Mais de 150 voos cancelados pela Avianca deixam consumidores de Pernambuco desamparados

A Secretaria de Justiça e Direitos Humanos e o Procon/PE dão prosseguimento nesta segunda-feira (29), à operação que busca minimizar os impactos provocados pelos cancelamentos dos voos da Avianca em Recife (PE). Desde a última sexta-feira (26), a fiscalização no Aeroporto Internacional Guararapes está intensificada para garantir que os direitos dos consumidores sejam respeitados.

A Avianca passa por um processo de recuperação judicial e só nos aeroportos de Recife e Petrolina, em Pernambuco, já foram mais de 150 voos cancelados, totalizando mil cancelamentos em todo o país. Recentemente, a empresa diminuiu a frota de aeronaves de 25 para 7, de forma que passou a atuar apenas em quatro aeroportos no Brasil: Congonhas, em São Paulo; Santos Dumont, no Rio de Janeiro; Brasília, no Distrito Federal; e Salvador, na Bahia. Por esse motivo, muitos passageiros foram prejudicados, como os que estão em Pernambuco.

De acordo com Pedro Eurico, secretário de Justiça e Direitos Humanos, a prioridade da operação é tentar embarcar o máximo de passageiros. “A gente vai continuar buscando de todo jeito fazer com que essas pessoas embarquem. Neste fim de semana, muita gente conseguiu embarcar e hoje nós estamos aqui desde cedo fazendo esse trabalho.” 

Se o embarque não for facilitado pela empresa, o secretário informa que é responsabilidade da Companhia Aérea garantir alimentação e hospedagem. “Se passar de quatro horas de espera, o passageiro tem direito à alimentação e a hotel, mas a companhia não está fazendo mais isso”. Nesse caso, é preciso contactar o Juizado Cível, no próprio aeroporto. “O consumidor tem que procurar o Juizado e ingressar imediatamente com ação de danos morais e também exigir indenização pelo que perdeu”. 

Karine Ferreira faz parte grupo de consumidores que teve o voo cancelado sem aviso prévio. Sentindo-se lesada, a empresária está preocupada e sem perspectivas de retorno para Feira de Santana, na Bahia, onde mora. O voo estava marcado para às 11h desta segunda-feira (29) e não havia sido apresentada, esta manhã, nenhuma alternativa de embarque para ela. “Estou me sentindo impotente sem saber como vou voltar pra casa. A gente compra uma passagem de avião pensando no conforto, no bem estar e a gente não tem nada disso garantido. Uma viagem que era pra  ser de descanso acabou sendo um transtorno”.

A gerente de Fiscalização do Procon em Pernambuco, Danielle Sena, informou que a operação não tem previsão de deixar o aeroporto e deve continuar de forma intensa no local até que a situação seja normalizada.

Com informações da Folha de Pernambuco

Deixe uma resposta