Mãe que aparece em vídeo nas redes sociais maltratando filho é presa pela polícia

Mae e o filho, maltratado

Thays Caroline Chaves, 21 anos, acusada de agredir e estrangular o filho de 3 anos em dois vídeos para chantagear os pais foi presa na madrugada desta terça-feira (29), após mandado expedido pela Justiça. Ela já foi transferida para o Complexo Médico Penal, em Pinhais.

Dois vídeos que circularam pelas redes sociais desde o último domingo geraram revolta entre os internautas. As imagens mostram uma mulher aparentemente estrangulando uma criança que, sem ar, tenta gritar, chora, e chega a ficar roxa. Depois da repercussão que os vídeos provocaram, ela se apresentou na Delegacia do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria), na tarde de segunda-feira (28). Seu advogado, Cleyson Landucci, afirmou para a imprensa que as imagens que circulam pela internet seriam montagens, mas segundo o que o Bem Paraná apurou, a polícia já fez perícia nos vídeos e descobriu que não há sinais de montagem. A prisão foi pedida pela delegada do Nucria, Lucy Santiago, responsável pelo caso.

 A criança de três anos que aparece sendo esganada nos vídeos ainda não sabe com quem ficar. Ela morava com a mãe até cerca de 15 dias atrás, quando passou a morar com o pai. Ele, no entanto, não possui autorização judicial para permanecer com a criança. Por enquanto, ela está com o o Conselho Tutelar.

O caso — O pai da criança e ex-namorado da suspeita da agressão, Paulo Braz Machado, de 22 anos, afirma que a mulher teria começado a ameaçar o próprio filho e a ele há cerca de duas semanas. Segundo ele, o casal se separou faz um mês e meio, mas ela não aceitava o fim do relacionamento. “Ela usa a criança para fazer chantagem, me manda mensagem dizendo que, se eu não voltar, ia matar o menino, ia me matar e até minha família”, relatou o homem, que chegou à delegacia logo após a ex-pareceira se apresentar acompanhada por parentes e pelo advogado.

Ainda segundo Paulo, os primeiros vídeos em que a ex-companheira aparecia torturando a criança lhe foram enviados no sábado retrasado. As imagens foram encaminhadas para familiares dela, que então concordaram em deixar a criança com o pai embora a guarda fosse da mãe. Ele então pegou a criança, enquanto a família da mulher teria prometido interná-la, conta. (Fonte: Bem Paraná)

Deixe uma resposta