Polícia apresenta novo suspeito de matar médico juazeirense em Salvador

Artur e Mateus foram apresentados no DHPP nesta segunda-feira (4) (Foto: SSP/ Divugação)

A polícia apresentou à imprensa, nesta segunda-feira (4), um dos homens suspeitos de matar o médico Marcos Spínola Ramos, no carnaval de 2013. O acusado era o oito de espadas do Baralho do Crime da Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA).

Artur Arlindo Barbosa Pacheco, 25 anos, conhecido como Arturzinho, se apresentou em uma delegacia, junto com o comparsa, identificado como Mateus da Silva Oliveira, “Pirrita”, 23 anos, e na companhia de um advogado, na segunda-feira (1º).

Os dois tinham mandados de prisão temporária em aberto pela morte do rival Rafael Santos Silva, e tentativa de homicídio de Alan dos Santos Santana. O crime ocorreu no dia 1ª de outubro, no Alto de Ondina, e tem ligação com o tráfico de drogas, segundo informou a SSP. Os dois estão presos.

De acordo com a secretaria, a dupla faz parte de uma quadrilha de traficantes responsável por homicídios no bairro de Ondina.

Ainda conforme a secretaria, a dupla cometeu o crime junto com Ycaro Caldas Fonseca, o “Fantasmão”, que morreu depois de uma troca de tiros com policiais militares, no dia 5 de outubro, no Vale das Pedrinhas.

Segundo a SSP, Artur era líder da quadrilha e, além da morte do médico e do rival, está envolvido em um duplo homicídio ocorrido em Itinga, Lauro de Freitas. Em 2015, Artur já tinha sido apresentado no DHPP, com comparsas, depois de ser flagrado com uma submetralhadora 9 milímetros e cinco revólveres calibre 38.

O médico juazerense Marcos Spínola Ramos, foi assassinado no bairro de Ondina, quando caminhava junto com um amigo, até o bairro do Rio Vermelho para buscar o transporte, quando foram abordados por dois homens, que anunciaram o assalto.

Parentes contaram que o amigo teve um cordão de ouro roubado e o médico reagiu à ação, sendo agredido com um murro. Após a agressão, segundo parentes, ele caiu no chão, bateu a cabeça e levou chutes dos suspeitos.

Com informações do G1

Deixe uma resposta