Policial que atirou em jovem durante protesto é indiciado por homicídio culposo

Após atirar, os policiais o arrastam pelo asfalto até a viatura da Polícia Militar (Foto: Arquivo)

O inquérito da Corregedoria da Polícia Civil foi apresentado nesta sexta (2) e concluiu que o policial que atirou no jovem Edvaldo da Silva Alves, de 19 anos, durante um protesto em Itambé, não possuía treinamento adequado.

O inquérito foi concluído pela Corregedoria da Polícia Civil e os detalhes, anunciados pelo delegado Pablo Tenório em coletiva de imprensa na manhã desta sexta-feira (2). Após pesquisa técnica, foi concluído que o policial que atirou no jovem durante protesto por segurança em março passado não possuía treinamento para o uso do elastômero ou bala de borracha. O capitão que deu o comando do disparo também não tinha treinamento e responderá por abuso de autoridade. Ambos serão indiciados por homicídio culposo (sem intenção de matar).

 O policial Ivaldo Batista de Souza Jr., de 33 anos, e o capitão Ramos Silva Cazé, de 43 anos, ainda estão atuando na Polícia, mas não nas ruas. A Corregedoria julgará se eles serão afastados ou não. “Na investigação não houve o preenchimento de requisitos legais que apontassem uma prisão preventiva dos policiais” afirmou Pablo Tenório.

Em depoimento, ambos os indiciados afirmaram que fizeram uso dos disparos para conter a multidão e que não tinham a intenção de provocar feridas letais.

Com informações do FolhaPE

Deixe uma resposta