura de Juazeiro sobre a denúncia, questionando a veracidade das fotos, bem como das informações repassadas e o número de leitos disponíveis no Hospital. Até o momento a gestão municipal não se pronunciou sobre o caso.

Outro lado

Procurada pelo Blog Waldiney Passos, a prefeitura de Juazeiro, por meio da Secretaria de Saúde, emitiu uma nota atribuindo a situação flagranteada a superlotação da maternidade, que segundo a SESAU é provocada pela demanda da Rede PE/BA  a qual, unidade hospitalar faz parte. Confira a nota na íntegra:

“A Secretaria Municipal da Saúde informa que o setor de obstetrícia do Hospital Materno Infantil de Juazeiro encontra-se superlotado, com todos os leitos ocupados. No entanto, todas as gestantes ao chegarem são acolhidas e atendidas. Em virtude da superlotação, tem sido dada prioridade aos procedimentos (partos ou curetagens) de urgência. 

A superlotação do HMIJ é uma realidade, sendo referência para 53 municípios da rede PE/BA, conta com a Central de Regulação de Leitos (CRIL) no controle das transferências entre os municípios. A direção do hospital acionou a CRIL para não enviar pacientes reguladas e auxiliar nas transferências daquelas que cheguem por demanda espontânea. No entanto, há uma real dificuldade nessas transferências, já que a maioria dos municípios da rede PEBA não tem prestado assistência a partos ou abortamentos.

Neste momento, a direção do HMIJ pede apoio às autoridades competentes assim como a compreensão da população. O HMIJ está fazendo grande esforço para dar o melhor atendimento a todos dentro das condições possíveis.”

Deixe uma resposta