Operação Águia: Polícia Civil divulga balanço da operação que resultou em 19 prisões

(Foto: Ilustração)

Na manhã de hoje (23), a Polícia Civil, através da Delegada titular da Comarca de Araripina (PE), Katianna Alencar Muniz, divulgou em uma coletiva com a imprensa, dados sobre a “Operação Águia”, que teve início quinta-feira (22), e resultou em 19 prisões.

Segundo a delegada, que liderou a investigação, a “Operação Águia”, teve início devido aumento no número de homicídios, tráfico e roubos na região.
“Estavam havendo um grande número de homicídios na região do Araripe e as vítimas eram, quase todas, usuários de drogas, o que nos levou a crer que os homicídios estavam ligados ao tráfico”, afirmou Katianna Alencar.

A investigação teve início a mais de um ano com uma equipe pequena, com seis policiais e resultou na “Operação Águia”, que teve início em setembro deste ano, com o objetivo de identificar e apreender pessoas e grupos de criminosos envolvidos com o tráfico de drogas, associação com o tráfico, homicídios, roubo e estelionato, nos municípios de Araripina (PE), Trindade (PE), Serrita (PE), Petrolina (PE), Juazeiro do Norte (CE) e Marcolândia (CE)

Durante a operação três quadrilhas foram identificadas, duas eram comandadas de dentro do Presídio Dr. Edvaldo Gomes, em Petrolina e a terceira era liderada em Trindade (PE). Os líderes das quadrilhas eram: Edilson Júnior Sobral, Carlos Paulino da Silva, Helenilson da Silva e José Nilton da Silva. Faziam parte das quadrilhas: Romário Brasil Cavalcante, Renato Kerlles da Silva, Bianca Amorim da Conceição, Elenilson Evangelista de Souza, Cícero Cledson Figueredo, Gilvan Ivo da Silva, Boniek Paixão, Givaldo de Cruz Sá, Ailton Martins de Sá, Renato da Silva Rodrigues, Francisco Elison Conceição, Maria Verônica da Silva, Anísio Pereira da Silva, Isaac da Silva Souza e Rodrigo Barbosa Macedo. Do total 11 já estavam na prisão e 8 foram encontrados em casa no momento da prisão.
Foram apreendidos: 325g de Crack, 185g de Cocaína, 7,740 kg de maconha e 4 armas.

Deixe uma resposta