Gaturiano Cigano comemora visita de ministro da Educação a Petrolina

Vereador Gaturiano Cigano foi articulador da visita (Foto: Blog Waldiney Passos)

Articulador da vinda do ministro da Educação, Abraham Weintraub a Petrolina, o vereador Gaturiano Cigano (PRP) comemorou a confirmação da agenda para segunda-feira (17). Segundo o edil, a visita de mais um membro do Governo Federal em apenas seis meses de governo mostra a “força política” do grupo Coelho.

“Já tinha falado com o prefeito e o ministro já tinha publicado a agenda dele. Com apoio da força política do senador Fernando Bezerra Coelho e do deputado Fernando Filho, o ministro vai estar aqui assinando uma ordem de serviço de uma escola no Quati. É um pedido da gente e de toda bancada”, disse Gaturiano.

LEIA TAMBÉM:

Ministro da Educação visitará Petrolina na próxima semana

O vereador não deu detalhes da agenda, porém, acredita que Weintraub possa ficar na cidade durante o São João, juntamente com o deputado federal e presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM).

Ainda de acordo com Gaturiano, Petrolina ganha com mais uma unidade escolar, a qual deverá ter 12 salas e pode ser entregue em 2020. “Petrolina só tem que comemorar, é uma obra de grande importância que vai trazer mais qualidade de ensino e emprego. Vimos pessoas que fizeram concurso e não foram chamadas ainda”, finalizou.

Um Comentário

  • Roberto José

    13 de junho de 2019 at 09:51

    O nobre edil, juntamente com o prefeito, poderia aproveitar também para cobrar a conclusão dos 5 Cmei’s que estão com as obras abandonadas, bem como cobrar a liberação dos recursos para a construção de mais 5, totalizando 10 Centros prometidos pelo prefeito na plataforma do “Petrolina cresce”. Poderia também cobrar agilidade na conclusão de obras pendentes da Univasf, como o auditório (campus central), o Centro Cultural (na orla), e o acesso ao campus de agronomia, na BR 407. Ademais, o ministro também poderia solicitar informações do Governo do estado sobre o porquê de ainda não iniciar a construção da Escola Técnica estadual; e, se for o caso, determinar a devolução dos recursos aos cofres federais para que sejam investidos em outras obras aqui no município, já que o Estado não tem interesse em investir por aqui.

    Responder

Deixe uma resposta