Grupo LGBT se organiza para reivindicar seus direitos na câmara municipal de Petrolina

lgbt

Será um grande ato de ação afirmativa na cidade de Petrolina(PE). Foto:ilustração

Uma grande concentração de grupos LGBT( Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros), se preparam para no próximo dia 28 de junho, às 8h da manhã, reunidos na concha acústica, centro de Petrolina, seguirem em marcha para a câmara municipal da cidade afim de entregar um relatório compondo todas as demandas da classe.

As principais reivindicações são: Doação de um Terreno para a Associação Libertária LGBT em Petrolina-PE, já que para a classe, a aquisição deste importante instrumento de apoio à causa LGBT, a Associação terá como ministrar Palestras, Cursos, Participar de Editais que tragam cidadania e dignidade à classe, assim como, o apoio aos LGBTT que estejam em situação de risco; 

Criação da Secretaria de Diversidade, onde este (a) secretário (a) seja representante da Classe LGBT, o Movimento já tem alguns nomes à indicar, vez que o Movimento convive e sabe realmente quem é Ativista da causa e merece este Cargo de grande relevância para a classe.Com a criação de uma Secretaria voltada as questões de interesse da classe LGBT teremos um apoio maior ao enfrentamento ao Combate as Fobias de uma forma geral e contaremos com o debate constante das demandas importante a classe;

Atendimento Especializado em Unidades de Saúde Públicas como AMEs; A classe LGBT não tem apoio adequado nas Unidades de Saúde, pela falta de profissionais especializados em atender este público. Precisamos de ações voltadas à saúde das (dos) Transexuais, Travestis e Lésbicas que necessitam de uma adequação melhor no atendimento e acolhimento nas redes de saúde;

Respeito e Dignidade as (os) transexuais na utilização do Nome Social em estabelecimentos de atendimento público, evitando constrangimentos para os mesmos;

O retorno ao PME-Plano Municipal de Educação, a Pauta que engloba a discussão sobre Gênero e Diversidade, não aprovada neste ano pela Câmara de Vereadores, onde a maioria dos vereadores composta pelos homens -19 no total-foram absurdamente contra. Apenas contamos com o apoio de 02 vereadoras que perceberam e sabem da importância dessa discussão e debate em sala de aula, para evitarmos assim, tantos casos de Feminicídio, Transfobias, Homofobias e todas as fobias relativas a classe LGBT, como o racismo velado que levam muitos alunos e acadêmicos a evadirem das salas de aula e assim terem seu futuro comprometido;

Que a data 28 de junho (Dia Mundial do Orgulho LGBT) torne-se parte da agenda de comemorações da cidade, onde com apoio da Secretaria de Diversidade, da Secretaria de Cidadania, Secretaria de Turismo e Cultura e da Associação, sejam realizadas Palestras, Seminários e Rodas de Conversas com Estudantes da Rede Pública Municipal e Estadual, Da rede Particular, com os Acadêmicos das Universidades e Faculdades de nossa cidade, assim como o público em geral, como também ajudar na Marcha e no Show da Diversidade;

Na área da Educação, exigimos que o PME-Plano Municipal de Educação, na cláusula que designa o debate e estudo de Gênero e Diversidade nas Escolas Municipais, sejam reintegrados para que haja uma melhor discursão e enfrentamento à violência de Gênero que cresce em nossa cidade. Excluir os docentes e discentes que debatam essas questões em sala de aula trás o retrocesso;

Criação de um Curso Pré-Vestibular que atendam a Classe de Travestis e Transexuais em risco e que estão na prostituição, para que assim as mesmas consigam a certificação no Ensino Médio, já que sabemos que a evasão desse público na rede educacional é crescente e que assim tenham condições de retornarem às salas de aulas e adquirirem cidadania e uma profissão para a independência financeira e consequentemente abandono da prostituição que é o único meio de sustento;

Criação de uma medida que faça com os Empresários de nossa cidade contratem Transexuais e Travestis, tendo assim redução em algum imposto municipal. Essa medida trará a inclusão e acima de tudo a dignidade para este público que tem como maioria a prostituição como sustento;

Aperfeiçoamento dos profissionais que fazem parte das delegacias de nossa cidade, para que atendam de forma ética, justa e com menos constrangimentos a classe LGBT, que muitas vezes não prestam queixas por falta de uma acolhida descente.

Esses pontos serão os principais a serem abordados neste encontro com o legislativo local.

Deixe uma resposta