Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Pipeiros de Petrolina vão a Câmara e cobram pagamento por serviços da ‘Operação Pipa’

Representante dos pipeiros recebeu apoio dos vereadores (Foto: Blog Waldiney Passos)

Enquanto os edis faziam seus discursos no Plenário da Casa Plínio Amorim a plateia era ocupada por um grupo de pipeiros que foi até a Câmara apresentar uma demanda sem solução: o pagamento dos trabalhadores. Eles são contratados para prestar serviços na Operação Carro-Pipa, coordenada na região pelo Exército Brasileiro.

De acordo com Marciano Bonfim, representante do grupo, há pipeiros sem receber desde fevereiro. “A gente tem algumas pendências, a gente precisa receber e não estamos receber. Quando vão a procura dos pagamento, desviam [da demanda] e manda ter ordem judicial. A gente assinou o contrato com o Exército, tem como provar [o vínculo]”, disse à nossa produção.

Problemas

Ainda segundo Marciano existem pipeiros sendo prejudicados pelo Exército, perdendo viagens trabalhadas já que há falhas no controle imposto pela coordenação, conforme relatou na entrevista. O grupo que foi a Câmara é de Petrolina e atua nos distritos da cidade.

Outra reivindicação da categoria é o congelamento no repasse para abastecimento dos veículos. “Recentemente o preço do combustível vem ‘altiando’ e com isso a gente está trabalhando com o mesmo valor, desde o começo da operação Pipa”, afirmou.

Apoio

Dos vereadores os pipeiros receberam apoio e um grupo se dispôs a acompanhar a categoria ao Exército, para mediar a negociação. Não há um número estimado de profissionais prejudicados, já que os contratos são firmados por períodos determinados, tendo a última remessa 26 motoristas.

Outro lado

Nossa produção tentou contato com o Exército de Petrolina e o Governo Federal, por meio do Ministério da Integração Nacional, a respeito das demandas apresentadas pelos pipeiros. Entretanto ainda não tivemos retorno.

Deixe uma resposta