Juazeiro: vendedora acusa enfermeira e médico de maltratar filha de 14 anos durante parto

A criança nasceu sem problemas, contudo, no dia seguinte ao parto, a jovem começou a reclamar de dores. (Foto: Internet)

Um médico e uma enfermeira foram acusados por uma vendedora ambulante de ter maltratado sua filha de 14 anos durante o parto da jovem na maternidade de Juazeiro (BA). Segundo a mãe, sua filha contraiu uma infecção devido à falta de cuidados.

Alessandra Pereira afirmou que a filha seguiu até a maternidade para o parto no dia 19 de setembro. “Quando chegou no centro cirúrgico, ela [a filha] estava deitada e já sem forças, fraca. Disse que a enfermeira empurrou a barriga dela para tirar o bebê e o médico, que não sei o nome, puxou, colocou as mãos dentro dela cinco vezes. A gente fica sem entender porque ele fez tudo isso”, reclama.

A criança nasceu sem problemas, contudo, no dia seguinte ao parto, a jovem começou a reclamar de dores. “A gente esperava que eles dessem uma medicação para amenizar o caso dela, mas não deram. Depois, ela apresentou essa infecção e ficou sangrando, com mau cheiro e eles liberaram, deram alta para ela ir para casa”, conta.

Ainda assim a jovem recebeu alta. Uma semana depois a adolescente precisou voltar à maternidade, onde continua internada. “Estava sofrendo. Chorava muito. Minha filha estava num estado que, se a gente não levasse, ela iria morrer em casa. Eu só quero a saúde de minha filha, só isso. O que a minha filha passou é triste. Eu não desejaria para ninguém”, diz Alessandra.

A secretaria de Saúde de Juazeiro respondeu a denúncia e afirmou estar “averiguando a situação”. Além disso, a secretaria pediu para que seja feita “uma análise de toda a assistência que ela está recebendo agora e da que recebeu inicialmente para a gente poder averiguar com rigor essa situação”.

“Ela está internada, está recebendo os cuidados e a gente continua investigando para poder apurar. Os responsáveis serão devidamente responsabilizados diante de cada situação”, disse a superintendente de atenção especializada, Cilene Duarte.

Deixe uma resposta