Pais de alunos do Colégio Militar de Petrolina levam reajuste na taxa da caixa escolar ao Ministério Público

(Foto: Blog Waldiney Passos)

O reajuste solicitado pela coordenação do Colégio Militar em Petrolina chegou até as mãos do Ministério Público de Pernambuco (MPPE). O valor cobrado para esse ano letivo na chamada “caixa escolar” teve aumento acima de 110%, segundo um grupo de pais e foi imposta pelo Comando Geral em Recife, com a justificativa de que os valores não sofriam aumento há nove anos.

Em abril quando o reajuste foi anunciado, o Blog havia noticiado que os pais civis deixariam de pagar R$ 35 e com o reajuste imposto, para desembolsar R$ 148. Na época o Coronel Amorim havia explicado que, apesar de ser uma escola pública, a taxa de caixa escolar, é cobrada em todos os Colégio da Polícia Militar com o objetivo de fazer a manutenção do estabelecimento, em Petrolina ela representa 80% dos gastos com manutenção na instituição de ensino.

LEIA TAMBÉM:

Aumento na taxa do caixa escolar do Colégio Militar de Petrolina causa insatisfação aos pais de alunos

Segundo os representantes dos pais desses alunos, que participaram de uma entrevista na manhã dessa quarta-feira (9), no programa Super Manhã da Rádio Jornal, além do reajuste inesperado, o Comando Geral também fez outra mudança que está prejudicando os estudantes civis, aqueles cujos pais não são militares.

Além de aumentarem além de 100%, nos tiraram da faixa intermediária e nos equipararam com a faixa superior dos oficiais da Faixa 1, tenente-coronel, major e o próprio coronel. Acumuladamente o aumento dentro da faixa e a mudança da faixa para os civis chega a 320% e para os militares, em torno de 100 a 110%“, disse Neldson Felipe.

Valores cobrados

Todas as cinco faixas de cobrança – de acordo com a patente de cada oficial – sofreram aumento. O grupo que representa os pais questionou o porquê do reajuste de nove anos ser cobrado de uma única vez. “A taxa é legal, nós não estamos nos negando a pagar, nós estamos questionando apenas o abuso do aumento. Decidimos em Assembleia registrada em ata que continuaríamos pagando os R$ 35 até que essa situação seja resolvida, até que as reivindicações sejam discutidas e o Ministério Público possa atuar”, explicou Neldson.

Assim como os pais civis, os pais militares também estão nessa reivindicação e continuarão pagando as taxas propostas anteriores, segundo Neldson. De acordo com ele, o Comando de Petrolina tem sido atencioso nas discussões, mas a palavra final vem de Recife.

Agora o grupo de aproximadamente 240 pais e mães aguardam respostas da capital. O caso está no MPPE, que já notificou o Colégio Militar de Petrolina. A instituição de ensino tem um prazo de 15 dias para prestar os esclarecimentos e existe a possibilidade da situação ser resolvida na esfera do MPPE.

Deixe uma resposta